Do pó vieste e ao pó retornarás

Analfabetismo Funcional terça-feira, 27 de novembro de 2012

Gênesis 3:19. Do grego “origem”, “criação”. Nunca aprendi a ler esse troço da Bíblia, sei que um dos números é o versículo e o outro o capítulo, mas só até aí, além disso a Bíblia fica impraticável para mim… O livro mais (Mal) editado de todos os tempos.

Normalmente, entre as pessoas que gostam de livros, literatura e coisas do tipo, há um consenso no que tange à respeito do papel do livro numa sociedade, cultura, povo, etc. De forma menos confusa, todos concordam que livros são importantes.

Uns dizem que é devido à história do livro-objeto, ou sobre o que o livro trata, seu conteúdo, ou ainda uma mistura entre o físico e o não-físico, botando assim os livros sobre pedestais. Há centenas de anos os livros foram (E são…) a forma mais importante e efetiva de acumular, guardar e transferir conhecimento, sobre a vida, o universo e tudo mais.

Para resumir todo o sentido dos dois parágrafos anteriores: Livros são importantes porque são a melhor fonte de conhecimento jamais criada pelo homem. E tende a ser assim por mais um bom tempo. Eu gosto de livros, gosto do objeto, mas em última análise, é papel. Papel, tinta, cola, linha… E por melhor que estes materiais sejam, afinal, temos livros de milhares de anos, um dia estes não dão mais conta do recado.

E eis o questionamento do post. Temos milhões de livros, com informações sobre bilhões de assuntos, e todos se perderão um dia. Por via de regra, o objeto é posto num pedestal, mas seu conteúdo não. E nem adianta ser. Cedo ou tarde, de uma forma ou de outra, o livro se esvai, e consequentemente o conteúdo dele também. Não quer dizer que não há outras mídias sobre o assunto e nem que não há pessoas que detenham tal conhecimento, mas aquele objeto tomado quase como divindade se foi, e não posso deixar de pensar que algo do tipo não seja uma coisa ruim.

Não, eu não gosto de ver conhecimento ser perdido, e nem de perder o livro em si, mas chega um ponto em que para avançar deve-se cortar laços com o passado, e isso significa destruir (Literalmente ou não) os livros. Conhecimento só é importante se aplicável, caso contrário, é inútil, e talvez deva-se deixar tal conhecimento para trás. Talvez essa hora seja agora, talvez seja daqui há centenas de anos e talvez já tenha passado. Eu, comumente, também boto livros em pedestais, e não sei se acabaria com algum conhecimento se preciso, mas não tenho, e não terei, pena do pó.

Leia mais em: ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito