Grandes desenhos do passado – As Aventuras de Tintim

Televisão quarta-feira, 02 de dezembro de 2009

Ok, era para esse artigo entrar na última semana de novembro (Como? Ainda não perceberam que a última semana do mês é dedicada a um clássico?), mas como calculei os dias errado, vai na primeira de dezembro.

Essa animação do Hergé deveria ganhar um hotsite por tudo que significa e significou, mas como não há espaço, tempo e mais um monte de coisas que não lembro agora (Maldito álcool) o jeito é homenageá-la do jeito que dá.

Enfim, como a grande maioria esmagadora de desenhos, e os grandes clássicos, Tintim nasceu nas tirinhas em 10 de janeiro de 1929, no Le Petit Vingtième, um caderno destinado aos jovens do jornal Le Vingtième Siècle¸da Bélgica. País de primeiro mundo é foda, na década de 20 havia uma seção de jornal destinada a jovens. Hoje, o que temos aqui dá vergonha.

Mas, retomando, Hergé – que se chamava Georges Prosper Remi – fazia séries com os quadrinhos, ao fim de cada saga, reunia tudo em livros, totalizando 23 no total. O sucesso foi tanto, que Tintim acabou ganhando uma própria revista, sendo traduzida para mais de 50 línguas e vendido mais de 200 milhões de cópias. Chupa Marvel e DC!

 O repórter e seu companheiro inseparável

Mas quem era o Tintim?

Ah sim, Tintim é um repórter belga que roda o mundo em diversas aventuras ambientadas em diversos contextos históricos, desde revoluções, a golpes de estado, passando por conspirações e descobertas científicas. Possui como companheiros inseparáveis um cão terrier de nome Milu, e o Capitão Haddock.

Não fica bem claro na série (Ou não lembro) mas apesar de repórter, não lembro de Tintim em nenhuma redação ou tomando notas. O cara era cara de pau mesmo e enxerido, se metendo até em assuntos de nação estrangeira.

Tintim era um desenho muito inteligente e destinado para o público infanto-juvenil (Infelizmente não o brasileiro) e, mesmo passando na Cultura, acabou sendo sucesso absoluto, não repetindo o mesmo feito no SBT (Por que será?). A história tinha mortes, lutas, conspirações, muito temas adultos. Com certeza, hoje, sofreria cortes numa Globo da vida, ou ganharia aqueles selos de restrição de idade.

 Os principais personagens reunidos.

O que eu gostava era justamente do contexto histórico da animação. Claramente se vê o personagem em todas as situações da época em que Hergé viveu, Revolução Comunista, Segunda Guerra, Golpes de Estado, Revolução Cubana (Esse episódio é muito interessante), viagem do homem à lua, enfim, coisas que se destacavam bem mais do que um simples desenho de ação. Aliás, sabendo disso, Hergé deu o tom às histórias (Sim, com h) para que o personagem e quadrinhos/desenhos não perdessem o tom e fossem como uma aula de história chata e maçante.

Infelizmente não falei tudo que tinha que falar, aliás, ficou até superficial, mas é o que dá para falar sobre um dos melhores desenhos de toda história.

Essa abertura é fantástica. Uma das melhores!

Quando eu puder, pretendo comprar o Box com todas as temporadas (Segue o link, caso desejem fazer um Bonilha feliz).

E vocês? Chegaram a assistir a série? Gostaram? Odiaram? Nunca ouviram falar?

Comentem!

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito