O Profissional (Léon)

Bogart é TANGA! terça-feira, 15 de Março de 2011

Com o ano começando de verdade (Depois do carnaval), estou de volta escrevendo por aqui, já que cinema tá perdendo cada dia mais gente no bacon. Por falar disso, tenho que dar tchau pra Uiara, que tanto me pelou o saco nesse site: “Abrass, e té mais!”

Bom, mas vamos falar de filmes, e o de hoje é um dos únicos que prestam na filmografia do diretor francês Luc Besson.

Sinopse: Um assassino profissional (Jean Reno) acaba tendo que cuidar de uma adolescente de 12 anos (Natalie Portman), cujos pais foram mortos. Relutante no começo, ele começa a ensiná-la seus métodos, criando uma conexão de pai e filha entre os dois.

Como dito em uma das cenas iniciais do filme, Leon é um cara da pesada. Ele faz “serviços ” pouco convencionais para Tony, o homem que o criou desde que o profissional em questão chegou ainda jovem da Itália. O trabalho de Leon vai desde cobrar dívidas, na base do medo e da força bruta; até assassinatos para seu chefe, e somados à sua personalidade fria e calculista e suas ótimas habilidades de luta e tiro, o tornam uma máquina de morte.

Apenas no servicinho inicial, o cara já abate um bocado de capangas de um importe mafioso, e faz com que sua vítima faça tudo o que ele quer. Mas se não fosse por essa profissão, o cara passaria completamente despercebido, sendo até confundido com um cara completamente normal (Tirando os oclinhos redondos, ao estilo de Mickey, de Assassinos por Natureza). Leon mora em um apartamento comum, onde uma das suas únicas diversões é cuidar de uma planta.

 Quem diria que 17 anos depois ela ganharia o Oscar?

Certo dia, ao chegar ao hall de entrada do apartamento, ele encontra com Mathilda, a filha do meio de seu casal de vizinhos. Eles conversam um pouco, porque a garota estava com um baita olho roxo e ainda por cima, fumando. Acontece que, pouco tempo depois, uns caras aparecem cobrando do pai de Mathilda um suposto adulteramento de cocaína, já que era o pai dela que guardava a droga. Ele jura que não mexeu na droga, mas Stansfield (Gary Oldman), o chefe da quadrilha, um cara esquisito, que não gosta de ser incomodado enquanto escuta música e “sente” o cheiro da mentira, dá a ele 24 horas para encontrar e entregar o resto da droga.

O malandrão insiste dizendo que não mexeu na droga (Mas sabemos que ela estava escondida), e como consequência, a quadrilha chacina a família inteira. Menos Mathilda, que conseguiu fugir e se refugiar no apartamento de Leon. Ela já sabia o que ele fazia para ganhar a vida, e pede a ele ajuda para vingar a morte do irmãozinho, o único da família com quem ela realmente se importava. Após relutar um pouco, Leon concorda e abriga Mathilda consigo, e aos poucos os dois desenvolvem uma grande amizade.

 Tem que chamar o Capitão Nascimento pra esse cara.

Leon começa a treinar Mathilda nas artes da matança, mas as coisas começam a dar errado quando a garota começa a querer agir por conta própria, e Leon tem que consertar os erros que a amiga comete, muito devido a sua inocência de criança. É legal de se assistir O Profissional por esse ser um filme de ação com roteiro inteligente e ótimas atuações. Jean Reno passa exatamente o papel para ele desenhado, de um matador que não sabe porque mata, um matador inocente. Natalie Portman, por sua vez, dava indícios da grande atriz que se tornaria, já que apesar da pouca idade, roubou a cena do filme como protagonista. Com menos tempo em cena, o mil faces Gary Oldman também se sai bem como o policial corrupto. No final das contas, O Profissional é um bom filme, que consegue destoar de toda a filmografia graças ao roteiro do próprio Luc Besson.

O Profissional

Léon (110 minutos – Ação)
Lançamento: EUA, França, 1994
Direção: Luc Besson
Roteiro: Luc Besson
Elenco: Jean Reno, Natalie Portman, Gary Oldman, Danny Aiello,

Leia mais em: , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Eu também gosto muito desse filme.

  • Uiara

    Joana d’Arc não é de todo ruim também. E abrass, Yuri.

  • lidi

    simplesmente amo esse filme…mathilda é uma personagem intrigante e interessante, inocente e criada num ambiente familiar conturbado…lembro d qnd ela fala q n lamenta a perda da familia…somente do irmão…e p isso quer se vingar…atuações perfeitas e a planta então nem se fala..rsrs

  • Renato

    Vamos poupar um pouco a politico-correção. A relação entre Leon e Mathilda tem tensão sexual intencional.

busca

confira

quem?

baconfrito