O julgamento

Contos segunda-feira, 04 de Fevereiro de 2013

Na presidência rotativa da assembleia, Dom Pedro II abriu os trabalhos desse julgamento histórico.

Louco ou sábio? Deu-se a palavra ao réu Montesquieu[1] que bradou:

– Separem-se os poderes!

Napoleão, chegando atrasado no seu cavalo branco, observou aquilo e

– Coitado, ficou perturbado com essas idéias. É louco com certeza.

Maria Antonieta concordou:

– Dêem-lhe brioche e depois cortem-lhe a cabeça.

– Que bando de franceses. Se eu fosse a favor da pena de morte sugeriria enforcá-lo. Guilhotina é rastro da cultura eurocêntrica. Mas, sou defensor da liberdade. Malditos portugueses! Apesar de europeu, Montesquieu é sábio. Não é mesmo, Silvério? – perguntou Tiradentes, com a sabedoria de quem confia nos amigos.

– Maria Antonieta não é francesa, é austríaca. Assim, como não sou brasileira, sou portuguesa! Portanto, veja como fala Tiradentes, ou se esqueceu do que aconteceu com você durante meu reinado?[2] – deixou bem claro Maria I de Portugal, conhecida como Maria, a Louca.

– Não façam isso com Montesquieu. Ele não é sábio, tampouco louco, ele é uma gracinha! – com seu sorriso contagiante, lá estava Hebe Camargo.

– O Espírito das Leis! – gritou um ensandecido Montesquieu assustando o tímido Miguel de Cervantes e a perfumada Coco Chanel.

Os dois papas presentes participavam de forma distinta do julgamento. O bonachão João XXIII defendendo com palavras de carinho e compreensão, o carrancudo Pio XII se omitindo dos fatos.

George Washington, com sua inseparável nota de 1 dólar[3] e sua garrafa de uísque[4], cansado, apenas queria ir para sua fazenda no interior.

Madre Teresa tomava chá e, influenciada pela sua nova amiga, Irmã Dulce, ouvia a nova música de Caetano e Gil.

Urrou-se um protesto no salão:

– Deixem-me falar! Só por que sou apenas o xará de um jogador de futebol? Agora, quem é Sócrates? O doutor? Até o Ari pensa assim. – disse o filósofo grego antes de tomar seus antidepressivos.

– Calma! Nossa relação já é consolidada. Não fique triste. – o sábio Aristóteles consolou o amigo carinhosamente, numa atitude que não surpreendeu nenhum dos presentes.

As ausências de José Alencar, Santos Dumont e Nelson Mandela foram sentidas. Alencar em razão de mais uma cirurgia. Dumont por causa do atraso na ponte aérea. E Mandela, pelo simples fato de ainda não ter morrido.

Gandhi e Gengis Khan, alheios a tudo e a todos, debatiam acaloradamente, sob os ouvidos de um interessado Nicolau Maquiavel, sobre as vantagens da desobediência civil e da guerra.

Para aumentar ainda mais a repercussão do julgamento, surge de supetão no tribunal o adiposo Nero, que, nu, colocou fogo em tudo e correu pelo corredor, gritando:

– Está tarde demais. Isto é o fim.

Pânico generalizado.

Todavia, o fogo foi logo foi controlado rapidamente pela Brigada de Incêndio “11 de Setembro”.

Dom Pedro II, com sua barba chamuscada, parabenizou os bombeiros e encerrou o julgamento, pronunciando o veredicto:

– Montesquieu é sábio. Louco é Nero.

Em comemoração, bem ao longe, foi ouvida somente uma frase:

– Separem-se os poderes!

1 – Viveu durante o Iluminismo e escreveu “O Espírito das Leis”, criando a Teoria da Separação de Poderes, implementada por grande parte das constituições do mundo.
2 – O processo, condenação e execução de Tiradentes ocorreu durante o reinado de Maria I em Portugal.
3 – George Washington, primeiro presidente dos Estados Unidos, tem sua figura nessa cédula.
4 – Quando presidente, ele teve de superar uma revolta contra o imposto do uísque.

Michel Pinto Costa é um cara bem legal, pena que não pode ver mulher, e mandou um conto pra salvar a pátria em cima da hora hoje. Se você também quer ter seu texto publicado aqui no Bacon, é só clicar aqui.

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • K

    Mano, sem querer ser chato nem nada, mas já sendo, isso foi um punhado de nomes e fatos históricos aglomerados sem sentido algum.

  • Verdade. Me lembrou seus textos.

  • K

    Não, cara. Não.

  • Michel

    Para ler o texto, tem de ter no mínimo, um pouco de senso de humor e descompromisso.

    Há muitos pontos característicos de cada personagem que ficaram nas entrelinhas.

    Quem quer uma qualidade maior, sugiro Saramago. Já li e é muito bom.

    Hehehehe…

  • Guest

    Eu gostei bastante do texto, cara.

  • Guest

    ss

busca

confira

quem?

baconfrito