Análise poética: Cine

Música segunda-feira, 24 de Maio de 2010

Ah, a escrita. Como esse universo é vasto. Você pode criar alguma coisa e destruí-la logo em seguida, atendendo a sua vontade e a de mais ninguém. Tudo é possível: Atingir o zero absoluto, superar a velocidade da luz, voar, transformar os outros em ouro – TUDO é possível, basta ter imaginação. Poucas são as pessoas que têm imaginação e, acima disso, uma mensagem a ser passada para o público alvo. Aliás, todo texto tem uma mensagem, mas não são todos que conseguem transmiti-la. Deixem-me colocar a minha mensagem em vocês. heh

q

Ah sim, já disse que Cine não é banda? Cine é poesia. E eu vou MOSTRAR isso a vocês. Aquele que não entender isso, ao final do texto, será taxado como leitor do Bacon que não sabe interpretar. Se bem que isso é uma espécie de redundância. Ok, alguns de vocês sabem interpretar. PARA DE ENROLAR FDP

Esses poetas não podem ser classificados por um gênero apenas. Desde Trovadorismo a Modernismo, tudo é válido. Tratam de problemas do cotidiano, fazem uma volta ao passado, imaginam o futuro – essa é a linha que separa os visionários de VOCÊ. Vamos analisar uma letra do conjunto – estrofe por estrofe – para confirmar a premissa. A letra escolhida tá ai porque eu tenho o teclado e eu quero, não há outra justificativa.

Garota Radical

Who o ow
Who o o o ow
Who o oaaaa
Ye ye yeah

Onomatopéias povoam essa parte. Nota-se o tom árcade na influência do conjunto, já que o som representado ai é o do sexo entre dois elefantes, criaturas que nunca habitariam o campo, claro, mas cria-se um paradoxo com tal afirmação. Entretanto, isso é uma introdução, apenas, ainda não veremos uma fuga para o campo em si.

O simples torna ela demais
Quinta o shopping, domingo os pais
Tente entender por que ainda ligo pra você
Ela só me diz não, pra mim já tornou padrão e faz por querer

Percebemos um esquema de rimas AABB – demais/pais; você/querer -, já a métrica, por outro lado, não segue padrão algum. Nessa estrofe há uma diminuição no significado de locais de consumo para o poeta. Shopping, o templo do consumo do século XXI, é uma coisa simples, nada além disso ou algum enaltecimento do tipo. Entramos nessa parte com o amor idealizado: Há uma certa diferença entre ele, o poeta, e sua musa. Ambos devem pertencer a classes diferentes: Nobreza e burguesia, patrícios e plebeus, hilótas e espartanos – vocês entenderam. A mulher não reconhece o homem como alguém à sua altura, primeiramente por tal diferença, e em segundo plano por um prazer pessoal, ou se fazer por difícil. Podemos concluir, então, que não existem certezas sobre o motivo de tal atitude.

Te vejo na minha (Te vejo na minha)
Vai ser só minha (Vai ser só minha)
Falo tão sério, é sério você vai
Vai ser só minha (Vai ser só minha)
Vem ser só minha
Vai ser você
Aposto um beijo que você me quer

O esquema de rimas nessa estrofe é totalmente remodelado. Não existe um padrão nem mesmo na métrica. Há um recurso usado, no terceiro verso, onde o intervalo entre as falas é menor, causando impressão de um mundo dinâmico, globalizado, onde o amor não deixou de ser algo importante, mas é prejudicado pela falta de tempo. Ao pensar sobre o motivo de ter sido ignorado – discutido acima – o homem apaixonado aposta na segunda opção: Se fazer de difícil. É o tudo ou nada aqui: Aposte seus culhões que a mulher tá na sua e tudo aquilo é um jogo, a arte do flerte.

Who o ow
Who o o o ow
Who o oaaaa
Eu te completo baby
Who o ow
Who o o o ow
Who o oaaaa
Vem que é certo baby

As onomatopéias voltam a representar o sexo dos elefantes, que agora sofrem uma personificação e conversam durante o ato.

Sempre escuta as bandas que eu nunca ouvi
Sempre de vestido pra sair
E quando ela sai, não importa pra onde vai
Sempre com o cartão do pai, compra tudo e se distrai

Os gostos diferentes voltam à afirmação sobre as classes serem diferentes. O acesso a qualquer tipo de mercadoria com o dinheiro do pai deixa claro que a musa é de uma família com um poder econômico grande. Sobre sair e não se importar para onde vai, óbvio que o destino não importa: Tudo é igual na sociedade, os objetivos, os defeitos, tudo. Critica pesada ao sistema capitalista e ao modo de vida atual.

Te vejo na minha (Te vejo na minha)
Vai ser só minha (Vai ser só minha)
Falo tão sério, é sério você vai
Vai ser só minha (Vai ser só minha)
Vem ser só minha
Vai ser você
Aposto um beijo que você me quer

Repetição, óbvio, mas serve para mostrar que, apesar das diferenças serem apresentadas aos poucos e aumentadas da mesma forma, não há perda de interesse na burguesa-espartana-patrícia.

Who o ow
Who o o o ow
Who o oaaaa
Eu te completo baby
Who o ow
Who o o o ow
Who o oaaaa
Vem que é certo baby

Sério, quanto tempo demora o sexo entre elefantes? PQP.

Te ver no sábado e escutar tudo que eu já sei, pode decorar
Não é fácil, eu não me faço
Egoísta, sim, eu não nego
Por isso insisto em ti e me entrego mais, mais, mais
Who o ow
Who o o o ow
Who o oaaaa
Vai ser você
Aposto um beijo que você me quer

Podemos notar a presença da religiosidade. Pergunto: Por que ele a vê no sábado? Domingo é dia de Igreja, ou seja, há uma forte influência da já decadente ordem católica nas ações de todos. Um segundo paradoxo é apresentado – Camões estaria orgulhoso: O egoísmo é assumido, mas, mesmo assim, ele se entrega cada vez mais a ela, coisa que não seria possível pela própria definição de uma pessoa egoísta. Infelizmente, o amor continua sendo idealizado e nosso poeta, ao invés de absorver a solução romântica e se matar, entra no meio do sexo dos elefantes. Não há ideias que indiquem qual elefante foi escolhido – o macho ou a fêmea -, e isso depende da interpretação de cada um. Não chega a ser um Dom Casmurro, claro.

O simples torna ela demais
Quinta o shopping, domingo os pais
Paguei pra ver por que é que eu liguei pra você?

O questionamento: Por que insistir na idealização se existe elefantes? Abandonando totalmente a cidade e sua musa, o poeta vai para o campo viver entre os elefantes, assim acalmando todo e qualquer temor dentro de seu corpo, estilo Vlad III, O Empalador, manja?

Isso que é banda boa. Banda boa SEMPRE tem letra DECENTE pra dar um banho de CULTURA em quem estiver ouvindo. Espero que quem tenha lido o que eu escrevi – bots, claro – também manje de ironia e tal. Não que eu tenha usado isso no texto em parte alguma. E, claro, pro povo que não lê algo sem imagens, vou deixar uma aqui E pedir pra alguma alma de boa vontade me compre uma camiseta dessas. Sério.

 Eu achei engraçada pra caralho. Não que eu seja parâmetro pra alguma coisa.

Você tem dinheiro sobrando? O bastante pra me dar essa camiseta e ainda quer MAIS? OLOLCO, então entre na comunidade no Orkut, Twitter e Last.fm pra ficar MILHÃONÁRIO!

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Állan

    Francamente, não esperava que os elefantes fossem tão safados.

  • E a escolha dessa música não tem realmente NADA a ver com o fato de o Felipe Neto ter sacaneado ela recentemente na série “Não Faz Sentido”? http://www.youtube.com/watch?v=LOwQLarDhvI

  • K

    @Vitor Reis
    Campeão, seu link é um vídeo com Chico Buarque. E não, tanto que nem conheço o maluco. Odeio esses viadinhos que não tem nada pra fazer e ficam procurando pelo em ovo. Você RESPIRA também, né, então você está, automaticamente, me copiando.

    Eu pensei em elaborar uma resposta melhor, mas… Chico Buarque, cara. VSF.

  • É, colei o link errado, o correto é este:
    http://www.youtube.com/watch?v=KCnouVHROPo

    Não sou um viadinho que procura pelo em ovo, eu sou (ou era, até agora) leitor assíduo do blog, e lhe fiz uma pergunta e só esperava uma resposta.

    Se não aguenta perguntas e/ou críticas, pare de escrever na internet.

    O que me espantou foi uma resposta demente, tirando sarro de uma das maiores mentes que a música brasileira já viu.

    Até nunca mais :)

  • K

    @Vitor Reis
    Comentário idiota, resposta cretina. Aprenda a lidar. Mas… Pelo seu “até nunca mais”, quem não aguenta respostas aqui é… Você, cara. Enfim, estaremos sempre de porPERA, BLOG? VSF.

  • Luis

    Nunca vi tanta babaquice num texto só! Era pra ser engraçado?

    NÃO FOI!!

    Tentativa incrivelmente FAIL de ser divertidamente irônico… Lamentável!

  • Bianca

    Confesso que ri mais disso: “eu sou (ou era, até agora) leitor assíduo do blog”
    DUHSAUDSHUDSHUDSHU (pra não te deixar triste, leia o ‘mais’, o que quer dizer que, sim, eu ri com o texto)

  • Não iria sequer entrar nesse mérito, mas já que chegamos aonde chegamos…

    Talvez você até tenha jeito para a escrita e tudo mais. Talvez você até seja uma pessoa que lê bastante e que se esforça pra ser cada vez mais “culto”.

    Mas convenhamos, você falhou. Seu texto está MUITO ridículo (não, ridículo não é o suficiente, você alcançou um nível superior).

    E mais ridículo ainda é você ironizar a banda pela FALTA DE CULTURA da mesma, sendo que você me apedrejou por gostar de Chico Buarque. Você está de parabéns, meu jovem.

    “Tentativa incrivelmente FAIL de ser divertidamente irônico… Lamentável!”

  • Sim, blog.

  • Porra, o Bacon precisa de mais leitores assim: Que admitem sua noobagem e VÃO EMBORA!

    Se bem que isso faria com que a gente não tivesse mais leitores. O que não é de todo mal, no fim das contas.

  • K

    @Luis
    Não, véi. A cara da SUA MÃE que era pra ser ENGRAÇADA.

    @Vitor Reis
    Tá, você acha meu texto ridículo, sendo que e eu fiz ele com esse propósito, e… Vibra? Você não ia PARAR de comentar e tal, depois desse “até nunca mais”? Cê é mais attention whore do que a Kauany, VSF.

    E em tempo: Chico Buarque é uma bosta. Só que eu prefiro ele aos comentários dos negos que brotam nos meus textos.

  • Fran

    Se a minha humilde opinião importa, eu achei muito bom o texto. O cara entende pra caramba de Literatura e soube usar muito bem o que sabe pra ironizar uma das músicas mais ridículas já inventadas (:

  • Luis

    Você destoa dos outros colunistas desse blog ao tentar passar uma imagem de porra-louca-que-ta-pouco-se-lixando-pra-opiniao-alheia, mas tem a pretensão não assumida de ser lido e admirado, senão guardaria suas opiniões para si!

    Aprenda então, fedelho, que pra ser respeitado e admirado, você precisa primeiramente não sair ofendendo gratuitamente seus leitores apenas pra se fazer de “o fodão”.

    Polêmica gratuita é o supra-sumo da mediocridade, acima de tudo…

  • K

    @Luis
    Rapaz, comentário ácido pra leitor babaca é de graça. Sim, pra leitor BABACA. Não tenho nada contra alguém que lê os meus textos e não concorda com o que eu falo, mas mantém um nível de coerência nos comentários – o que não é o seu caso nem de perto.
    E não quero ser respeitado e admirado por ninguém, LONGE disso. Ser odiado já é um saco, ter um bando de leitor baba ovo em 100% do tempo deve ser pior. A única coisa legal é que ser odiado me faz dar risadas com comentários desse tipo e tal. E fedelho é o seu pau.

    @Fran
    Claro que importa – sendo ela favorável ou contra o texto, mas bem exposta. ;]

  • Pera, o Luis disse que só você tá cagando e andando pra opinião alheia aqui? E depois elogiou o Vassourada, que tá sempre cagando e andando pra opinião da galera? Coerência mil, hein?

  • André

    Chico Buarque é um dos exemplos mais legais pra se usar quando se fala de overrate. É impressionante como nego consegue achar pelo em ovo falando de CB. A música fala sobre sexo, e nego consegue falar que era uma crítica à ditadura, à maçonaria e ao priorado de sião, tudo ao mesmo tempo.

  • Prometi que não comentaria mais em post polêmico, MAS…

    Chico Buarque é o cara mais foda do Brasil atualmente

    Importância de Chico Buarque na música = Importância de Machado de Assis na literatura.

    Quem discorda é por falta de conhecimento!

  • K

    @Pizurk
    Né.

    @André
    Exatamente, véi.

    @Yuri
    Justifique a afirmação, por favor.

  • O Chiquinho é influente em uma área, igual o Machado de Assis: A área dos pseudo-intelectuais.

  • Luis

    @Pizurk
    Já percebi que a linha editorial desse blog é mandar o leitor sifu e que pra ser colunista do bacon é preciso antes de tudo ser nerd, mal educado e ter o rei na barriga.

    Se for pra ser assim, ao menos façam passando um conteúdo razoável, como o do vassourada, e não essa montanha de sandices.

    @k
    paz, amor e meu pau fedelho no teu c*! huahua

  • André

    Não importa o quão o Chico Buarque seja foda em X momentos, o problema é o quão é idiota o fato de todo fanboy imbecil dele querer endeusar aonde não tem o que endeusar.

    CB: Ohhh como fazer sexo é bom…
    Fanboy: OLHA LAH ELE CRITICANDO A CENSURA FALANDO COISA PROIBIDA PRA MENOR DE 18 ANOS EM MUSICA HUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA

    Sério, ISSO é um problema.

  • K

    @Luis
    Você censura… Palavrões? Como você é FRESCA, hein.

    @André
    Isso irrita. E MUITO. Mas é uma coisa que eu pretendo discutir por aqui.

  • Luis

    @k
    Você gostou do fedelho, né?

  • @Luís
    Cê acha que só o vassourada gera conteúdo? Beleza, manda um texto, eu quero ver se você faz melhor que o K, ou o Harry, ou a Jade, ou o Jorge, ou algum dos outros novatos que eu esqueci o nome tou com preguiça de citar. Ou mesmo que algum veterano. Comparar comigo não vale, eu sou café-com-leite.

  • Luis

    @pizurk
    não é só o vassourada que gera conteúdo.Gosto da maioria das colunas desse blog, até algumas do K… só me dê o direito de criticar uma bobagem, quando leio uma, e a postura “dono do mundo” da maioria de vocês…

    Afinal, é muita perda de tempo e um desperdício talento fazer um post pra falar mal de uma boy band, por mais bizarra que esta pareça! Anote aí, daqui a um ano nem você lembrará mais dessa tal de cine, ou restart, o que for.

    Quer falar de música? Fale de música! Pode até meter o pau no Chico Buarque, mas fale de alguém que mereça ser discutido!

    Quanto a mandar um texto, eu ainda não tenho o pré requisito pra ser colunista desse blog (não sou mal educado..rere), mas continuarei lendo e criticando (vcs adoram, admitam!), pois quem não sabe, ensina ou critica…

  • @Luís
    Mano, o texto é do K, ele reclama do que quiser. Assim como você tem todo o direito de vir aqui, reclamar que ele reclamou de algo. Já dizia o Voltaire: “Posso não concordar com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte o seu direito de expressa-las.”
    A postura “dono do mundo” [sic], arrogante, ou seja lá o que for, vai de pessoa pra pessoa. Não é um pré-requisito, mas é muito bem vinda. Afinal, isso aqui é um site de humor, não só de entretenimento. Quer opiniões inócuas? Vai pro Omelete, ou pra Folha, que tenta te doutrinar pelas entrelinhas.

  • Luis

    @Pizurk
    Isso aqui é um site de humor? Poxa, eu tenho nos meus favoritos na pasta cultura…
    Até agora não li nada aqui que possa considerar como humor (tirando o presente texto, fail total)…
    Concordo que o K pode reclamar do que quiser. Só sugeri que ele gaste menos energia e reclame apenas do que realmente é relevante. Senão ele vai ficar igual o Smurf ranzinza, que começa toda frase com “eu odeio”… e ninguém liga pra o Smurf ranzinza, pq ele é um mala sem alça!

  • @Luís
    Cultura? Puta merda, só falta dizer que a gente tem credibilidade.
    Cê realmente não lê muitos textos daqui, né?

    E como assim, o K não é o Smurf ranzinza?

  • Luis

    hauhauahuahau

  • isabel

    não goste,não teve graça, a problemas e deles eles compos a musica eles camtam eles que tao fazendo sucesso com essa musica.;eu admito sou fã deles e defendo eles ta.seu invejoso……..

  • Lil

    só faltou explicar porque diabos o nome dessa música é “Garota Radical”. Procurei todas as referências da palavra radical e realmente não consegui apreender a dimensão de licença poética que esses gênios utilizaram para nomear esta música.

busca

confira

quem?

baconfrito