Perguntas para um leitor

Analfabetismo Funcional segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Em todo o meu tempo de leitor, eu sempre me deparo com pessoas que se impressionam de alguém estar com um livro na mão ao invés de… sei lá, um cortador de unhas. A cara que elas fazem ao ver isso é muito boa, principalmente quando consigo ver a tempo. É um misto de surpresa com vergonha de falar algo. “Será que vai atrapalhar?”, “que livro será que ele tá lendo?” e muitas outras coisas que, logo depois que eu olho que estão fazendo isso, digo um “opa”, para tirar a atenção da capa que insistem em olhar sem parar.
Já que dali em diante eles tem a minha atenção, eles começam a tentar falar algo sobre livros, começando por perguntas que são sempre ridículas. As principais, irei enumerar abaixo:
– Nossa, que livro você está lendo? / Que autor é esse?; Como se adiantasse dizer o nome dele. A chance de ele reconhecer quem é Guy de Maupassant é quase zero, mas digo mesmo assim a resposta. Normalmente é respondido com um: “Ãhn, que interessante…” que aliás, é a resposta padrão de qualquer uma dessas respostas do leitor.
-Sabe, eu li duas apostilas / folhetos / revistas / há umas semanas atrás – Essa pergunta é só pra rolar uma identificação com quem está lendo, esperando receber a mesma resposta que a dele, ou se for o caso, receber alguma recomendação, sugestão ou elogio pela leitura. Nessa hora, prefiro ficar quieto, é melhor nem dar corda pra essa pessoa, pode ser que ela comece a falar sobre O Segredo. O que leva a terceira resposta, caso o cara seja um daqueles que não se importam com a leitura de nada, nem mesmo saquinho de chá:
– Pois é, ler é bom, mas só pra quem gosta! – Vamos analisar essa última frase, que ela é daquelas que tem um sentido escondido. Ler é bom, mas ele não faz isso, logo, ele não gosta de ler, justificando a segunda parte da frase, certo? Mas aí fica o sentido secundário da frase, vejam só. Ele sabe que é bom, mas não o faz por não gostar. Entre começar uma discussão com ele sobre gostar ou não de livros e olhar pra ele, dizer “pff” e voltar a ler, prefiro a segunda opção. Discutir com quem diz uma frase dessas é tempo perdido.
Ah sim, não estou falando que conversar com leitores é chato, mas atrapalhar o momento de concentração de um leitor pode ser algo desagradável às vezes. Se ele é daqueles que consegue voltar a ler sem problemas, não há mal nenhum nisso. Mas, e se o leitor é daqueles que custam a se entreter com o volume e depois de serem atrapalhados abandonam a leitura para sempre? Acontece muito disso, posso garantir. Meu irmão é um desses, porque ele até hoje não terminou o O restaurante do fim do universo pelo motivo de que ser perguntado todo momento por seus conhecidos sobre sua leitura não o deixava se concentrar bem.
E ser incomodado por pessoas que querem saber o motivo de sua leitura nunca tem seus locais preferidos. No trabalho, em sua própria casa ou até quando se está sentado debaixo de uma árvore, a chance de aparecer uma pessoa pra te perguntar o que está lendo é proporcional a sua concentração naquele momento. Até falaria pra fazerem um teste, mas duvido que ele desse certo. Em todo caso, a paciência é a melhor maneira de contornar esse fato. Ou então faça como um cara na biblioteca, ao ser incomodado por um amigo que se aproximava, perguntando a primeira frase logo acima. Jogue o livro na cara dele e saia o xingando. Se não resolver, pelo menos você fará uma cena que será lembrada por algumas pessoas. Eu lembro.

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Naga Riddle

    Acho que depende muito do texto, ou sei la do livro..
    Tem livro que se ta mto chato, ou ja tava com pri pra ler ou algo do genero , se evm alguem e me atarpalha por qualquer motivo q seja eu fico com mta raiva, pq não consigo voltar a ler.
    Mas se o livro ta fodastico, aquele que vc lê 500paginas em dois dias, vem alguem me atrapalhar eu só mostro o dedo e cont a ler de buenas…

    Mas raramente acontece a primeira opção.. eu amo ler e é mto dificil não gostar de um livro.. Acho q pode ate ser pelo fato de ja sei quais são os meus tipos de livros e quando vou comprar um novo, já vou direto nos de meus intere… ou em algum q alguem falou “vc vai gostar”.

    Isso evita esses tipos de roblemas!

    XD

  • sandrine

    Fones de ouvido e um pouco de antipatia ajudam. Funcionou comigo.

  • quando estou na casa de minha mãe, é só eu abrir um livro pra ler e ela vem pra querer conversar…

    parece que fica de tocaia esperando o momento…

    nisso, eu fecho o livro e a olho, com um sorriso do tipo “estou ocupado, volte mais tarde”.
    problema é ela reparar nisso…

    mas não posso ficar bravo com ela, já que só a vejo umas 3 vezes ao ano…

    mas é algo realmente bem incomodo

  • **Uiara

    eu respondo a qualquer uma das indagações com um profundo “hum” sem entonação alguma e volto a ler. Se a pessoa veio perguntar QUALQUER COISA enquanto tô lendo, é pq o dito cujo não gosta de ler. Se gostasse, saberia o quanto é irritante ser interrompido. Como não gosta, qualquer pergunta será impertinente e nem merece que eu formule uma resposta pra começar um papo furado qualquer…

  • .Leorick,

    Um, “Nem te interessa e me larga quieto funciona” , antipatia for the win like Sandrine

  • Eu não consigo ler na escola, nem em nenhum lugar que tem muita gente…

    Eu levo o livro, mas raramente o leio.

    Edgar A. Poe é do tipo que se me interromperem, demoro um pouco pra voltar ao livro.
    Eu volto na hora à ler a página. Mas sabe quando você acaba a página e percebe que não prestou atenção no que ela disse, e volta, e volta, até conseguir ler de novo. xD

  • Luli

    É, realmente, para ler Poe *-* é preciso muita concentração.
    Eu não consigo ler em qualquer lugar, deve ser um local calmo e muito silencioso.
    E você estava lendo Maupassant *-*, eu acho que estou te influenciando demais =D

  • Quando as pessoas me perguntam algo, geralmente qual livro é, eu respondo rapidamente e volto a ler, antes que ela tenha chance de pensar em mais alguma coisa para falar. Já que eu tenho o dom de acabar com conversas, não é tão difícil assim…

    x

  • b

    Fones de ouvido e um pouco de antipatia ajudam. Funcionou comigo.[2]

    Sempre funciona comigo. E não precisa nem estar tocando alguma coisa.

  • Brontops

    Concentração é super importante… Mas do que falávamos mesmo?

    Ah é, leitura.

    Realmente, como alguém aí em cima comentou, alguns autores demandam maior ou menor concentração. Pra ler “A Era dos Extremos” ou ler Clarice Lispector ou ainda Graham Greene, é preciso uma certa quietude. Eu sei disso porque costumo ler na condução: quanto mais objetivo e preciso um texto, mais rápido consigo dar conta do livro.

    Uma exceção foi o “Era dos Extremos”. Levei meses e meses para terminar… É um livro denso, cada parágrafo com trocentas informações…Se eu ficar corcunda de tanto ter carregado este catatau, será por culpa do Hobsbawn…

    Uma única vez me interromperam a leitura no trem: era um livrinho velho sobre aviação e o cara do meu lado era um entusiasta e queria saber onde adquirira… Eu acho que vc é muito azarado… Ou só tenta ler em casa.

    Em minha casa, é complicado ler: ou é minha mulher, ou o telefone, ou a tevê, ou o sono, tudo parece me interromper.

    Sugiro que pegue um busão e vá até o ponto final dele e depois volte. Ou então um trem. Acho que vc conseguirá ter a paz que precisa.

    Abs

    * * *

    Um livro legal foi “O Dicionário Kazar”. Eu não lembro do autor, mas é de um cara ioguslavo (ou era, já que não há + Ioguslávia). Eu achei que tinha algo a ver com o Sandman do Gaiman (ainda que seja anterior a ele). Existem duas edições de “O Dicionário Kazar”. Um para homens e outro para mulheres. Os livros são praticamente iguais, mas há uma página ou parágrafo de diferença entre um e outro.

    A idéia era que se vc encontrasse uma leitora lendo o livro-fêmea, vc pudesse ter um assunto para puxar com esta pessoa e descobrir qual era afinal a tal diferença.

    Achei super bonito isto. Ainda que signifique a interrupção da leitura.

  • Eu sou o único que não liga de ser interrompido?

  • É difícil alguém conseguir me fazer olhar para longe do livro que estou lendo.

    Mas quando alguém tá lendo no ônibus, é certo que eu vou tentar descobrir que livro é. Às vezes até leio junto com a pessoa, de longe, pura falta do que fazer…

  • pM

    não pizurk, vc nao é o único. Adoro quando as pessoas me interrompem perguntando que livro estou lendo e sobre o que é, o que me impressiona é ver o santhyago falar isso.

    \”Como se adiantasse dizer o nome dele. A chance de ele reconhecer quem é Guy de Maupassant é quase zero, mas digo mesmo assim a resposta.\”

    hauhauahuahahua, santhyago, você é muito foda. Não sei se você é mais engraçado por achar que ninguém conhece Guy de maupassant ou se é pq tu se acha demais por ler Guy de maupassant … enfim, adoro a maneira que você escreve, faz as pessoas pensarem: caramba, eu sou um bosta, só esse cara sabe ler …

  • Santhyago, quem é Guy de Maupassant? Sério, cita uns livros do cara aí.

  • Orra, quantos comentários…
    bora responder a eles!
    @Naga
    o livro importa tambem, isso é verdade. se el te prende, nada atrapalha no fim de tudo.
    @sandrine, leorick, b:
    queria ser tão “nem aí” pra fazer isso, como vocês. um dia, chegarei lá.
    @Ruryk
    sua mãe é sacana. dê pra ela um áudiolivro e quando ela estiver ouvindo, troque o CD pra ver se ela irá gostar.
    @Luli
    sua influência está me ajudando a definir melhor o que gosto, no fim de tudo. desde livros a… outras coisas
    @Brontops
    OLOLCO, quase escreve mais que eu. a idéia de pegar um ônibus até o final é uma boa, tentarei. e essa do dicionário me interessou também, pesquisarei sobre isso…
    @pizurk
    se importa menos, na realidade.
    @Manuela
    isso sim é que é força de vontade.
    @pM
    Ninguém normal conhece Guy de Maupassant, como aqueles vileiros ou aquelas vendedoras de bala no sinal. Só citei ele porque era “A Inconstante” que eu estava lendo naquele momento.
    @Théo
    pow, o cara não escreveu muita coisa.Ainda estou em busca de outros livros dele, mas tá dificil achar o negócio. não sei se poderia citar outros livros, mas gostei dos contos “Pensão Tellier”, “Bola de Sebo”, “A Herança” e o livro que citei acima.

  • @santhyago
    Não conheço, o que leva à conclusão de que leitores cults são MESMO arrogantes. :god:

busca

confira

quem?

baconfrito