Ou aprende a ler ou não leia

Livros sábado, 05 de junho de 2010

Com o Pizurk me cobrando “maior produtividade” e devido aos vários comentários no post passado, resolvi fazer este post antes do previsto… Pra ser 100% sincero, o motivo principal foram os comentários do D e do Guilherme Piucco. Não que eu não agradeço todos os outros (Muito obrigado à todos – menos ao tal de Vinii Martins – os comentários são razão pela qual eu aguento o Pizurk), mas esses dois me chamaram a atenção. Ahh sim, graças à Bianca tenho meus pulsos de volta.

Bem, o tema do post de hoje é culpa do Jota Pê. Não é um tema diretamente relacionado à literatura, mas é algo importante caso você queria ler (Seja para você mesmo, seja para uma platéia), ter melhor entendimento do que está escrito e não irritar quem está do seu lado. E também evita sua prematura morte.

É um costume meu responder aos comentários nos posts, uma vez que aqui no Bacon não tem um sistema de respostas para os mesmos. Então, antes de começar o post, falarei sobre os 2 comentários que mencionei alí em cima:

D, minha intenção não é fazer pessoas rirem, e sim pensarem. Caso você leia os outros comentários, verá mais pessoas reclamando da vida, logo, é um EPIC WIN meu sobre você. E em relação ao “algo minimamente interessante, que seria legal ler até o final”, se você realmente LESSE ATÉ O FINAL veria que falo – mesmo que brevemente – de idiotas que não leem coisas até o final.

Guilherme, não, não sou arrogante na vida real, mas não me culpe por ser inteligente, afinal, antes a sinceridade do que a falsa modéstia. E só como curiosidade, você não acha que colocar dados by Ministério da Educação no post me faria parecer “ainda mais arrogante”? E Pizurk, primeiramente, obrigado pelo belo exemplo de matemática, mas fique tranquilo, afinal, considerando os 38% de brasileiros que votaram no Lula e que irão votar na Dilma, o Bacon tem público garantido.

Hermann, quais deles? Creio que você achará esse post ainda mais preconceituoso… isto é, se você ler.

E Uiara, os meus lacrimejaram.

Como o Jota Pê disse:

Foda é que estou no colegial e ainda têm alguns caras (fico feliz em saber que dá pra contá-los em uma mão)que, ao ler um texto em voz alta, o le-em da-quele jei-to que vo-cê lia na segun-da série, sem entonação e com pausas no meio das palavras porque falam mais rápido do que conseguem ler.

É incrivelmente irritante ouvir uma pessoa que não sabe ler, lendo. Claro, se a pessoa tem alguma doença, como a dislexia, não podemos culpá-la por isso, mas o fato é que a grande maioria (Chuto por volta dos 80%) das pessoas que não sabe ler, só não sabe porque não lê, não gosta de ler, é idiota ou por pura vontade de irritar mesmo. E para quem não entendeu, não me refiro aos 8% que são analfabetos absolutos e nem aos 30% que tem habilidade de leitura e de escrita muito baixos e nem a quem não teve chance de aprender, mas sim àqueles imbecis que tem estudo, tem a chance de melhorar e não o fazem por falta de vontade.

Ler sem entonação, não importando se forem perguntas, afirmações e exclamações já é algo terrivelmente cruel com os ouvintes, uma vez que impossibilita o entendimento do texto e aumenta o tédio e o sono, porque, sejamos sinceros, imagine que seu professor de história não sabe ler e resolve fazer uma bela análise literária da carta de Pero Vaz de Caminha, que já não tem uma linguagem fácil para os dias de hoje.  Isso sem falar no exercício de chamada oral que ele faria em seguida, sobre a carta.

 Meol cumpádi. Jente finíçima, umirde, currétu, um esemplo de vyda!

O Jota Pê também destacou as contantes pausas no meio das frases. Creio que seja um pouco além: Há pausas onde não deveriam haver pausas (A grande frequência é no meio das palavras), mas há também a FALTA DE PAUSAS, que normalmente ocorrem nos lugares que DEVERIAM ter pausa, ou seja, pontos, vírgulas, parênteses, pontos-vírgulas e afins. De verdade, não sei qual dos dois erros é mais danoso ao sistema auditivo das pessoas… Por um lado, interromper as frases no meio das palavras é terrivelmente ruim, toda a concentração é dispersada. Já pelo lado da falta de pausas, o entendimento é bombardeado, já que algo como:

Quero que a estrada venha sempre até você
E que o vento esteja sempre a seu favor
Quero que haja sempre uma cerveja em sua mão
E que esteja a seu lado seu grande amor

Vira algo desse tipo:

Quero kastrada venha sempre até vocêque o vento estejE sempra seu favor
Quero kaja sempre uma cervejem sua mãequesteja seu lado seu grande amor

E o último tópico abordado pelo Jota Pê (Nem sei se ele se deu conta disso…): O falar sem ler. De todos esse é realmente o pior, pois além de atrapalhar tudo (Absolutamente tudo) numa leitura, ainda demonstra a pressa de acabar de ler, a lerdeza (E a provável falta de QI) do leitor e a falta de treino na leitura (Pretendo falar disso num outro post).

 É com essa idade que você tem que começar a ler

Aposto que seus professores falavam algo do tipo de “Leia sempre em voz alta durante os estudos!”. Eu acho idiotice (E nunca fiz isso por sinal), mas admito que ajuda na hora de melhorar a leitura: Leitura nada mais é do que prática, treino. Isso também é algo que muitos professores da música falam para os alunos: “Olhos sempre na frente!”. Eles não estão dizendo que seus olhos devem estar do lado certo da sua cabeça, mas sim que você deve ler sempre antes de falar, e quando falar, já estar lendo a próxima coisa (A qual será falada, vocês entenderam). Claro, se você já tem prática na leitura, você automaticamente se sai bem (Ou menos pior) lendo algo em voz alta, afinal, ler é ler, não importa o volume da sua voz.

Algo que ajuda na hora de ler é “movimentar os lábios”, ou seja, ler, usando a boca, mas sem pronunciar som algum. Muitas pessoas tem esse costume, e acreditem vocês ou não, é algo que melhora a dicção na hora de ler em voz alta. Novamente fazendo uma comparação com a música, é a mesma coisa que treinar a embocadura nos instrumentos de sopro (Prevejo pensamentos maldosos em relação à essa frase…), sem treino, o som não sai.

Sim, há outros problemas em relação à leitura, como por exemplo, o vocabulário pequeno, o que gera interrupções para consultar o dicionário (Entende-se por “quem está ao lado”) e em alguns casos a questão da localização. Um exemplo clássico é: Ao ler um texto, pular uma linha inteira. De qualquer forma, as três observações que o Jota Pê fez estão aqui no post. Felizmente, como ele próprio falou, dá para contar nos dedos as pessoas que fazem tais coisas, uma vez que não é uma espécie que anda em bandos, como os búfalos:

 Antes que alguém fale merda nos comentários, eu não quis insinuar NADA

Como resumo, se você tem a chance de aprender a ler, não tem nenhuma doença, enfim, nada te atrapalha a aprender a ler bem e você não o faz, parabéns, você é um imbecil. Além de ser extremamente chato e irritante ouvir alguém que “não sabe ler” lendo, deve realmente ser chato e irritante para quem está lendo. Claro, se você lê mal de propósito você ainda é um imbecil, mas aí carrega não só o peso de ser um imbecil, mais também o peso de ser um tremendo mala, um chato, um – em termos mais atuais – um cu. E sim, você terá uma morte prematura.

Bem, obrigado mais uma vez por todos os comentários, mesmos os “desfavoráveis”: responder idiotices (Claro, há comentários desfavoráveis que estão completamente certos… o que não róla muito aqui no Bacon) me diverte. Sintam-se livres para me xingar nos comentários deste post também, só não garanto que eles serão publicados. Bom feriado pra todos vocês!

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Ruryk

    Foda é que isso se vê até na faculdade. Estou no 4º ano do curso de História e ainda tem nego que, quase formado e virando professor, apresenta seminário lendo, com pausas no meio das palavras e sem pontuação. Fico com pena só de imaginar os alunos deles…

    Agora, acho que seria útil se houvesse no português aquela interrogação invertida, como no espanhol, para indicar logo no início que a oração é interrogativa. Várias vezes, quando não há uma indicação, vou lendo normalmente e sou obrigado a voltar a frase toda quando vejo a interrogação no fim.

  • Eu concordo com o que cê disse aí no post, mas o diabo é explicar isso pros sujeitos que não sabem ler. É, porquê existe um certo fenômeno: As pessoas que aprenderam a ler direito são vistas como estranhas. Se numa sala você levanta e lê bem, fica um pairando uma sensação de estranheza. É bizarro isso. Acontece o mesmo com qualquer coisa que saia do “normal” (principalmente no meio adolescente), que é basicamente ter mal-gosto, no maior número de setores da vida que você puder. Se você não é assim, está à margem da “sociedade adolescente” haha.

    Obs: minha fonte de observação é a cidade onde moro, mas acho que a maioria das cidades não deve estar longe.

  • Matheus Nerd

    Olhe essa(ou esta?nunca soube usar bem esses pronomes,alguem ai tambem tem essa dificuldade?)frase e mi diga qual a dificuldade de ler:
    Em 1822 o Brasil se tornou “independente” da europa.
    Olhe como o Fdp leu:
    em mil oito-centos(ele achou que era 2 palavras provavelmente) e vin-te-dois se tornô idepédente entre virgulinha(Wtf is virgulinha) da eu-rô-pá.Agora me fale se esse gênio entre virgulinha(ainda estou rindo aqui) tem condição de estar quase aprovado no vestibular para direito para uma universidade federal…
    E um outro problema que eu vi foi de um rapaz que leu um paragrafo corretamente e quando perguntaram o que ele entendeu ele nem sabia o que tinha lido,ou seja não adianta falar uma porrada de palavras corretamente sem saber ao menos o que ela significa

  • Matheus Nerd

    “Acontece o mesmo com qualquer coisa que saia do “normal” (principalmente no meio adolescente), que é basicamente ter mal-gosto, no maior número de setores da vida que você puder.”
    julio ai nesse trecho se encontra o maior preconceito que eu sofro,O povo me vê como um completo idiota(apesar de eu ser ,mas por outros motivos)Somente porque eu leio livros sem ordem do professor(Oh my god,ele lê por vontade propria ele é estranho),E porque eu tento ao máximo escrever comentarios na internet usando o mais correto possivel…

  • @Matheus

    Algumas pessoas me acham “estranho” também por coisas como ouvir gente como Tom Jobim ou Frank Sinatra. Afinal, coisa “velha” não é pra adolescentes, daí quem é jovem e ousa quebrar alguma das regras da nossa famigerada juventude é mal visto.

    A coisa funciona assim com o hábito de ler, ainda mais ler coisas que não são populares nem modernas.

  • André

    @Matheus Nerd
    Mas diga, esse preconceito te afetou alguma vez?? Você tentou parar de ler livros e começar a digitar errado para ser aceito? A resposta é provavelmente não, e essa é uma das razões pela qual eu leio livros: exclusão social não tem efeito em você.

    Quando eu morava no Brasil eu sempre preferi ler livros a conversar com quase todas as outras pessoas, e por isso eu fui vítima de exclusão social. Meus professores sempre se preocupavam comigo e eu tive que explicar várias vezes que os personagens dos meus livros eram muito mais interessantes que qualquer um dos retardados da minha escola. Afinal, porque eu conversaria com o joãozinho quando eu poderia ler sobre o Grande Gatsby??

  • Um problema também é que ninguém se interessa por ler livros sem que sejam os da escola.
    Por exemplo, esse bimestre eu tive que ler um dos contos do livro Contos de Machado de Assis (ler um conto de Contos, é, ok)
    A grande maioria da sala só leu o que precisava, ou seja, comprou o livro atoa. E depois reclamam “para, não vou ficar lendo essas coisas chatas” e se eu pergunto “já leu algum livro que você quisesse ler?” a resposta, claro que é “não”.
    Se você não corre atrás de “aprender a gostar”, fica difícil…

  • Em aulas de filosofia ou sociologia, onde o professor sempre pede para alguns alunos auxiliarem na leitura, é sempre uma tortura. As pessoas têm a péssima mania de se oferecerem pra fazer algo que não está dentro da capacidade delas e ferrou. Comem pontos, vírgulas, palavras, trocam e adaptam frases que é uma beleza.

    O fator que a Bianca citou é importante. Essas pessoas se limitam a ler por obrigação. Salvo, claro, as que vivem abraçadas aos livros da saga dos vampiros porpurinados. Porra, nem pra ajudar a melhorar a leitura de adolescentes acéfalas (os) essa merda serve?
    (Por isso que eu prefiro continuar com meu Tolkien, Douglas Adams e minhas HQ’s <3)

    Só quero ver como esse povo vai se virar lá na frente, na faculdade ou em um emprego qualquer que exija o mínimo de capacidade intelectual.

    (Eu me despeço de todos vocês. Muitos aqui não verei outra vez. Coincidentemente, eu estou ouvindo Matanza, haha.)

  • D

    “D, minha intenção não é fazer pessoas rirem, e sim pensarem. Caso você leia os outros comentários, verá mais pessoas reclamando da vida, logo, é um EPIC WIN meu sobre você.”

    Eu nunca disse que você tinha tido um #Epicfail nesse quesito. Tão pouco foi um #Epicwin. Você teve algum sucesso, seu texto teve uma repercursão legal, mas um #Epicwin no quesito “fazer pensar” está um ou dois níveis acima do seu.

    Porém, o Bacon geralmente justifica textos no estilo do seu como sendo peça de humor, e você teve um #Epicfail em fazer uma peça de humor. Se não era seu objetivo, que bom.

    E, aliás, não vejo nenhum “EPIC WIN meu sobre você.”. Eu nunca fui um adversário a ser combatido por você. Estava de mal-humor, e resolví falar o que pensava do texto no momento. Se te ofendí, peço desculpas.

    “E em relação ao “algo minimamente interessante, que seria legal ler até o final”, se você realmente LESSE ATÉ O FINAL veria que falo – mesmo que brevemente – de idiotas que não leem coisas até o final.”

    Uhum. E qual o sentido de você ter dito isso ? Admito, há muitas coisas que eu não leio até o final. A “Bíblia Sagrada” e “Grande Sertão: Veredas”, estão entre os livros que me foram intragáveis, assim como o “Introdução à Filosofia” e, muito provavavelmente, algum outro de que não estou lembrado agora.

    Porém, não confunda. Eu não lí até o final do seu texto é porque ele realmente não me despertou interesse algúm, e não porque seja um idiota. De fato, seria um idiota se continuasse a ler se, depois de 2/3 do texto, não houvesse encontrado interesse algúm em sua leitura.

    Em todo caso, recomendo que você pare de prestigiar àqueles que lhe ofenderam com respostas em seus textos futuros. Dar atenção aos chatos e brutos significa aproximá-los de sí, dando atenção, e deixar de dar atenção aos que são legais com você, afastando-os de sí. Ainda não sou mestre nessa arte, mas tenho que admitir que pareço estar certo. Quantos serão que não estão lendo esse meu post imenso e sem gosto só porque meu nome está no texto ? :D

  • M

    @D

    ahahaha sou uma e virei teu fã, logo após ler teu comentário. sinto muito, bacon

  • Matheus Nerd

    @André
    Isso me prejudica no momento em que eu começo a humilhar as pessoas(Pior que é sem querer…Isso sim me torna idiota),Em uma sala com 30 pessoas tem 3 pessoas que leem(Só pra constar as series de livros preferidos são:Guia dos mochileiros da galaxia(Eu ^^),Harry poter e Crepusculo…)Ou seja mesmo lendo não se trata de muita coisa boa,o livro mais culto que li foi Deus um delirio de Richard Dawkins.Isso me entristece por não ter muito com quem conversar…

  • @André @Matheus Nerd

    Acho que essa coisa de sermos considerados estranhos por nos interessarmos por cultura um pouco relativo. No meu caso, por exemplo, gosto pra caramba de cinema, tenho uma boa noção de literatura e gosto de vários estilos musicais, culinária, arte e ainda por cima faço curso de FÍSICA na universidade. Se alguém me falasse de alguém com essa descrição minha, eu provavelmente acharia que é um nerd e tals.

    Mas não tem nada a ver cara, tipo, eu sou um dos caras mais populares da faculdade(humildade não existe no meu vocabulário) e tenho certeza que ngm me considera estranho. O segredo de tudo é saber lhe dar com quem você está no momento. Nem adianta eu tentar conversar de cinema, por exemplo, com meus amigos pq aí não vai ter papo e eles vão me achar estranho. Aí a gente conversa de futebol, mulher, festa, mulher de novo, academia e mais mulher.

    Quando você perceber que as outras pessoas tem afinidade com certo assunto pode conversar de boa e certamente não haverá esse estranhamento

  • E eu ainda leio livros esotéricos

  • Primeiro foi o K, agora tem o D e o M. Esse site tá virando uma sopa de letrinhas.

    Mas o D tá certo. Cê devia responder comentários nos comentários, Loney. Ainda mais comentários de nego que escreve “#Epicfail” e #Epicwin”, como se tivesse no Twitter, ou ainda “algúm” ou “Tão pouco”.

    @Yuri
    “lhe dar”? Cê é dado assim? Tou vendo que o fantasma da SE fez você soltar a franga. Mais um pouco.

  • LOL, nem notei a coisa do falar sem ler quando escrevi o comentário. Mas agora que parei pra pensar, acontece mesmo. E o que eu falei de contar nos dedos nem sempre é verdade. Antes eu estudava num colégio onde só tinha playboy, e era triste ver que os pais pagaram oito anos de educação num colégio caro pro filho não saber nem ler um texto.
    É foda ver que ainda existe gente que acha que quem lê é trouxa, e que ser esperto é pegar resumo do livro e ir bem na prova.

  • Guilherme Piucco

    Se o outro post fosse na mesma linha deste, teria comentado positivamente.
    Discordei apenas da abordagem. Não do conteúdo.
    Tanto que os dados que coloquei concordam com o que foi escrito.

    E pelo arrogante, peço desculpas. É que ando meio cansado de pseudo-intelectuais(não querendo insinuar nada) dizendo que não se tem criado nada de bom.

    Agora, sobre esse artigo. Belo texto. Deixo minha contribuição citando Buarque.
    @Sen_cristavam “Se você quer ver como será um país no futuro, olhe para sua escola pública de hoje.”

  • K

    Bando de afetados.

    @M
    Cê é fã de alguém que não sabe acentuar? PQP

    @Pizurk
    Sopa de letrinhas foi muito homo.

    E acrescento: Quanto mais eu vejo professores do ensino fundamental dar aula, mais eu tenho certeza de que o meu filho vai estudar na Argentina. Pedagogia, do jeito que tá, deveria ser abolida pelo MEC em todas as instituições. Não que no ensino médio a coisa melhore. Muito professor fala sem respeitar o plural, abrevia palavras e taca acento onde não existe. Com gente assim ensinando, como cês querem que alguém goste de ler?

    E por sinal, quando eu peço a alguém pra ler um texto para toda a sala, todos sempre olham pra apostila, caderno, chão: Pior do que não saber e deixar tudo de lado é saber ler e ter vergonha disso.

  • @K
    Era essa a ideia. Nego que se identifica só por uma letra é bem GUEI mesmo.

  • E.Piloto

    Excelente texto!
    Se todos os pseudo-críticos (é assim que escreve? reforma ortográfica miserável!)fossem respondidos dessa maneira, seres como nós que temos um mínimo de cultura e apreço pela leitura, seriamos poupados de ouvir verdadeiras bobagens.
    Mais uma observação: Cultura, leitura e educação(não a básica, essa é imprescindível) são para pouquíssimos; mesmo que o sujeito tenha como obter isso, se ele não quiser ou não tiver o desenvolvimento intelectual necessário (Sim, Platão estava certo!) não há santo que o fará ter apreço pelo conhecimento.

  • Marina

    @Júlio
    o bizarro é que as pessoas só começam a tentar aceitar um gosto diferente ou perder um pouco do preconceito quando vc passa a demonstrar que não está nem ai se elas acham estranho ou não vc fazer uma coisa que ninguem mais faz. por exemplo, eu escuto música árabe. sempre que eu falo isso para alguem, me olham com uma cara de “Q?” e as vezes riem. como se algum dia tivesse escutado música árabe para saber como é.

  • Marina

    @K

    vc está realmente desvalorizando todo um comentário pq a pessoa nao acentuou uma palavra direito? se vc não sabia como argumentar, não falasse nada.

  • Marina

    mas não me interprete mal, eu gostei do texto.

  • K

    @Marina
    Eu desvalorizo comentários de gente que pensa que aqui é Twitter pra escrever #tudo #assim #epic. E convenhamos, pra comentar em um texto sobre saber ler, saber escrever bem é regra primordial. Nada contra abreviações e um ou outro erro, mas “ofendí”, “resolví”, “sí” e “algúm” é foda. Nego tem backspace no pc e borracha na vida real. Custa ler o que escreveu antes de publicar?

    Também, tô aqui como leitor noob, mesmo. O texto nem é meu. E é por isso mesmo que ele ficou bom.

  • Anônimo
  • Marina

    @K

    É, não tem como argumentar contra isso.

busca

confira

quem?

baconfrito