Fuse (Julianna Baggott)

Livros segunda-feira, 01 de julho de 2013

Tem gente que realmente não aprende com os erros. Lembra de tudo o que eu reclamei sobre a primeira parte da trilogia Puros? Então. Tirando a parte da tradução mal feita, tá praticamente igual.

Mas puta merda, como eu quero ler o terceiro volume logo!

No final do primeiro livro, Patridge, Pressia e Lyda estão separados, guardados pela ex-OBR – Que agora é do bem e tals – e pelas Mães. Depois de uma certa enrolação, o filho de Willux é re-capturado e levado de volta ao Domo. A partir daí, começa uma tentativa de retomada daquele lugar limpo, saudável, seguro e alienado, de dentro pra fora.

Cê sabe que tem alguma coisa muito errada quando dá pra se resumir um livro de quase 500 páginas em quatro linhas. Fuse é muito maior do que devia ser. Há muita coisa que acrescenta pouco, e muito personagem fresco que não sai de chove não molhe, do “não devíamos amar por que o mundo é uma merda” e do triângulo amoroso desnecessário.

Chega, né, galera? Conflitos assim soam muito inverossímeis. Muito forçados.

Outra coisa que continua a incomodar bastante são os personagens e subplots fodas que surgem apenas pra desaparecerem no capítulo seguinte, o que acredito ser o ponto mais fraco da autora. Ela não tem lá muito foco. Imagino que seja daquelas que praticamente bate a cabeça no teclado, e o que sair, saiu tipo eu.

Ainda tem, inclusive, um terceiro aspecto da série que me dá nos nervos: Não conseguir gostar de verdade dos protagonistas. São corajosos e cheios de fibra demais. Perfeitos, praticamente. O tipo de gente leal e forte, que dá pra usar de chaveirinho na mochila de tão fofo. Não são tridimensionais, não dá pra imaginá-los fora do papel como gente que se esbarra na rua, com quem se faz amizade. À exceção, é claro, de um certo comandante do exército de miseráveis. Ele sim é um puta personagem, muito bem trabalhado e palpável.

Não sei vocês, mas eu, pelo menos, gosto quando rola química entre a minha pessoa e a pessoa no papel.

Mas Aliiiiiine, se tem tanto defeito, por que você ainda lê essa bosta?

Bom, por que a construção do cenário é perfeita. É tudo negro, depressivo e existe feiúra e maldade até mesmo na perfeição. Gosto do jeito que a autora, apesar de enrolona, leva a construção da aparência dos personagens. Sem falar que dá pelo menos uma merda a cada cinco páginas. É um daqueles livros que termina, impreterivelmente, em cliffhanger. Ou seja: Guarda na estante e já rói a unha pelo próximo.

Como disse na primeira resenha, não acho que vá mudar a vida de alguém. A Julianna Baggott é enrolona, apressada e tropeça nas próprias pernas. Mas, ainda assim, a mulher sabe contar muito bem uma história. Sabe o que usar pra te manter com os olhos grudados nas páginas – só isso já vale as dilmas investidas no livro. Por causa da habilidade de entreter e de chocar, defendo que funcionará muito melhor como filme do que funcionou no papel.

Recomendo pro meio das férias, quando cê tiver já meio cansado de tanto trabalhar e tiver precisando de ação brainless, pra distrair.

Fuse


Ano de Edição: 2013
Autor: Julianna Baggot
Número de Páginas: 463
Editora: Grand Central Publishings

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Tayana Alve’z

    Oi,
    Você tem o livro traduzido???

  • Marlon Gonçalves

    A Intrínseca não quer lançar o volume 2 e 3 e eu quero muito ler! Tem traduzido por fãs?

  • Maria Luisa

    Oi, também quero saber quando vai ser lançado o 2 em português. Eu achei tudo isso que você disse mesmo, do 1, mas eu PRECISO ler o 2 ahahhaa.

busca

confira

quem?

baconfrito