Eu não sei ouvir música

Música sexta-feira, 28 de maio de 2010

Toda civilização tem seu apogeu. Roma teve seu apogeu depois de ter chutado a bunda de Cartago nas Guerras Púnicas. Atenas teve sua época, depois de ter liderado a Grécia na Segunda Guerra Médica, fundando a Liga de Delos. Depois disso, o que veio? Declínio, é claro. Roma sofreu com a crise do sistema escravista, não conseguiu manter nem a política do pão e circo e, além disso, com a crise interna, não manteve a segurança nas fronteiras; Atenas entrou em guerra contra Esparta – e a Liga do Peloponeso – e perdeu. A Grécia foi tombando por causa dessas coisas. Caralho, que começo de texto intelectualizado. Nem parece que foi feito pra vocês.

Minha vida musical é igual à vida dessas civilizações. Eu estava CONTENTE em perceber que existe muita gente que não manja nada de música por ai. Isso se chama “complexo de Deus”, mas eu não deixo de ter razão: Comparado ao pessoal que escuta Justin Bieber e lê o Bacon – só não conseguem comentar porque a soma é demais pros dois neurônios – eu sou um cavaleiro do zodíaco que atingiu o sétimo sentido. E é uma bosta ouvir certas coisas e se sentir um cavaleiro de aço de novo.

 Oi.

Eu tava conversando com um amigo meu sobre música esses dias. Vale dizer que eu não chegava a me identificar com o gosto do cara, mas respeitava o que ele falava. Afinal, cê prefere respeitar alguém que acha que j-rock é bom? PQP VOCÊS. Fato que a conversa foi passando pra álbuns – não um álbum específico, a PALAVRA álbum e tal – e eu soltei que gosto dessas coisas lançadas que só contêm singles. Nenhum bebedor começa tomando Guinness, você começa com Skol, prova coisas melhores e, depois, vai subindo. Claro, se você fica parado em um álbum desses, você é um bosta (Isso vale pra cerveja também).

Senti Newton, Einstein, Gauss e Hawking me aplaudindo por tamanha afirmação de genialidade e, claro, humildade. Ok, se você não entendeu a piada: Stephen Hawking nunca conseguiria me aplaudir. Sim, humor negro. Mas alegria de escritor do Bacon pobre dura pouco e, 10 segundos depois, lá estava eu, tomando uma puta resposta que mudou a forma de como eu escuto música.

Quem escuta CD assim não manja de banda nenhuma e é pior que eclético: É vagabundo – não se dá ao trabalho de procurar as origens pra começar a gostar desde o começo; gosta de tudo mastigadinho. Quem gosta tem que começar das origens.

Consigo escutar alguns leitores que já ficaram putos com os meus textos gritando: “FINALMENTE FDP TOMA ESSE FATALITY!!1”, mas calma ai, caralho, bora ler isso de novo:

É. VAGABUNDO. GOSTA. DE. TUDO. MASTIGADINHO. ORIGENS.

Porra, fui pra casa pensando nisso. Segurei meu choro no caminho inteiro e só abri a cascata quando eu cheguei em casa e me tranquei no banheiro. Esse sou eu, me colocando no seu lugar. Escutar música era uma das poucas coisas que eu pensava saber fazer direito, e tava acima de RESPIRAR. Esses 19 anos foram… MAL GASTOS? Tenho feito tudo errado. Eu não sei ouvir música. Eu sou um noob, sou um protozoário musical.

 Oi.

Sempre pensei que pra conhecer o trabalho de uma banda, tudo era válido, menos dar o cu. Bom, ai depende de cada um. Quando você vai a um show, a banda nunca toca todas as faixas do último trabalho lançado. Cê já pensou em um show do AC/DC sem T.N.T. ou, por mais batida que seja, Highway To Hell? Claro que não. Ok, são singles, mas você não vai SE PRENDER a singles e ser um parasita pro resto da vida; você vai pegar uma música, pesquisar de qual álbum ela vem e ir atrás disso. Também, você não precisa gostar de TODOS os álbuns de uma banda pra entender alguma coisa. Eu mesmo acho The Who foda pra caralho e consigo odiar o The Kids Are All Right – não odeio todas as músicas, só acho o álbum fraco (Também, outros álbuns melhores têm as músicas que eu curto).

Ainda usando The Who – porque, novamente, eu tenho o teclado e eu quero – como exemplo, pega a fase inicial dos caras: Ela não se compara com a fase final, aquela do Who’s Next. Tudo bem, não são álbuns ou músicas ruins, mas porra, os caras ficaram fodas MESMO bem depois. É como vinho: Vai melhorando com o tempo. E algumas bandas ainda conseguem PIORAR com o tempo, o que é incrível.

Eu realmente me considerava um cara que sabia escutar música. Descobri que sou bem o contrário, porque, bom, parece ter uma ordem no que se deve escutar pra poder manjar de alguma coisa. Não consigo usar uma ORDEM cronológica pra começar a ouvir uma banda. Sou aleatório pra escolher álbuns. Sou pior que um eclético, sou um noob. Aliás, qualquer um ai nos comentários manja mais de música que eu, até quem curte Legião Urbana. Podem me substituir quando quiserem, mas… Quem iria querer algo assim?

Chat MSN do Bacon!!1

É isso mesmo: Como dito neste texto, o Bacon tem um chat MSN. Ele já existia, mas o Pizurk não liberava pra vocês (heh) por motivos maiores, como falta de criatividade pra criar regras e tal, mas finalmente a bagaça saiu. Adicione group1185561@groupsim.com aos seus contatos e pronto, agora você pode conversar com quem faz essa bagaça (E quem lê também). E vão sem medo, a SE morreu e nós não mordemos ninguém. Só xingamos e matamos.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Ricardo

    Nada a ver isso ae.

    Esse papinho de “tem que ouvir tudo da banda, por mais que seja uma bosta” é coisa tr00 (ou seria tr00fa?) black metal que paga de malvadinho.

  • André

    Protip: Isso da banda só ir melhorando pro final funciona muito bem com Beatles também. Escutar A Hard’s Day Night não é uma boa idéia pra se tirar uma base.

    De toda forma, eu também demorei muito pra perceber que tu só tem base pra falar de uma banda quando tu conhece o máximo possível tela, tirando uns casos especiais como Yes depois dos anos 70 e afins.

  • Állan

    Bom, mesmo gostando de música, é bom ter vida social. Né?

    Vem cá, eu não vou pegar TODA a discografia do iron para ouvir só porque eu gostei do The number of the beast, não tem lógica porra. Eu gostei, tá, beleza, se eu fiquei curioso eu vou atrás, ouço uma ou outra música… senão, não! Pronto, it’s over. Eu não preciso saber da história dos caras, de todos os álbuns, b-sides, singles e o caralho a 4 só para chegar nos bares de rock e dizer em voz alta que não curte Run to the hills e prefere uma outra música do primeiro álbum que ninguém conheça. Não que não se possa dizer isso, mas para mim essa filosofia de escutar música é prólogo do vício sem necessidade.

    Em contrapartida, sou um cara que conhece red hot chili peppers desde a sua essência e dou pau em qualquer noobzinho FDP que dizer que o último álbum é bom [/tr00l]. Zuera. Eu gosto, ouvi tudo (sim TUDO) do rhcp porque eu gosto do estilo, da banda, das músicas. Não porque eu havia conhecido uma banda nova e senti uma necessidade incontrolável mais insaciável que a fome de galactus para ouvir tudo.

  • Sinceramente, J-rock é bom, o que lhe falta é conhecer, mais ou menos como dizemos: vc ouve música em inglês, a unica diferença que a língua é o japonês.

    E não vejo problema algum gostar de apenas alguns singles de banda, pelo contrário, isso te permite conhecer mais um pouco sobre música. Então se vc gostou dos singles e quiser aprofundar, blza. Ouça a discografia. Minhas bandas preferidas conheço a discografia completa. Mas também tem aquelas bandas que gosto somente dos singles, mas nem por isso deixo de curti-las.
    Isso é errado? Não. Errado é vc querer julgar uma pessoa pelo modo que ela curte música.

  • Arthur Souza

    Acho essa teoria de escutar a banda na cronologia certa meio furada…
    Quer dizer que se eu estiver de bobeira em ksa e pensar: “Nossa, que puta vontade de escutar o Goodbye Cream” eu vou ter que escutar os outros primeiro pra nao quebrar a canonica? hehehehhe
    Eu sei que não foi isso que foi dito no texto, mas não existe uma fórmula mágica para ser bom ouvinte de musica, isso eh tudo papo de folgado que se considera melhor que os outros.

    Agora, nenhuma banda consegue ir apenas melhorando com o tempo, existe, como apontado no começo do tempo, uma ascendente, um topo e um declínio. E isso é patente. As pessoas envelhecem, perdem a voz, ficam surdos, viram canastrões (não necessariamente nessa ordem).
    Pegue ai seu próprio ex. do The Who, ou você vai falar que aquilo que eles fizeram nos anos oitenta é um avanço com relação ao que foi feito anteriormente?

  • K

    J-rock é mais comercial que as outras bandas. SÓ. Já não gosto por isso, e pelo fato de boa parte das bandas se vestirem feito… Meninas. Já bastava Twisted Sister aqui, pelo amor.

  • @K
    Você não conhece muitas bandas japonesas não é mesmo?
    Até mesmo eu abomino coisas como The Gazette, (mas tenho meu esqueleto no armário ao gostar de Larc’en Ciel).
    E comercial por comercial, é melhor do que a nova geração de pop que anda pelas bandas de cá. No mais, ah, não vou te convencer a nada mesmo.

  • K

    @Bruna
    Ou eu conheço poucas bandas japonesas porque acho ruim. Coisa que eu também faço com o pop, por sinal.

  • Comercial por comercial, o negócio é garimpar.

  • @Pizurk
    Às vezes, até que você fala a coisa certa.

  • Uma das grandes vantagens da internet é tornar possível garimpar achar bandas que você nunca acharia antes…

  • Se o critério para saber ouvir música é não escutar apenas singles, estou bem, mas só por frescura.

    Comecei baixando discos completos só para não ficar gravando aqueles CDs bagunçados aqui em casa, então se eu queria só Yellow Ledbetter, por exemplo, baixava o Lost Dogs inteiro. Daí conheci muito mais coisa, além de ter um tempo livre desgraçado para fuçar na net.

  • que nada. todas as bandas que curto, eu tenho tudo e tentei ouvir tudo deles. mas poucas vezes eu encontrei dentro do próprio material deles algo melhor do que eu ouvi inicialmente e que me fez gostar da banda. o melhor é que dentro das influencias ou em bandas similares você esbarra em coisas muito melhores…

busca

confira

quem?

baconfrito