Livros desistidos

Analfabetismo Funcional terça-feira, 22 de Janeiro de 2013

Devo admitir que, de forma geral, procuro deixar a coluna com um texto mais curto… Mas isso não importa. De todos os livros que já peguei para ler, digo com orgulho mentiroso de que nunca deixei de ler nenhum: Já que está aí, vamos ler. Mas como ficou claro na linha acima, isso não é exatamente a verdade.

Farei um mea culpa: Desisti de ler A Sociedade do Anel quando a peguei para ler pela primeira vez. Me pareceu chato, demorado e sem graça. Comecei a ler Artemis Fowl e desisti de lê-lo várias e várias vezes, sendo que só o consegui numa visita à minha tia, na qual eu não tinha nada melhor para fazer. Li As Crônicas de Nárnia naquela edição única, pegando o livro na biblioteca, mas mesmo hoje, que tenho o livro, ainda não li A Última Batalha. Peguei para ler um livro sobre poder e política ano passado, e até hoje não tive vergonha na cara para voltar a abrí-lo (Creio que nem cheguei ao segundo capítulo). Mas ele era muito bom.

Agora com orgulho verdadeiro, digo que estas são as exceções à regra, uma mancha em minha vida livrística. Bem, eu gosto d’A Sociedade do Anel… Atualmente. Acho Artemis Fowl um saco e me recuso a considerar o que o Eoin Colfer fez com o Guia. É aquela velha história: Um dia da caça, outro do caçador. E pelo menos por enquanto estou ganhando.

Mas se atualmente eu gosto de tais livros, ou com certeza os leria, leva à questão de porquê não os ter lido da primeira vez. Eu era relativamente novo quando SdA caiu na minha mão, e já tinha lido (E gostado) d’O Hobbit, nunca fui com a cara de Artemis Fowl, é muito bobo e simples e inverossímil, As Crônicas de Nárnia foi por pura preguiça, já tinha lido seis livros em sequência… E eu dormi com o outro livro na mão. Definitamente este último é uma vergonha no meu currículo.

E eu falei até agora sobre isso para dizer-lhes uma coisa: Não desistam de um livro. Ou, por lógica, façam o que eu digo e não o que eu faço. Ou façam, principalmente a parte de insistir num livro, depois de ter desistido dele. Mesmo que seja um livro chato, e que você não goste: Teve um motivo para você o pegar para ler a primeira vez… Sei lá, relaxe e goze, respire fundo e mergulhe no livro. Todo conhecimento vale à pena.

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • luizbarret

    ”Todo conhecimento vale à pena.”

    Discordo. Já fui tachado de ignorante por esse pensamento, mas não vejo como essa afirmação possa ser cabível.

  • Loney

    “Esse afirmação” se refere ao conhecimento ou ao pensamento…?

    Suponho que numa discussão simples, “há males que vem para o bem” resolveria a situação, mas de forma mais ampla só há “resistência” ao conhecimento quando se “teme” o que ele pode trazer.

  • luizbarret

    O que eu acho é que nem tudo que se pode aprender pode valer a pena. O que pode valer a pena depende da pessoa. Se eu trabalho com ‘isso’, valerá aprender ‘aquilo’. Mesmo coisa com relação a gostos. Agora eu já acho perca de tempo aprender sobre algo que está fora da sua área de trabalho e que não lhe é interessante. Resumindo, eu acho que só vale a pena aprender algo que seja relevante em sua vida ou que lhe mostre interesse.

  • Gustavo

    Loney, vc ja leu Cronicas de Gelo e Fogo?

  • Loney

    Devo dizer que tal pensamento ficou bem óbvio na parte que você fala “perca” e não “perda”.

    Mas enfim, nunca se sabe quando algum “conhecimento inútil” pode te ajudar. Goste ou não, a vida não é previsível, e virar as costas para algo que só acrescenta na sua vida (mesmo que não de forma obvia e mesmo que você não venha a usar tudo que sabe) é burrice.

  • Loney

    Li um pedaço, cara…

  • Gustavo

    Desistiu tambem? Porque, na moral, eh um dos melhores livros dos ultimos anos, na minha opiniao

  • luizbarret

    Discordo novamente. Burrice é atolar seu cérebro com coisas que provavelmente não darão frutos no futuro.

  • Anonymous

    Nunca se sabe o que a vida reserva para ti no futuro

  • Matuhatin

    Faltou só dizer o título do livro sobre poder e política que o redator chegou a elogiar.
    :/

  • Arthur

    Não vejo nenhum problema em abandonar um livro. Se você não está curtindo, não te diverte, ou você acha que ele não lhe acrescenta nada, deve mais é abandonar mesmo e parar de perder seu tempo, que poderia ser gasto com outro livro mais proveitoso para você.

  • Loney

    Cê não sabe o futuro cara.

  • Loney

    Não gostei mesmo. Me dispus a ler um trecho, só pra ver como era, nunca tive vontade real de ler.

  • Loney

    Acompanha a discussão com o luizbarret, porque minha resposta pra você é igual a que dei pra ele cara

  • Loney

    A Arte da Política Mundana. O elogio foi meio que na ironia aliás…

  • Arthur

    Não, não. Não discordo que todo conhecimento possa ser útil, que você pode usá-lo algum dia, e todo blá, blá, blá. Mas a gente sabe que tempo é um bem escasso, e a gente tem a tendência de gastá-lo fazendo nada. Se você tira um tempo para ler, e não está aproveitando o que está fazendo, é melhor partir para outra.

  • Abandonei ”O morro dos ventos uivantes” e pretendo nunca mais tentar de novo,pq porrãn,que livro chato,confuso.Como era puro entretenimento ( e ficção) não me sinto culpada por desperdiçar meu tempo insistindo nele.O vermelho e o negro,de Stendhal, eu retomei a pouco tempo ( comecei a ler pela primeira vez a quase 10 anos atrás) e hoje em dia se revelou um ótimo livro.Não tem nem comparação.

  • É bom pra caralho, sim. Mas tem que ter saco pra ler. A narrativa é bem devagar. Eu parei o quarto livro por meeeses. Foi o período de respirar fundo e “bora lá, o próximo melhora” .

  • E po, ~Loney~, qual foi o problema com “A Última Batalha”? :/

  • uma pessoa desse mundo

    Eu sempre tento ao maximo ler um livro, mas se o livro é mesmo um saco n a nada q posso fazer,né!? Se eu paro um livro por muito tento ( n acho isso bonito mas…) eu n consigo ler mais

  • Eu li todos SdA CHORANDO por ser extremamente cansativo, mas afinal, a minha honra estava em jogo. Já sobre Artermis Fowl, eu li o primeiro, comprei o segundo e… nunca comecei. Mas por outro lado, Nárnia eu li vigorosamente e sem cansar (apesar da parte crente e tudo mais)

  • Deixe me ver: quando criança, desisti de Memórias de Um Sargento de Milícias porque fiquei puto com o livro na metade, por alguma razão que nem me lembro mais.
    E desisti de Frankenstein, porque ao invés de um livro de horror (que era o que eu esperava), era um livro sobre um cientista chato, melodramático e tanga que choramingava por qualquer porcaria. Aí ele cria um Frankenstein tão chato quanto o pai. E eu parei onde eles começam um diálogo poético pra competir quem é o mais choramingão, porque sei lá, vai ver era mais divertido assistir Van Hellsing.

  • Loney

    Frankestein é completamente diferente de tudo feito a partir dele, chega a ser ridículo até

  • Loney

    Eu pegava livro na biblioteca toda semana, e depois de vários e vários livros, e todos os primeiros de Nárnia, não tive saco pra ler o último

    (Sim, só vi esse teu comentário agora)

  • Loney

    Não li nenhum dos dois, mas nem chamam minha atenção também

busca

confira

quem?

baconfrito