Nossa Vida Não Cabe Num Opala

Cinema quinta-feira, 14 de agosto de 2008

 Nossa Vida Não Cabe Num Opala acompanha um patriarca de classe média baixa paulistana, recém-falecido, que, sem se dar conta, assiste à luta pela sobrevivência de seus quatro filhos e ao desmantelamento familiar. Os quatro irmãos Castilho se equilibram entre a ilusão do sucesso e a aspereza do mundo real.

Com uma sinopse dessas, esse filme parece uma grande bosta, não? Vamo lá, podem admitir. Ainda mais se tratando de filme brasileiro. É foda, não costuma sair muita coisa que preste. Pelo menos eu acho isso.

Mas eu bem que achei que o filme é bonzinho.

O filme mostra a família de Oswaldão, que morreu recentemente. Nela já não havia mãe há muito tempo, e agora sem pai, os 4 irmãos tem de se virar pra conseguir sobreviver. Assim como o pai, Monk [O irmão mais velho, e mais responsável] e Lupa [Irmão do meio, totalmente sem noção] são puxadores de carro, caminho que Slide [O irmão mais novo] pretende seguir também, apesar de não ter a menor habilidade. A irmã, Magali, toca teclado numa churrascaria, e vive sendo assediada por todo tipo de zé ruela.
Inclusive por Gomes, empresário de boxe e dono do desmanche para quem o pai vendia os carros roubados, por conta de uma dívida, que inclusive não foi paga, o que obriga os filhos a se submeterem ao puto. Inclusive, em uma tentativa de roubo, Dercy Gonçalvez faz uma aparição hilariante, sua última no cinema.

 “Enche o tanque, campeão!”

A relação entre os irmãos também é explorada. Monk vive com uma garrafa de whiskey na mão, totalmente largado. Lupa é um total sem noção, mas ótimo puxador de carros. Slide não tem a mesma manha, e com isso se ferra bonito, por tentar ser ladrão. Magali, a única que tem um trabalho honesto, não o aguenta mais, por conta de tanta pentelhação de bebum na seca. Todos estão na merda, e nem por isso se afastam. É uma relação de irmãos como quase toda, onde um enche o saco do outro, só pelo prazer de irritar, mas quando necessário, faz o que pode pra ajudar/proteger a família.
O único problema é Gomes: É um fiadaputa de marca maior, que, não contente em encher o saco da irmã, vive querendo foder os irmãos, pagando pouco pelos carros roubados, ou tentando jogar um contra o outro.
Oswaldão, mesmo morto, aparece bastante. Pelo menos uma vez pra cada filho, tentando se explicar, se justificar, e também mostrar uma alternativa, um caminho que preste. Caminho esse que nem sempre é possivel trilhar.
A mãe dos caras, [que não tem nome] numa pequena aparição, mostra que, mesmo tendo ido pro hospício, não esqueceu daquela molecada.
Sílvia, a mulher com quem os três irmãos saem, e que molda a história que conta conforme se desenrola a trama, é uma bela metáfora pra repetição da vida: A mesma oportunidade [Ou danação] se mostra para os três, com leves disfarces e ajustes.
O enredo é denso, e usa bastante de “flashbacks ao contrário”, ou seja, de cenas que podem acontecer no futuro. Não que todas realmente aconteçam. E mostra algo interessante: Uma visão, muito restrita, de que as ações de cada personagem, mais do que influenciar a si mesmo, influenciam todos ao seu redor, numa simplificação da teoria do caos.
A trilha sonora, feita por bandas independentes nacionais, principalmente sulistas, colabora para dar o tom do filme: Pessimista porém rápido, sem tempo pra reflexões profundas, porque a vida não vai parar pra te esperar.

 “Puta que pariu! Morri, caralho!”

Conclusão: O filme diverte e prende. Não é a melhor maravilha do mundo, mas tem humor e drama bem balanceados, fazendo rir para quebrar o peso de determinadas situações. Você vai passar raiva, mas isso é bom, já que é a idéia do filme: Não é um filme da Disney, os vilões muitas vezes ganham no mundo real.

Nossa Vida Não Cabe Num Opala

Nossa Vida Não Cabe Num Opala (104 minutos – Drama)
Lançamento: Brasil, 2007
Direção: Reinaldo Pinheiro
Roteiro: Di Moretti, baseado em peça de Mário Bortolotto
Elenco: Leonardo Medeiros, Milhem Cortaz, Gabriel Pinheiro, Maria Manoella, Jonas Bloch, Maria Luísa Mendonça, Paulo César Pereio, Dercy Gonçalves, Marília Pêra

Leia mais em: ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Boa pedida, faz tempo que não vejo um filme nacional bom (e olha que eu gosto deles).

  • .Leorick,

    evito veemente filmes nacionais

    mas vo tentaer assistir esse ae.

busca

confira

quem?

baconfrito