O Iluminado (Stephen King)

Livros segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Ok, já adianto uma coisa: Nunca vi o filme. E se já nessa frase não ficou claro, isto é uma resenha do livro, não do filme e nem do roteiro do filme, ok? Ok. Dito isto, eu não sei em que ponto a carreira do Stephen King desandou (E creio que nem tenho saco pra descobrir), mas com este já li os três primeiros trabalhos e a coisa é melhor do que eu esperava.

 Acabemos logo com isso.

A história básica cês já devem conhecer: Jack Torrance, um ex-bebum, arranja um emprego de zelador num hotel nas montanhas do Colorado, e deve passar isolado da civilização, junto de sua mulher Wendy e seu filho, Danny, toda a baixa temporada. O Hotel Overlook já vira de baile de máscara à assassinatos, já pertencera à máfia e à empresários corruptos e fora palco de outra desgraça com o antigo zelador. Mais não véi, cum nóis vai sê diferente. Porra.

Claro que dá merda, claro que tem morte, claro que o hotel é assombrado… Não é possível que em plena década de 70 todo mundo já não soubesse pra onde a coisa ia caminhar. Aliás, um dos grandes mistérios do livro é tão absurdamente simples que, o pequeno fato de ter uma dica (Óbvia) de como solucioná-lo faz você se questionar se realmente valeu ler as 40 páginas até alí. A resposta é não, não valeu, mas algumas das próximas páginas valerão.

 Previsível? Pois é.

Se os livros do Tio Stephinho normalmente enrolaram pra caralho sem motivo lógico algum, aqui ele faz a mesma coisa, mas sem ficar absurdamente chato e parado. A impressão é justamente que o livro foi feito como se fosse um roteiro de filme, e é dividido exatamente como um. Quando tudo esta bem (Ou relativamente bem) são as partes mais sem graça, mas são nos momentos de tensão, em particular quando os personagens estão sozinhos (Ou melhor, sem outro familiar por perto), que o livro mostra seu valor.

Os três momentos em que Danny, o filho do casal, fica sozinho com a mangueira UI, quando entra no quarto 217 e quando está no playground são os melhores momentos do livro, seguidos de perto pela cena de Jack com os arbustos em forma de animais (Acho que, no filme, trocaram isso por um labirinto). Já disse várias vezes que sou um tremendo covarde para séries e filmes, mas o mesmo não se dá com livros, e estas cenas fizeram minha bolas encolherem um pouquinho. Eu não saí da cama pra fechar a janela ou olhar o corredor, mas acendi a luz do banheiro antes de entrar nele.

 Imagina só…

Se você quiser pensar que este é apenas um livro de terror e suspense de um autor qualquer, eu apoio totalmente, mas se quiser considerar do Tio Stephinho, assuma seu lado neo-hipster e diga que era de quando ele ainda escrevia, ao invés de transcrever uma alucinação com uma torradeira assassina. As cenas de tensão são fodas, você se importa pelos personagens (Eu realmente estava torcendo pro preto não morrer) e ainda tem, segundo um monte de gente, uma das melhores adaptações pro cinema que um livro já teve. Lê aí, o que pode acontecer de ruim?

O Iluminado


The Shining
Ano de Edição: 1977
Autor: Stephen King
Número de Páginas: 447
Editora: Círculo do Livro

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Daniel dos Santos

    Larga a mão de ser tanga e vá já ver o filme, rapaz.

  • Loney

    NUNK

  • Arthur Arantes Souza

    O filme é 10x melhor que o livro. Só isso.

  • Daniel dos Santos

    Não é melhor mas é tão bom quanto.

  • Arthur Arantes Souza

    É a sua opinião ou você que decide o que é bom ou ruim para todos?

  • A sua pergunta cabe pra você também.

  • Arthur Arantes Souza

    Justo.

  • Daniel dos Santos

    É óbvio que a palavra final é minha.

busca

confira

quem?

baconfrito