Days Go By (The Offspring) [2]

Música segunda-feira, 19 de Maio de 2014

Vocês sabem que eu sou um verme, não sabem? Pois então, já tem uns duas semanas desde que finalmente criei vergonha na cara e fui ouvir o mais recente álbum do Offspring, Days Go By, e porrã, eu vou falar bem desse troço.

 A idade não perdoa ninguém.

Sabe quando você, poseristicamente, gosta de uma banda pelas músicas mais conhecidas e meia dúzia mais, mas nunca ouviu um álbum inteiro? Então, Days Go By é o primeiro álbum do Offspring que eu ouço inteiro… E não prometo que haverá um segundo.

Caso você tenha boa memória, é capaz de se lembrar que o Euclidinho já resenhou o álbum, xingou muito no Twitter, e desde então nunca foi o mesmo, passando a dizer que tecno-axé é razoável e tem um gingado maneiro, além de se poder ouvir o tambor. Acontece que o senhor Neto ouviu mais coisas da banda, acontece que ele gostava do jeito que ela era e acontece também que ele está ficando velho. Eu, ao contrário, estou numa fase muito farofa da minha vida e tenho pouca dignidade.

 O farofismo não tem limits

The Future Is Now é a faixa que abre o álbum e eu gosto da genericidade (Notaram como estou bom nos neologismos hoje?). Abre bem o troço, sem ser grande demais mas sem ser uma merda. Eu gosto do refrão, mas o começo da música é a parte mais legal, mesmo o mini solo sendo fraquinho. Vem então Secrets From The Underground, num começo que se mescla bem com a primeira música e é capaz de você nem perceber que são duas. E a música é foda. O refrão é foda, a abertura é maneira e a letra é legal também, com cara de filme meia boca sobre conspiração… Eu disse que estou numa época de poucos parâmetros.

Aí vem a faixa título, e pra ser sincero eu acho que ela vem muito cedo no álbum. Eu sei que normalmente a faixa título chega mesmo lá pelo terceiro ou quarto lugar, mas Days Go By estaria lá pelo sétimo pra mim. Outra verdade é que eu gostava mais da música antes de ouvi-la várias vezes. Não que ela seja fraca, mas passei à preferir outras do álbum. Apesar disso, ela realmente ilustra bem o conjunto da obra (Pra bem ou pra mal), e eu gosto da letra. Sim, é isso mesmo, sigamos em frente: Turning Into You tá toda errada. A letra é sem graça, o andamento é sem graça e você poderia muito bem passar sem ela. Ela não me incomoda, mas também não me agrada: Um dos pontos mais baixos do álbum. Agora, Hurting as One é maneira. Hurting as One é foda. Rápida, letra pequena, do tipo certo pra levantar a galera num show mas sem entregar uma música das grandes.

Agora, Cruising California (Bumpin’ In My Trunk) merece um parágrafo à parte. Não lembro quando foi a primeira vez que vi o clipe da música, mas lembro que, na época, achei uma música foda. Não precisou muito pra eu ver que não é grandes merdas… O clipe em si provavelmente faz a maior parte do trabalho. Cruising California me parece uma música muito mais antiga do que é (De 2012), e toda vez que eu a ouço, lembro do Pizurk e penso na cara de reprovação e decepção que ele faria… Cara, eu sequer conheço muito do Offspring, mas essa é a música que prova a decadência da banda, tenho certeza. É uma música muito foda pra tocar no meio da zueira com a galera e tals, bem no estilo gringo mesmo, mas ninguém fora a Califórnia está na Califórnia. Eu gosto, mas é porque eu sou um merda e porque Pretty Fly (For A White Guy) também é foda.

É a vez da baladinha, e All I Have Left Is You é o nome dela. Não me vem dizer que esta é a música romântica/pra casal/mela cueca do álbum… Ok, eu sei que parece isso mesmo, mas o Offspring nunca foi uma banda minimamente romântica e aqui não seria diferente. Pra mim All I Have Left Is You é muito mais sobre amizade no homo que sobre adolescentes de mãos dadas no Burger King ou qualquer que seja a merda que essa geração atual faz. Até a Aline, que é a caçula do Bacon, já passou dessa fase… Agora ela acredita na igualdade socioeconômica, mas isso é outra história.

O.C. Guns pra mim é a pior música do álbum. Faça um favor pra você mesmo e a escute sem saber a letra. Até que ela tem um ou outro versinho legal, mas é só… Música pra ouvir sem pensar, que nem tantas outras aí. Dirty Magic é a próxima, e eu só fui descobrir que é regravação (Do álbum Ignition, de 1992) graças ao Pizurk. É a música perfeita pra você comparar a banda de vinte anos atrás com a de 2012 hoje. Ela não tem uma grande letra e nem é uma música que se destaca; à favor da versão atual digo que preferi o “novo” refrão, mas a versão antiga é mais legal.

Agora vem o que eu chamo de “final do álbum”. Se o Pizurk ainda não se matou de ódio agora vai: I Wanna Secret Family (With You) é foda. Mas FODA. Tipo assim, que música foda. A letra é, de longe, uma das mais legais do álbum todo. Essa é a música pra você botar no seu pen drive e levar no churras, pra chegar na garota que você curte… Talvez seja por isso que eu seja esteja solteiro. Mas a música é foda mesmo e você deve aproveitá-la independente de qualquer coisa. No fim você ainda pode encoxar as piranhas, só é crime se ela não curtir. Dividing By Zero é uma música foda, com um refrão legal, mas que por algum motivo eu sempre esqueço que é a penúltima música do álbum. Ela me lembra um pouco o metal melódico, você sabe, os hédibenzi RPGistas, mas sem a parte do metal… Não tenho certeza se é a música mais pesada do álbum, mas é uma das com mais pegada UI. É uma boa música, mesmo sendo a mais curta do álbum todo.

Slim Pickens Does The Right Thing and Rides The Bomb To Hell. Cara, que título foda. É uma das minhas preferidas, a mais bem balanceada além de provavelmente ser a letra mais legal. Ela termina perfeitamente o álbum: Dentro de tudo que foi apresentado ela é o melhor exemplo. Eu simplesmente não tenho do que reclamar aqui (Sim, eu sei que vocês têm).

Conjunto da obra? Eu gostei. De novo, é uma época estranha pra mim também. Como eu estou naquela de ouvir o álbum todo dia, do início ao fim, eu já notei várias pequenas coisas que eu mudaria, bem naquelas de “não ficaria melhor se isso aqui fosse desse jeito…?”. O saldo é positivo, mas só se você, assim como eu, não era grande fã de como a banda era. The Offspring sempre foi legal pra mim, e continua sendo, mesmo que os solos estejam fracos e a bateria quase não apareça. Torço pra banda durar até uma época melhor, pra eles e pra nós. Até lá, eu me divirto com as erradas.

Days Go By – The Offspring


Lançamento: 2012
Gênero musical: Pop punk
Faixas:
1. The Future Is Now
2. Secrets from the Underground
3. Days Go By
4. Turning Into You
5. Hurting as One
6. Cruising California (Bumpin’ in My Trunk)
7. All I Have Left Is You
8. OC Guns
9. Dirty Magic
10. I Wanna Secret Family (With You)
11. Dividing by Zero
12. Slim Pickens Does the Right Thing and Rides the Bomb to Hell

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito