O ABC da Morte (The ABCs of Death)

Cinema sexta-feira, 18 de outubro de 2013


Coleção de 26 curtas, executados por diferentes diretores, com apenas um objetivo: Ilustrar diferentes formas de morrer de acordo com as letras do alfabeto.

Tenho uma relação de amor e ódio com o Festival do Rio. Consegui ver ótimos filmes nas edições passadas. Em contrapartida, ficar mofando na fila para comprar ingressos se torna um programa a parte. Assim como esperar pela liberação dos filmes que, em alguns casos, se dão com uma antecedência ridicula. Decidi que minha passagem pelo Festival só aconteceria se fosse de forma natural e em horários que eu não tivesse que esbarrar com aquele pessoalzinho pseudo-intelectual vestindo camisa do Woody Allen, mas que se estapeiam com você e tentam furar fila. Estamos de olho!

Aparentemente O ABC da Morte não chamou muito a atenção. A sala estava relativamente vazia, mas a premissa me empolgou. É um longa composto de curtas, onde cada diretor convidado recebeu uma letra do alfabeto para ilustrar uma forma de morrer que começasse com a letra que foi estipulada. Não precisava ser a causa mortis, propriamente dita, mas se relacionar de forma determinante para que a morte ocorra. Apenas no final o público fica sabendo qual foi a palavra escolhida e tentar adivinhar é um dos pontos altos do filme. Não tem nada mais minha cara que isso.

Como qualquer obra que envolve diversos profissionais trabalhando em diferentes histórias, é difícil de julgar como um todo, sem fragmentar. Não é o tipo de filme que você indica pra sua mãe, ou para um amigo de estômago mais fraco. Ou que você possa dizer seguramente que é bom ou ruim. Na realidade, tem de tudo. Eu não conhecia nenhum dos diretores, então a cada letra ia me surpreendendo com a visão e, muitas vezes, com a criatividade dos envolvidos. Ou a falta dela.

Enquanto alguns curtas foram bem elaborados, realmente pensados nos detalhes e capazes de empolgar, outros deram uma impressão muito desconfortável de desleixo. Não apenas no comprometimento com a história, mas principalmente com o público. Sinto que muitos não entenderam que a coerência com a escolha da palavra não era o mais importante, mas sim os eventos que levavam aqueles personagens até o suspiro final. E alguns diretores buscaram ser tão diretos que conseguiram o impensável: Apresentar para o espectador uma narrativa nula, onde tudo o que víamos era o momento da morte em sí. Resultado: Zero empatia com personagens. Zero interesse no processo criativo.

O ABC da Morte se reforça na pluralidade dos envolvidos nos projetos. As diferentes escolas, referências e nacionalidades contribuem para que o público não fique entediado, ainda que nos curtas mais enjoados. Não posso falar muito de cada obra individualmente, porque seria spoiler na certa. Mas eu te digo uma coisa: Se você não se incomoda com sangue, escatologia, cenas de maus tratos a animais (Tudo ficção, gente, nenhum bichinho foi machucado de verdade na execução do filme) e coisas pontiagudas perfurando seu ânus, pode assistir sem medo. Os curtas estão separados no You Tube, caso se interessem. Vai ser, no mínimo, uma experiência interessante de horror, nervoso e diversão. Tudo em duas horas.

O ABC da Morte

The ABCs of Death (124 minutos – Horror)
Lançamento: EUA, Nova Zelândia e Japão, 2012
Direção: Nacho Vigalondo, Adrián García Bogliano, Ernesto Díaz Espinoza, Marcel Sarmiento, Angela Bettis, Noboru Iguchi, Andrew Traucki, Thomas Cappelen Malling, Jorge Michel Grau, Yudai Yamaguchi, Andrea Morgenthaler, Timo Tjahjanto, Ti West, Banjong Pisanthanakun, Hélène Cattet, Bruno Forzani, Simon Rumley, Adam Wingard, Simon Barrett, Srdjan Spasojevic, Jake West, Lee Hardcastle, Ben Wheatley, Kaare Andrews, Jon Schnepp, Xavier Gens, Jason Eisener, Yoshihiro Nishimura.
Roteiro: Nacho Vigalondo, Adrián García Bogliano, Ernesto Díaz Espinoza, Marcel Sarmiento, Angela Bettis, Noboru Iguchi, Andrew Traucki, Thomas Cappelen Malling, Jorge Michel Grau, Yudai Yamaguchi, Andrea Morgenthaler, Timo Tjahjanto, Ti West, Banjong Pisanthanakun, Hélène Cattet, Bruno Forzani, Simon Rumley, Adam Wingard, Simon Barrett, Srdjan Spasojevic, Jake West, Lee Hardcastle, Ben Wheatley, Kaare Andrews, Jon Schnepp, Xavier Gens, Jason Eisener, Yoshihiro Nishimura.
Elenco: Kyra Zagorsky, Fraser Corbett, Matías Oviedo, Arisa Nakamura

Leia mais em: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito