E as quotas chegam aos quadrinhos

HQs sexta-feira, 09 de dezembro de 2011

Se tem uma coisa que nunca gostei nos projetos governamentais são as cotas, ou quotas, seja em concurso, seja em vestibular. E acho que isso é algo injusto e discriminatório: Acho injusto porque perde o critério de “igualdade” na disputa de vagas e discriminatório porque dá a impressão de que os “dependentes de cotas” seriam mais burros menos inteligentes que os demais.

Mas não são as cotas trabalhistas ou educacionais que quero abordar aqui, mas sim sobre o projeto de lei nº 6.060/2009 do deputado federal Vicentinho, sob tutela atualmente do deputado Rui Costa que estipula quotas de publicação de quadrinhos nacionais pelas editoras brasileiras.

O projeto entrou em discussão e virou noticia na mídia no final de outubro, quando uma reunião entre o deputado Rui Costa e Associação dos Cartunistas do Brasil e da Associação Nacional dos Editores de Revista realizada em Brasília e voltou a ser abordado essa semana na mídia especializada por causa de uma nova reunião que será realizada em São Paulo.

A base da idéia é incentivar a produção e distribuição de HQs nacionais, e isso seria algo maravilhoso, já que o Brasil tem grandes artistas na nona arte e que atualmente são destaques no mercado internacional como Fábio Moon, Gabriel Bá, Ivan Reis, entre outros. Mas assim como as cotas “raciais”, isso é um péssimo negócio.

Digo isso porque os idealizadores do projeto acreditam que as HQs nacionais são dominadas atualmente pela Turma da Mônica, o que de certa forma é verdade, porém, obrigar as editoras publicarem e distribuírem um percentual mínimo (O projeto fala em 20%) poderia trazer para o mercado boas obras, mas creio a maioria seria uma bela porcaria.

Para compensar a forçação de barra editorial, o governo daria incentivo as editoras com

“ações do Poder Público de incentivo à leitura em sala de aula, promoção de eventos e inserção de disciplinas como roteiro e desenho nos currículos escolares (…) os bancos e as agências de fomento federais financiarão a produção de quadrinhos de origem nacional.”

como é ressaltado no projeto.

É claro que incentivar não só os quadrinhos, mas qualquer arte é uma idéia válida, e algo que infelizmente faz falta à cultura brasileira, só que tentar forçar um incentivo na marra é demonstrar que apesar de termos bons artistas, estes não tem capacidade de fazer um bom material.

Aliás, esse erro já foi cometido anos atrás com o cinema, quando as salas eram obrigadas a apresentarem um número específico de filmes nacionais por ano. O problema é que na época, para cumprir tal cota com nossa sétima arte, as telonas acabavam exibindo obras bizarras da pornochanchada como Alucinações Sexuais de Um Macaco, entre outras pérolas.

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Anônimo

    Essa história de cotas para produção cultural é a pior! O incentivo para as obras boas deve existir, mas não empurrá-las goela abaixo do público. A seleção deve ser feita pelo mercado, por si só. É um simples respeito à minha liberdade de escolha. Pensando em incentivo fiscal não tem ninguém, né?

  • Cara, eu sei que esse nao é o assunto, e até dê pano pra manga mas, cotas raciais nao menosprezam o candidato ou o descriminaliza. As cotas raciais são medidas que buscam a igualdade social, visto que, ainda, no Brasil, a população negra ainda tem uma grande disparidade em relação à brancos. Pela processo histórico do Brasil o negro ( que foi e ainda é depreciado ) sofre por não ter acesso à oportunidades na carreira profissional, seja nos estudos, seja no trabalho. Por isso, as cotas raciais é uma medida de inclusão social altamente válida, e de forma nenhuma “burrifica” o negro.

busca

confira

quem?

baconfrito