Gostosas salvam os vídeo-games.

Nerd-O-Matic quinta-feira, 08 de Maio de 2008

É, é… resolvi falar de mulheres e vídeo-games de novo. Eu achei que aquele fascínio era temporário, mas depois de ser ownado no Supositório desse mês por um rol de mulheres espetaculares, resolvi me render de vez.

Então, quando eu estava rodando pelas internets á procura de fotos de gamers girls gostosas pra uma coluna anterior, acabei me deparando com essa loirinha aí:

Na hora nem me emocionei muito porque, convenhamos, ela não é gordinha. E nem muito bonita. Mas dá um caldo, eu sou um cara justo. Sem falar que ela faz fotos com temas gamísticos e pouca roupa. Mereceu entrar na coluna. E depois, rodando mais um pouco pelos sites profissa de games, acabei batendo com a foto dela de novo numa matéria sobre como fazer sua namorada jogar com você.

Não que eu queira minha mulher me atrapalhando enquanto eu jogo, claro; o máximo de companhia vídeo-gamística necessária pra mim é algum outro jogador pra apanhar de mim em Fight Night Round 3, e isso se consegue com qualquer conexão de rede ou com o joystick 2 (independente de ser homem ou mulher). Se eu quiser SÉQUIÇO, eu paro de jogar e vou lá pegar a mulher, lógico. O esforço de fazer uma mulher jogar com você nem sempre rende lucros, a não ser que ela saiba jogar decentemente algum jogo de homem. Porra, mánemfudeno que eu vou jogar The Sims com a mulher pra ela ficar escolhendo a decoração da casa e discutindo sobre o salão de jogos que eu montei no terraço. Me apresentem uma namorada que saiba jogar Burnout e eu posso pensar no assunto. Pode ser até a SUA namorada, eu não me importo.

Mas enfim, voltando ao tema desta coluna, a matéria da menina era simples e bem-escrita. Dicas interessantes para quem (quer e) não consegue conciliar namorada e vídeo-game. Curti. Fui navegando meu barco atrás do barco dela e descobri que a mina é modelo e escreve sobre games desde 2004. Ololco. Esqueci de citar o nome dela né? Então lhes vos apresento a vocês DE NOVO:

 Só um motivo pra colocar mais uma foto

Então, olhando assim com mais carinho, você começa a dar valor pra menina e tal. Ainda mais quando você alia a lata da moça com o que ela escreve por aí. Não que ela seja uma cronista espetacular sobre vídeo-games, mas sei lá, pelo menos ela se interessa, acompanha a cena e escreve sobre isso, se metendo até mesmo nos jogos considerados extremamente masculinos, como Gears of War.

Opa, esqueci de falar quem é a moça de novo. Então, reapresentando-a:

 Mas que curvinhas DILIÇA minha filha

Como eu já disse, ela tá por aí falando de games desde 2004, e atualmente tem até um site quase exclusivo com um outro puto aí, onde eles colocam podcasts periódicos sobre o universo gamer e outros temas relacionados. Tem até myspace, se vocês ficaram interessados. Além disso, a garota tem um blog no 1UP, participações em outros sites especializados e, num empreendimento mais recente, se juntou ao Girls Entertainment Network que eu sinceramente não tenho muita idéia do que é, mas talvez interesse para as nossas leitoras. Odeio essas paradas girl power, de mulher pra mulher. Mulheres precisam INTERAGIR com os homens, assim como a Bel faz no AOE. Orra, a Bel só não interage mais com a gente no site por falta de… KY. Porra, esqueci de dizer que a mina também é beta tester da Sony. Ela manda bem, vai.

Ainda não tá botando fé? Vai lá ler o último post dela sobre Grand Theft Auto IV. Eu sei que até aqui essa coluna ficou quase parecendo um post patrocinado, mas eu juro pra vocês que não é. Aliás, no dia em que me PAGAREM pra escrever alguma coisa aqui eu vou fazer questão de contar pra GERAL. Ainda mais se me pagarem pra escrever sobre mulher e vídeo-game.

Mas eu quis falar da mina aí porque acho importante mesmo desfazer essa imagem de gamers como nerds bitolados e virgens, e mostrar que também existem mulheres, adultas, com vida própria, gostosas e que ainda assim são hardcore gamer. Desde que eu assumi essa coluna foi uma questão importante pra mim atacar o estereótipo do gamer/nerd/babão. Enquanto esse tipo de imagem rolar como o modelo dominante de gamer, TODOS NóS saímos prejudicados; se os próprios gamers não se respeitam e não se reconhecem como gente, então a comunidade onde eles estão também não vai respeitá-los.

Se a imagem do gamer no Brasil passa sempre pelo “adolescente do sexo masculino e vagabundo sem nada melhor pra fazer da vida”, então o mercado como um todo não vai nunca ver os gamers brasileiros como adultos responsáveis com dinheiro no bolso, como uma fatia do mercado consumidor. E, enquanto não formos vistos como um mercado possível para a indústria de entretenimento, estaremos eternamente condenados a continuar importando nossos consoles do Paraguai, com uma rede limitadíssima de assistência técnica e acesso ainda mais limitado aos jogos e periféricos. Diz aí Luke, o parto que foi pra achar sua guitarra de Guitar Hero.

Cês já tentaram encontrar uma assistência técnica da Nintendo no Brasil? Quando eu comprei meu Nintendo DS ele queimou 3 pixels na tela com uma semana de uso. Eu sabia que a Nintendo cobria esse defeito do melhor jeito: trocando seu DS por um DS novinho em folha. Mas e cadê rede de assistência técnica da Nintendo no Brasil? Tive que correr na loja onde comprei, tirar meu pau pra fora e bater no balcão pra ameaçar os caras. Aí trocaram meu DS por outro, novo, na caixa. Só que isso logicamente não é a regra nessas lojas altamente suspeitas e não-profissionais onde costumamos comprar nossos apetrechos vídeo-gamísticos. Se você tem pau pequeno, nem tenta. Melhor ficar em casa chorando com seus dead pixels.

 Ainda não descobriu o nome da mina?

Quem diria que eu conseguiria ligar a Raychul Moore (esse é o nome da moça, aliás) seminua com a questão do mercado restrito de games no Brasil, hein? Fala a verdade, cê se surpreende com essa coluna de vez em quando. Não se surpreende? Então te fode.

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Realmente, falta carne na menina, mas a terceira foto faz eu dar uma repensada no assunto.

    Quanto a falta de assistência técnica e similares no Brasil realmente é um problema sério. Essa questão que você levantou, de sermos encarados como “desocupados” merece tanta atenção quanto a tão atacada pirataria. E a gente sabe que as empresas não ligam muito para pirataria (vide China), então com certeza existem outros fatores para termos esse mercado.

  • Friederichs

    Cada artigo fica melhor!
    Jájá aparece a mina do super nintendo (Aquela SIM merece ser achada!)

  • Acho que, mais do que a imagem de rapaz-desocupado-gamer, o problema é que aqui no Brasil o imposto que se paga para importar video game é uma desgraça.

    Se nada mudou desde a última vez que dei uma olhada, o custo do bagulho dobra só por causa de taxas de importação, ICMS, produto industrializado etc. Daí o cara tem que meter custos da loja e lucro no preço, e pronto, tome PS3 de 500 dólares a 2700 reais. Eu mesma estava pensando em comprar um playstation 3 aqui no Brasil, porque apesar de mais caro tem garantia caso dê algum problema… mas putz, com o dinheiro que gastaria aqui dá para comprar uns 3 playstation nos EUA. É bem melhor a opção de esperar um conhecido ir até o maldito país e pedir para trazer um para você.

    Só que com o preço alto e consequentes atidudes como a minha (ou a de qualquer mané que compra piratão) o mercado ‘oficial’ não se desenvolve e as empresas de jogos ficam sem interesse em investir aqui. Daí sim agente fica na merda, sem assistencia técnica, periféricos e tudo mais.

    Ok, falei demais, agora vamos ao que interessa: pô, achei legal a proporção cintura-quadril dessa mulé. A cara não é especialmente bonita, mas até que é jeitosiha…

  • @Flavia

    Concordo com o que você disse, mas gostaria de acrescentar duas coisas:

    – PlayStation 3 ou até o X-Box 360 realmente precisam de uma assistência técnica, os trecos praticamente se auto-destroem!

    – Reforçando o que eu disse no outro post: é engraçado se falar que não se tem determinados produtos no Brasil por causa da pirataria, mas ter esses mesmos produtos são comercializados em países como a China, que tem índices de pirataria exagerados.

    Quanto a menina, alguém foi na matéria dela sobre fazer as namoradas jogarem? E o perfil dela (e de outras garotas)?

  • atillah

    Lembrando a todos que já tivemos uma BELA discussão sobre pirataria nessa coluna, que foge da argumentação usual vista em outros sites. Pra quem é novo no AOE, dá uma olhada em:

    http://atoouefeito.com.br/games/nerd-o-matic/pirataria-nos-games-voce-sabe-o-que-e-isso

    E, Flávia, é lógico que a menina dá um caldo, e aquela bundinha tira qualquer um do sério. Porém, aqui no AOE nós gostamos de carne pra morder e dar tapa, além de… comer.

    Em caso de dúvidas, por favor remetam-se ao Manual do Pirata Contemporâneo.

  • Mas eu não estava discutindo pirataria, era mais a questão do imposto encarecer o produto demais para desenvolver o mercado. Sem mercado(lembrando que o que conta é o oficial), não tem porque os caras colocarem assistencia técnica aqui…
    Pirataria sempre vai ter, mas seria possível ter boas vendas oficialmente também se o troço não fosse tão abusivamente caro.

    @Tchulanguero
    Cara, eu dei ctrl+c ctrl+v no seu nome. E fui na reportagem sim, mas fiquei com preguiça de ler e só olhei as fotos. Mas para ajudar, ó:
    http://www.1up.com/do/my1Up?publicUserId=5431155

    http://www.onemodelplace.com/model_list.cfm?ID=22804

    @atillah
    Eu entendi… estava apenas analisando a estrutura corporal da moça =)

  • joao

    E pensar que tem gente que prefere garotas VIRTUAIS do que essa Deliça ai!

    Ps: ela ficou foda (heh) com aquela guitarra do GH!

  • Entravix

    eu quero uma pró-gamer dessa pra mim xD
    como disse o atillah, ela rende um caldo

  • Deixe-me primeira palavra que meu Portugese é horrible (obrigado peixes de babel) mim veio através de seu local porque você ligou a meus – a rede do entertainment das meninas. Se eu estiver lendo seu local corretamente, o escritor diz que não gostou do local porque é todo o poder da menina. O escritor obviamente NÃO LEU o local como é de modo nenhum sobre o poder da menina. É um local para meninos e meninas mas escrito apenas por meninas. Em América, a maioria de povos não pensam que as meninas existem no gaming e em outro passatempos da cultura do PNF. Conseqüentemente, nós gostamos de mostrar que nós fazemos pondo a em nosso título. Raychul é uma de MUITAS meninas bonitas em nosso local e em outro. É um amigo grande e um escritor muito talented também. Nice para ver o seu que está sendo caracterizado. Eu desejo que eu soube o que o descanso do local disse sobre ela! ha ha. Qualquer um aqui fala bastante inglês para traduzi-lo para mim? Em uma nota lateral, algum de você foi ver os jogos video vivos quando veio a Brasil nos 2 anos passados? Eu trabalho para essa mostra também.

  • atillah

    It’s a fucking HONOR to “be commented” by Ms. Aktrez herself. I would never imagine you coming here and trying to actually read my words.

    Anyway, you can drop the babel fish shit and just write in plain english. I’ll do my best to pass your word on to our readers. Cheers.

  • Entravix

    atillah, tu vai traduzir pra ele?

  • @Flavia

    Minha mãe não é tão sacana assim, é só um apelido meu. Mas é meio complicado de escrever mesmo, he he he.

    @Atillah

    Poxa, tá ficando famoso hein.

  • Foi difícil pra caralho achar a guitarra mesmo. E o pior é que eu acho que já ‘tô enjoando…

  • atillah

    Que MARAVILHA luke. Agora tu me vende ela e o frete é por sua conta, blz?

  • Thank you, atillah. Could you do the same the other way around too? ha ha. I can only babelfish so much. Damn you all and your Portugese! ha ha.

    I appreciate the sentiment. I hope you spend more time on GEN and get a chance to see what it’s about. It’s a great community with lots of adults and mature gamers! I think you will like it.

    Becky

  • Amy

    “Raychul” é mtu estranho… ela poderia ter escolhido um pseudônimo melhor :/

    E ah, eu sou mulher e adoro burnout u.u

    e the sims >.>

    XD

  • Red

    eu como.

  • nir

    ao comprarmos um game no brasil, praticamente estamos comprando outro pro governo , só de juros cobrado…

    Apesar disso ainda existem corajosos que brigam por os para que tenhamos o que comprar…

    quanta a menina… ela é um bocado intressante….

    parabéns pelo achado….

busca

confira

quem?

baconfrito