Quebrando padrões

Analfabetismo Funcional segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Andei olhando umas prateleiras diferentes da última vez que fui a uma livraria e ainda não cheguei a conclusão se isso foi uma coisa boa ou ruim. Estava lá eu em um pocket show de uma banda que era foda quando do nada, me lembro que estou numa livraria e ainda não tinha visto nenhum livro. Como o show devia estar no final, vou andar por lá, folheando uns livros aleatórios, até que o show acaba e volto pra casa pensando umas merdas sobre o que vi. Sobre os livros, o show não, estava legal.
Primeiro de tudo, seção de psicologia. Não cheguei a ver muitos livros médicos porque não entendo nada disso, mas os livros que podem ser considerados normais nessa seção me chamaram um pouco a atenção. Que tipo de livro se chama Como tornar-se um doente mental?. Tá, o título é sugestivo, mas sabe como é que funciona isso tudo, o título não chega aos pés do que ele quer significar. Não vou falar desse livro, acredito que o resumo dele no site da editora já deve dar uma idéia do que ele é e porque eu nem cheguei a cogitar a possibilidade de o comprar:

Em ‘Como tornar-se um doente mental’, o autor apresenta uma psicopatologia às avessas. Em vez de dar receitas de uma vida saudável, revela, passo a passo, como ser um doente mental. Com isso, abre uma porta para que o doente possa entender melhor, e de forma bem-humorada, como ficou doente. Somente assim ele tem a liberdade de modificar o estado das coisas.

Bem-humorada, sei…
Enfim na volta pra casa fiquei tentando encaixar esse livro em alguma prateleira que não fosse a de psicologia, mas não consegui. Apesar de isso ser um livro que tem uma temática séria, seja lá qual for, a mistura de gêneros que estão sendo feitas hoje em dia na literatura tem me deixado um pouco ressabiado de comprar algo que possa ser muito diferente. Tem livro de psicologia se metendo a engraçadinho, livro de culinária que parece um guia turístico, volumes de auto-ajuda que contam trechos da história do país, livros técnicos que servem de modelo pra administradores e uma porrada de outros tipos de livros misturados que eu nem acredito que existem, mas se continuar assim, terão que ser criadas categorias novas para os colocar em algum lugar. Isso me lembra aqueles livros que tinha jogos pra fazer durante a leitura, pra entender direito a história, tipo palavras cruzadas, ligue os pontos, aqueles jogos que eram legais…
E nisso tudo, acabei por pensar em uma história cretina sobre um bando de albinos pescadores de golfinhos que só o fazem a noite por causa de seus problemas e que durante o dia se dedicam a fazer shows de marionetes. Durante o livro, eles iriam ensinar como mexer um boneco ou pescar um golfinho, até que um deles é morto por um boneco manipulado por um gofinho, ou algo parecido. Enquanto eles matam golfinhos, tentam descobrir qual é o que matou o seu amigo ou sei lá o que mais. A história é RUIM, eu sei, mas se é o caso de misturar gêneros, isso se encaixa perfeitamente nessas alterações que estão fazendo por aí.
Não estou falando que quebrar os padrões de escrita é algo ruim, mas apostar algo nisso é arriscado. O pior problema disso tudo é que sempre antes de feiras e convenções de literatura aparece uns livros assim, meio que se encaixando em uns 4 tipos de gêneros. Alguns são considerados os melhores da feira, ganhando destaque e uma matéria na Veja, pra que caso alguém tenha lido, consiga entender, o que leva ao segundo problema. Com tantas misturas de gêneros, a maior parte do público acaba por terminar de ler o livro sem saber o que se passou ali, tendo que reler ou desistir. Ou praqueles que são perseverantes, recorre a livros que servem de guias de leitura, algo que irei falar em outra oportunidade, mais conhecida como semana que vem.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Java

    hâ???

    Sinceramente acho que se cirassem uma ceção para esses livros do tipo “Livros sem nexo” ou “Leia e enlouqueça” as vendas desta mesma seçãos e sessariam(trokadilho besta), não por completo mas as vendas deiminuiriam consideravelmente, e bem, do que assim como todoas as outras instituições financeiras, as aditoras gostam? dinheiro, o que significa que se os livros não venderem é ruim assim sem seção nova para livros idiotas

  • Dezinhorox

    você devia escrever sobre autores como Agatha Christhie, Mark Twain etc.

  • Pois é… Até arranjarem classificação, poderia ter a sessão “outros”. Huahuah

    x

  • Entravix

    Orra, o java escreveu aquilo ali sério?parece meio ruim de ler, ou sou eu que preciso de óculos?

  • Java

    escrevi na pressa nem li antes de posta…

  • Fernando

    Santhyago, que tal falar um pouco de Augusto Cury? Tendo como foco sua obra de maior sucesso, “O Vendedor de Sonhos”.
    Eu fiquei bastante surpreso com a péssima qualidade do livro, da história, até da escrita do cara.
    Sem contar os vários erros de português, daqueles do tipo “entrar pra dentro”, rs
    Me pergunto como um livro desses pode estar (atualmente) no topo dos mais vendidos de ficção (7 milhões de livros vendidos apenas no Brasil).
    Pergunto-me também como esse livro pode ser considerado ficção quando na verdade se trata de um auto-ajuda descarado!
    Um livro completamente superficial e fraco.
    E o autor é uma anta.

busca

confira

quem?

baconfrito