Volta SEGA!

Nerd-O-Matic quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Por que trazer um defunto para esta coluna? Porque o Dreamcast é um console do caralho e vocês precisam conhecer antes de sair aceitando qualquer vídeo-game por aí.

dreamcast1.jpg

Na verdade eu ainda me surpreendo com o desconhecimento das pessoas a respeito do Dreamcast. Mesmo quando eu estava trabalhando profissionalmente escrevendo sobre games, conheci várias pessoas que nunca tinham sequer visto um Dreamcast ao vivo e a cores. Alguns cometiam a heresia de achar que ele apresentava gráficos piores do que o Playstation 1, e que esse era um dos motivos de seu falecimento. Ignorantes.

shenmue3.jpg
Shenmue. Um dos melhores exemplos do poder gráfico do Dreamcast.

Na verdade o Dreamcast era uma plataforma poderosa, com gráficos comparáveis aos do Playstation 2, e isso já em 1999. Não vou ficar lembrando aqui dados técnicos do hardware, ou suas datas de lançamento, término e blah blah blah. Vão ler essas merdas em outro lugar, que tá cheio disso por aí.

O que me interessa falar do Dreamcast é que ele é um caso raro de vídeo-game BOM, e que mesmo assim foi o canto do cisne da SEGA, em termos de consoles. Talvez tenha realmente sido o melhor vídeo-game que a SEGA já fez, batendo, na minha opinião, até mesmo o Mega Drive. Como pode acontecer de o melhor vídeo-game que a SEGA já lançou também ser o mesmo que enterrou ela de vez?

Porra, o Dreamcast já vinha com entrada para quatro controles, o que acho que era inédito naquela época. Foi o primeiro console que pensou de forma séria nos party games, os jogos pra se jogar em várias pessoas. Power Stone fazia isso muito bem e era um jogão.

6112qd8×1vl_aa280_.jpg

Além disso, foi o primeiro console a vir com um modem 56k embutido. E funcionava bem pra cacete! Quantas horas e horas eu joguei nos fins de semana, quando a conexão discada pagava um pulso só. Como os jogos eram feitos para aquela conexão nojenta, não tinham grandes ambições em termos de trocas de dados simultâneos, mas mesmo assim era possível jogar Unreal Tournament sem lag!

130f.jpg

E ele também acessava a internet. Você tem noção de como era inédito acessar a internet através de um vídeo-game há dez anos atrás? Era totalmente inédito, caso você não saiba. Certa vez meu desktop teve sua placa mãe queimada por um raio maroto que caiu durante uma tempestade, e ficou na UTI por semanas, porque placas-mãe eram caras há dez anos atrás. Foi espetacular: graças ao Dreamcast eu não fiquei nem mesmo um dia só sem poder acessar pornografia online! E descobri inclusive a alegria de ver fotos de mulher pelada diretamente na tela do seu televisor de vinte polegadas.

E o joystick? Era esquisito, concordo. Mas até hoje eu acho que o joystick do Dreamcast é o terceiro melhor de toda a história dos vídeo-games (Atrás do controle do X360 e o do PS2). Ele era muito anatômico e confortável, embora não pareça. Ele tinha aquele espaço no meio, onde você encaixava o VMU sobre o qual falarei adiante. O VMU ficava legal ali, e transformava o joystick em um artefato tecnológico, que chamava muita atenção de quem estava só olhando. Porra, tinha uma telinha de LCD no seu controle cara. Ele era praticamente um palmtop!

full_dreamcast_controller.gif

Além do visual do VMU incorporado, o controle tinha os botões L e R que eram gatilhos, o que eu acho que foi revolucionário. Hoje em dia o PS3, o Wii e o X360 copiam a idéia, mas ela surgiu pela primeira vez no Dreamcast. E era muito tesão jogar Unreal Tournament com gatilhos na mão cara. Fazia maravilhas pela sensação de imersão.

Finalmente, o VMU (Virtual Memory Unit). Era o cartão de memória do Dreamcast. Ok, a essa altura os cartões de memória já não eram novidade, pois foram inaugurados com o Playstation 1. Mas o que era novidade no VMU é que ele tinha um visor de LCD, e até uns controlezinhos junto, o que transformava ele em um (forçando a barra) mini game boy:

800px-dreamcast-vmu.jpg

É sério, dava pra JOGAR nele. Nada muito complexo, pareciam mais com jogos de celular rudimentares. Mas era interessantes, porque no caso de jogos como Skies of Arcadia, o joguinho do VMU ajudava você a conseguir novos itens para o jogo no console. Era como uma interação rudimentar entre o Nintendo DS e o Wii. E funcionava. Pena que o troço comia pilha pra cacete. E eram aquelas pilhas caras de relógio, pra pioras as coisas. Felizmente ele funcionava como um cartão de memória normal, mesmo sem pilhas.

E, por último, a enorme oferta de jogos bons que o Dreamcast tinha. Veja aqui uma lista com as notas médias dos jogos que saíram para o console. Na boa, que outro console você conhece onde mais de um terço de todos os jogos que saíram tem nota média acima de 80? E onde mais da metade de TODOS OS JOGOS tem nota média acima de 70? É por isso que eu sempre digo que o Dreamcast, proporcionalmente, tem a melhor biblioteca de jogos de todos os consoles que já foram lançados.

E por isso eu nunca vou entender por que a SEGA desistiu de vez dos consoles, já que o último que ela fez foi um dos melhores consoles que eu já tive. E tenho. E jogo. Até hoje. Jet Grind Radio motherfucker!

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito