Marvel+Aventura #9 (Marvel)

HQs segunda-feira, 21 de abril de 2014

Vira e mexe sai algo interessante das HQs, e este é um bom exemplo. A coleção +Aventura da Panini reúne one-shots tanto da Marvel quanto da DC, e este aqui é provavelmente a melhor coisa publicada até agora. Se você gosta do amigão da vizinhança, chega junto.

 Radicau!

Então, a história: Joey Beal é um cara que passa o dia todo, todo dia, no terraço de seu prédio, observando Nova Iorque. Joey faz isso porque tem paralisia cerebral, e, claro, depois de tanto tempo olhando para a cidade ele se liga na coisa mais interessante por alí: O Homem-Aranha. E, um dia, o Homem-Aranha realmente passa por alí, bem na frente de Joey, procurando por alguma coisa. Joey sabe o que, ou melhor, quem: Morbius, que estava no prédio de frente, se alimentando.

E sim, isso é o máximo que eu vou falar. Não que a história em si seja grande coisa, é bem previsível até, mas o ponto não é esse, o ponto é o tom. Vejam, Joey é um aleijado, ele não consegue se mover e nem se comunicar, mas o Morbius, “O Vampiro Vivo” (E um dos inimigos mais toscos do Pedro Prado, se você me perguntar), consegue ler mentes: Ele é o único que consegue conversar com Joey.

Pra mim, grande parte da graça dos super-heróis é sua essência, o que eles simbolizam, e as melhores histórias não são as grandes sagas, os arcos clássicos e, em grande parte das vezes, nem mesmo como eles são desenhados, mas sim as histórias em que os personagens podem mostrar seu valor. Não, não aquela coisa chata e clichê de justiça, igualdade e liberdade, mas o que importa de verdade, e, no caso do Ômaranha é, como esta história em particular define, o sacrifício.

Não sou grande fã de quadrinhos cuja arte são pinturas, não tenho saco pra surrealismo e nem pro “realismo bagunçado”, e aqui não é exceção, mas tenho de admitir que um estilo clássico das HQs não combinaria nem um pouco. Não levem à mal, a arte não chega nem perto de ser ruim, muito pelo contrário, só não gosto mesmo… Sei lá, quando não é algo que abraça seu lado surrealista, e usa isto ao próprio favor, acho que parte da emoção se perde, principalmente nas cenas de ação.

Se eu ainda não te convenci a ler esta história, entenda isso: Nada de pagar aluguel, atrasado pra aula, namorada, chefe mala, grandes planos de conquistar o mundo, destruição na cidade. Só um cara, o herói e um vilão. E, ainda sim, tudo mais que torna o Homem-Aranha quem ele é está aí. Eu não ligo nem um pouco pra spoiler, mas não quero estragar isto pra ninguém: É uma história sobre o Homem-Aranha, e tudo que ele é, mas que se vê tão pouco, ainda mais nas histórias atuais. “Old school” não é o termo correto, não tem nada de velho nessa história, e “atemporal” é muito babaca… Esta é uma história que te faz gostar de quadrinhos, dedicar tempo e dinheiro à isso, e que te lembra o porque de você gostar dessas coisas e desses personagens. Não perca tempo, vá ler isso aí.

E sim, o preço é mesmo R$1,99 no Brasil, não dá pra ficar muito melhor que isso.

Marvel+Aventura #9


Spetacular Spider-Man #14
Lançamento: 2004 (Nos EUA) e 2013 (Aqui no Brasil)
Arte: Paolo Rivera
Roteiro: Paul Jenkins
Número de Páginas: 23
Editora: Marvel Comics/Panini

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • matuhatin

    Não sabia que até tão “recentemente” ainda faziam boas histórias. O problema é que agora não tem mais esta pra comprar nas bancas nem tem scans pra baixar (por 2 reais era até melhor pagar logo).
    A última que achei boazinha foi “AZUL”. Um clássico é “O menino que colecionava Homem Aranha”. Acompanhava HA e tem histórias que nunca vou esquecer, como as mais sérias (uma falava de uma amiga viciada em drogas). Faz tempo que não leio mas já tava ruim na época e, pra piorar, agora fazem de tudo e depois desfazem, então qual o sentido de ler se aquilo não vai significa nada?

  • matuhatin

    Por coincidência tá na UOL uma lista das 25 melhores histórias do Aranha, em ordem cronológica. Não li nada depois da 18 (exceto azul) mas até aí são todas realmente boas. O cara só caga em dizer que J Romita foi o melhor desenhista.

  • Loney

    Essa é de 2004, mas só saiu aqui agora

busca

confira

quem?

baconfrito