COMPREI. Sou retrô.

Livros segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Então, como sou indie-hipster-alternativo-engajado-anti-coca-cola-e-contra-windows, comprei uma máquina de escrever, e estou pouco me fodendo se vocês tem um netbook Positivo com Windows Starter, afinal, minha máquina não dá pau por falta de processador.

 Nota: esse rejunte mal feito não é aqui em casa.

Pois é, eu sei que estamos no século XXI, que computadores existem faz tempo (Acreditariam se dissesse que eu tenho um?) e que máquinas de escrever são troços que cairam em desuso há décadas, mas a questão é bem simples: Gosto de escrever, gosto de máquinas de escrever e os melhores livros já escritos foram escritos em máquinas de escrever. Por conclusão óbvia vocês podem chegar à seguinte frase:

“iashudiadshaiougdfiasf otário”

Uma coisa que ninguém pode negar, é que as coisas antigamente tinham muito mais qualidade e eram muito mais inteligentes que nos dias de hoje: Temos computadores que fazem 20914710612658912548 trilhões de cálculos ao mesmo tempo, mas antigamente tínhamos máquinas de doce totalmente mecânicas, com milhares de pecinhas individuais que formavam uma máquina mais legal e durável que seu MacBook novo.

Claro que a máquina de doces não tinha centenas de utilidades, não te permitia conversar com uma pessoa que está do outro lado do mundo (O quão Fantástico ficou isso?) e não conseguiria ser transportada dentro de uma mochila, mas ainda sim você ficava mais feliz com um Hershey’s do que fica ao saber que a nova atualização sai por U$30… O que estou querendo dizer aqui é se fodeu macfag que gosto muito mais da minha máquina velha, usada e sem grande utilidade do que gosto de metade dos “bens de consumo” atuais.

E em “bens de consumo” incluo coisas da Apple, Positivo e, feliz ou infelizmente, livros. Dia desses a Aline fez esse post, e ele é válido para livros também: Todos digitados de forma mecânica, em linha de produção, com fórmulas prontas, sem emoção, sem necessidade, só pelo simples fato de produzir. Não que isso seja culpa dos computadores, mas tem que realmente gostar da coisa para passar horas batendo teclas duras ao invés de teclas macias… Às vezes creio que a causa de toda merda no mundo é que a vida ficou fácil demais, cheia de “atalhos”… Porra, vão sujar a mão na fita da máquina para depois reclamarem da impressão colorida que deu falha.

Minha máquina de escrever tem uns 75 anos, e em 75 anos viu uma Guerra Mundial, corridas armamentistas, o nascimento dos computadores, Olimpíadas, Copas do Mundo, milhões de quilos de papel, o nascimento do Rock, do Punk, do Pop, a Era de Ouro do cinema, revoltas populares, centenas de nascimentos (E mortes) de gente importante, cinco Constituições diferentes (Só no Brasil) e, quem sabe, livros, e agora está vendo que os responsáveis por “dar continuidade ao legado” gostam mais de definir capa e ir à sessão de autógrafo do que de escrever… Digo apenas que terei que comprar mais folhas em breve.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Anônimo

    Eu teria uma máquina de escrever também, se a minha avó não fosse tão impaciente. Eu disse que ia levar numa semana, só que não deu para eu ir lá, e decidi levar na próxima. Quando cheguei, a máquina estava toda destruída e no lixo :(

  • Luiz Carlos Corrêa

    Grande merda !

  • Papo-reto

    A verdade é que nunca se parou de fazer coisas boas, as pessoas é que pararam de ir atrás. Virou modinha falar mal das atualidades e dizer que só o antigo é bom. Levanta de trás da sua máquina de escrever escrota e vai viajar, você fica só reclamando da vida e de como o presente é ruim e o passado é foda. Larga de ser hipster, comprar um máquina de escrever num faz você melhor que ninguém. Sua máquina já viu tanta coisa, como você mesmo falou, e você acha que adquiriu a experiência e sabedoria dela por osmose. Acorda, vai tomar um sol, vai comer bem, fazer amigos, sei lá. Você é só um pseudo-cult.

  • Concordo HOORRORES contigo. Qualquer forma de arte virou receita de bolo, fast food, enfim.
    Agora quero uma vitrola pra ser oldschool também.

  • A grande questão é que hoje em dia o ritmo de vida é extremamente diferente do que anos e anos atrás. Eu por exemplo, fazem 4 anos que não paro em frente à TV para assistir um telejornal, se não fosse pela internet eu mal saberia que o Lula está com câncer e que o Kadhafi foi morto. Tudo aconteceu como uma seleção natural, muda-se a vida, criam-se problemas e respectivamente soluções e, com elas, novos problemas. O que quero dizer é que, hoje infelizmente não temos tempo para nos dedicar a um trabalho, como na máquina de escrever, é necessário escrever um e-mail, ver notícias, saber do tempo e coisas do tipo. E consequentemente, os trabalhos saem com pior qualidade, isto é fato visível.

    BTW, muito fera sua máquina “nova”.

  • BACON KD

    Só tem poeta nesse site.

  • BACON KD

    Ele não falou que se parou de fazer coisas boas. Ele falou que proporcionalmente eles não fazem tantas coisas boas quanto antigamente. E tomar no cu, as atualidades são uma merda, nego só pensa em dinheiro e as artes que se fodam.

  • BACON KD

    Não é meio receita de bolo querer ser oldschool só por ser oldschool?

    “Ah, o autor do texto é tão leckal, ele tem uma máquina de escrever. Vou comprar uma vitrola pra ser hipster que nem ele. ^_^”

  • BACON KD

    Lula tá com câncer? :0

  • BACON KD

    Como é que… Como é que se destrói uma máquina de escrever? Sa porra é frágil desse jeito?

  • BACON KD

    Fica difícil pegar o espírito do texto com uma propaganda gigante da submarino me mandando comprar um notebook por meros R$ 1.079,10.

  • Loney

    Porra, Submarino me quebrou agora =/

  • Loney

    Também não assisto mais TV à não ser filmes, o que é bem raro ainda sim.
    E você tocou no ponto chave: evolução. Computadores são “a próxima geração” das máquinas de escrever, mas isso por si só não significaria a perda da qualidade, que vem com a facilidade dos computadores aliada à necessidade de ter/ser/fazer sempre “mais”.

  • Loney

    uahauhauha meio que devo concordar com o Bacon KD =X

    E devo colocar um “porém” aí: não é que virou fast food, mas literalmente não se fazem mais esculturas e pinturas no mundo, agora são colagens e bizarrices denominadas “arte moderna”, que são puro lixo… seja isso bom ou ruim para as artes de verdade.

  • Loney

    Como eu disse na PRIMEIRA LINHA DO TEXTO: “sou indie-hipster-alternativo-engajado-anti-coca-cola-e-contra-windows”.

  • Loney

    [2] Caso encerrado.

  • Loney

    Porra, que foda cara… justo sua avó ainda por cima.

  • lucas

    Haha, e esqueceu da melhor parte, que é não ter que lidar com as malditas impressoras.

  • Bonilha

    Comprou onde? Eu to procurando uma faz tempo, mas nao confio no ML.

  • Anônimo

    A que ela tinha era tipo mais “moderninha”, pois os botões eram semelhantes com os teclados de hoje, e a carcaça era de plástico.
    Ela tacou fogo (parte da carcaça estava derretida), molestou (muitos
    dos ferros das teclas estavam amassados e/ou fora de lugar), fez coisas bizarras com a máquina =/

  • yuri

    To qrendo uma vitrola faz tempo. O som analógico é bonito demais

  • Anônimo

    Justo ela. Sei lá o que houve com ela para ela fazer isso…

  • Loney

    ML xD meio que um achado… tem umas em ótimo estado lá, basta ver as qualificações do vendedor.

  • Loney

    Né? Meu tio tem uma moderna, com a parte pro LP, mas com leitor de CD e MP3, linda cara, em madeira, visual antigo e tal.

  • Loney

    E sem pagar algumas dezenas de reais pela tinta.

  • Ricardo G. Souza

    eu to atrás de uma, tenho vinil até do Jiraya (sério isso), mas não tenho onde escutar.

  • BACON KD

    Mas o que que faz uma velhinha estuprar uma pobre máquina de escrever?
    Ç_ç

  • BACON KD

    E você acha que alguém lê alguma coisa? A gente só lê o título, olha pras figurinhas e vem comentar.

  • eu tenho uma Remington azulzinha que quando eu era criança, era meu xodó. Hoje virou enfeite, não uso, mas acho bonita, sei lá.

  • Anônimo

    Sabe-se lá pq, é mulher, então tentar entender já é uma tarefa meio impossível. Eu também não entendi, fazer o que?

  • O foda é que LP é raro de encontrar e caro pra caralho!!!!

  • Loney

    Isso quando comentam.

  • Loney

    Eu tinha do Fofão.

  • Loney

    Vi muitas Remingtons também, mas acabei escolhendo essa por ser diferente.

  • Eu tenho uma, mas está quebrada. Assim que eu tiver como pretendo mandá-la pro conserto. :(

  • Não quero ser chato, mas isso para mim parece papo de gente velha, já que com o passar do tempo consolidamos nossos gostos e personalidades e ficamos resistentes à mudanças. Não deve ser uma coincidência que qualquer senhor de cabelos brancos se lembra da sua época com um certo “glamour”.
    E é claro que grandes obras foram escritas nesta máquina, assim como outros milhares foram escritos à mão, pergaminhos e pedras de mármore. Dê tempo ao computador e você verá (ou talvez não) grandes obras escritas nele, afinal, é só um objeto. A diferença entre e outro é um esforço físico, não psicológico, e o último é o que realmente importa entre um texto bom e outro ruim.

  • Vir aqui no Baconfrito com preguiça mental é pedir pra ler blogzinho de memes.

  • Loney

    Sim, mas eu sou velho. E o post todo é uma analogia que serve só para eu reclamar da quantidade de porcarias feitas atualmente.

busca

confira

quem?

baconfrito