O perigo de um livro

Analfabetismo Funcional segunda-feira, 05 de maio de 2008

Ahhhh, livros perigosos, como ficar sem eles? Antes de tudo, estou falando de livros que tem um tema um pouco diferente do usual, daqueles que quase ninguém escreve sobre ou falta coragem pra isso. É claro, eu poderia estar falando sobre isso aqui:

Mas isso ainda não vem ao caso ainda, talvez em uma futura coluna…
Enfim, como estava falando, a algum tempo atrás o Thiago fez um NTOP10 sobre Os 7 Livros Mais Prejudiciais a Sua Mente, livros exatamente focados nisso, na arte de te deixar meio diferente depois da leitura; se melhor ou pior depende muito.
Mas antes de tudo, vamos a questão principal: Porque ler esse tipo de livro?
A resposta é simples: É legal, apenas isso. Mas não é apenas por ser legal, esse tipo de livro é aquele tipo que dá a impressão que tudo irá mudar depois de o ler, que tudo será diferente. Claro, se você é um cara parado, que nunca faz nada e espera tudo acabar para tentar um espaço depois baseado nas idéias alheias isso não é lá grandes coisas, essa sensação de tudo mudar deve durar uns… 40 minutos apenas.
Mas para certas pessoas a sensação de tudo mudar é bem forte, pois deve ser um tipo de pessoa que a mensagem é passada mais forte, que o impacto da leitura fica um pouco mais evidente. Iria falar aqui de como um livro desses é aceito por uma pessoa desse tipo, mas não o farei. Primeiro, porque não tenho nenhum caso de pessoa assim para contar, pelo menos não ainda e segundo, isso iria ficar longo demais com um relato, e não quero que ninguém aqui durma, pelo menos não nesse ponto.
Tenho alguns desses livros em minha prateleira, e alguns deles são aqueles que eu tenho certeza que se eu emprestar ou os deixar a vista, nunca mais os verei. Por exemplo, esse livro que pegou a 7ª posição, o CAOS – Terrorismo Poético & Outros Crimes Exemplares (Hakim Bey). O único tipo de pessoa que poderia pedir esse livro emprestado é aquela que já conhece algo sobre o CAOS, que ao reconhecer as palavras já é acometido pelo impulso de ter aquele livro, colocar em prática algumas idéias. Como eu sei que se ele ficasse a vista ele seria roubado na primeira oportunidade, deixo ele guardado em outro lugar, por garantia.
Mas voltando a literatura perigosa, ela é capaz de fazer danos ao cérebro de maneiras irreversíveis. Capaz de alterar comportamentos, maneiras de enfrentar problemas, percepção da realidade, alterar a consciência, esses livros deveriam ser essenciais a qualquer um, afinal, se algo é capaz de mudar tudo isso, pelo menos passar os olhos por eles todo mundo deveria fazer.
Idéias tão fortes que não podem apenas ficar no papel, são essas coisas que tem que ser apreciadas por todos. Agora, saiam de minha frente, vão viver um pouco, colocar idéias em prática, não importa o quão loucas elas sejam. Voltem semana que vem para novas instruções, se ainda estiverem vivos.

Leia mais em: ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • O AOE vai realmente começar a endossar essa história de pensar ou isso é tudo conversa fiada para pegar as gordinhas de óculos de aro grosso?

    Se for falar de livros perigosos não esqueça do básico Orwell+Huxley…
    E não se esqueça que nem só livros vive a desestabilização mental…

  • Mateus

    Coincidentemente, pedi CAOS emprestado ontem pra um amigo meu. Já tinha lido TAZ do Hakim Bey (você já leu? é bom pra caramba), e agora estou pensando seriamente em não devolver!

    ótimo texto!

busca

confira

quem?

baconfrito