Overdose Adaptações: Asilo Arkham (Panini)

HQs quarta-feira, 23 de julho de 2008

Fato: Mais de metade dos créditos de Asilo Arkham vai para Dave McKean. A narrativa de Grant Morrison é inteligente, mas não brilhante e aliada á alguém do nível de Jim Lee, Ed Benes ou … não teria o mesmo efeito que no traço rebuscado e sombrio que McKean utiliza. A HQ é estupidamente surrealista, um sonho em formato de quadrinhos. Um conto bizarro de Batman.

 Coringa homossexual e cada vez mais assassino

De forma resumida, Asilo Arkham coloca o homem-morcego em uma complicada situação: Os loucos alojados no Arkham fazem reféns e sua única exigência é de que quem os colocou lá seja internado com eles. Assim, Batman entra no mundo alucinado fundado pelo Doutor Arkham, enfrentando seus medos e aguentando gente do naipe do Coringa, Duas-Caras e Crocodilo.

 Hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha…

O interessante da história é que, assim como em filmes de terror, a própria mansão que serve de asilo é colocada como louca, pondo em cheque o mundo real e o ilusório. Na capa consta que o Asilo é “Uma séria casa num sério mundo” e, durante as … páginas que compõe a Graphic Novel, Morrison tenta nos convencer de que fora dos portões de Arkham é que estão os verdadeiros loucos. A sanidade do vigilante de Gotham é contestada o tempo todo, chegando ele próprio a se perguntar se não deveria ficar dentro do Asilo com os criminosos que prendeu.

 -É um jogo de palavras, Batman. Amor? – Robin… Não, NÃO! Eu quis dizer Mulher-Gato!!!

Sinceramente? Eu fiquei alucinado na primeira vez que li esta história em quadrinhos. Achei fantástica, um exemplo de como ao mesmo tempo os vilões de Batman são insanos e sanos. A HQ cria uma teoria bizarra sobre o Coringa, colocando-o como o vilão mais normal do Batman, que sofreria se super-sanidade, criando uma personalidade pra cada vez que ele tiver necessidade.

 Ele é normal… Assim como George W. Bush

Infelizmente, ela não é tão boa assim depois. As últimas páginas e o desfecho são meio broxantes. Porém, ter a história de Batman comparada á Alice no País das Maravilhas é absurdamente divertido. Até mesmo um Chapeleiro Louco ele tem! E o Coringa não é nada mais nada menos que o Gato Risonho que, de uma forma sinistra e cruel, introduz Batman ao mundo da loucura, dando-lhe pistas de como prosseguir, sem que a “Alice” perceba que cada vez mais louca ela fica.

Asilo Arkham


Arkham Asylum
Lançamento: 1989
Arte: Dave McKean
Roteiro: Grant Morrison
Número de Páginas: 128
Editora:Panini Comics

Leia mais em: , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • ricardus

    Curti muito ela.

    Inclusive é nessa que o coringa solta uma piada muito boa eipaseipipasu.

    Também curti os desenhos. Embora prefira os traços do Jim ou do Benes. Acho que os dois não se encaixariam nessa HQ =D

busca

confira

quem?

baconfrito