Deixando algo para trás

Analfabetismo Funcional segunda-feira, 08 de setembro de 2008

Coletâneas de historias são coisas interessantes. Vamos pegar de exemplo um daqueles livros da seleções, aqueles com papel ruim e histórias que podem ser consideradas best sellers no… Zimbabue. Não que todos tenham histórias ruins, não é isso que irei falar aqui, pelo menos não hoje, não estou a fim de falar mal de alguma coisa.
Mas voltando as coletâneas de histórias. Cada livro dessa coleção possui 4 histórias completas. Sempre tem uma que pode ser considerada a principal, duas que podem ser classificadas como medianas e a última que direi que está ali só pra cumprir a meta. Normalmente ignorada, essa história quase sempre é deixada pra ler por ultimo ou nem ao menos e começada, o que pode se revelar um erro ou a salvação em alguma temporada sem nenhum lançamento ou sem nada que presta para ler.
Essa semana aconteceu algo assim, não comigo, mas sim com minha mãe, pessoa essa que faz um tempo estou deixando sem ter livros novos a mão, só porque ela odeia a idéia de comprar livros, coisa que gasto grande parte de meu salário, mas isso não vem ao caso. Ela veio me falando exatamente isso:
– Santhyago, sabe aquele livro da Reader Digest que esta lá em cima? Já leu aquela historia “O ouro de Stonewell”?
-Sei lá, devo ter lido faz tempo, nem me lembro mais.
Nessa parte, ela começa a fazer uma resenha do livro para mim, contando o básico da história, personagens, quem morreu até a parte que ela havia lido e muito mais. Ela é mais viciada em livros do que eu, mas tem o péssimo costume de contar o final das histórias. E veja só, estou me perdendo de novo, vamos voltar ao foco disso.
Isso fez eu me lembrar de um tempo atrás, na época que eu lia livros de contos. Sempre tinha aqueles que começavam chatos ou de enrolavam muito em certas partes e que eu, na minha vontade de ler algo menos chato, pulava o marcando pra ler depois, coisa que nunca acontecia. Nos tempos atuais, resolvi pegar um desses livros de novo para ver se conseguia ler. Não sei se foi o meu cérebro danificado que mudou ou eu que estava com mais paciência, mas a verdade é que consegui ler tudo sem pular parte nenhuma. O livro em questão era o “Numa fria”, de Charles Bukowski. Pausa para me vaiarem e me xingarem de burro. Admito que fui um erro ao deixar algo dele sem ler, mas estou tentando corrigir esse defeito.
Mas isso consegue ilustrar bem o ponto que quero chegar, no fim de tudo. Eu deixei essas histórias para trás, e quando resolvi as ler, elas se revelaram as melhores, aquelas que são dignas de estarem entre tantas outras histórias tão boas como as que havia lido antes.
Mas não tenho muita certeza se isso é bom. Eu facilmente esqueço algumas coisas, é capaz que tenha muitas dessas histórias que devo ter deixado pra depois e a memória de ter feito isso já nem existe mais em minha cabeça. Só ter a impressão de que isso pode ter acontecido me deixa meio desorientado, com aquela impressão de ter esquecido de fazer algo importante.

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Eu ia falar alguma coisa…

  • Sua mãe mais viciada q vc, bom.. isso eu duvido!
    Agora se esquecer das coisas acontece.. afinal ninguem é perfeito!

    XD

  • Também pulo contos. Julgar antes de acabar não é lá muito certo… Huahuah

    x

  • josé

    Boa parte do salário em livros:
    BEM QUE TU FAZ!

  • Luli

    Meu pai já leu todos, ou quase todos, daqueles livros das seleções.

busca

confira

quem?

baconfrito