Top 3 Autores – Alan Moore – John Constantine

Nona Arte quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Ao ler John Constantine, você provavelmente se lembrou daquele filme baseado no arco Hábitos Perigosos, assombrado por tensão sexual, com um Constantine apático, baseado em Los Angeles, moreno e representado pelo Escolhido-Sem-Expressões-Faciais, Keanu Reeves. Por favor, não faça isso; Alan Moore faz uma prece a Glycon pela destruição da humanidade toda vez que alguém menciona esse filme.

Constantine é um mago. Mas, ao contrário daquela imagem estereotípica marcada a ferro e fogo em nossas mentes (O “velho de barba branca com roupão e chapéu pontudo, com um cajado numa mão e uma bola de cristal na outra”), Constantine não se parece em nada com o que estamos acostumados. A aparência dele é a de uma pessoa comum, um Zé-Qualquer da vida: sobretudo (Lembrem-se, ele é inglês), camisa, calça social, sapatos e um cigarro no canto da boca. Suas feições não são dignas de destaque, assim como altura, peso ou cor dos cabelos. John é o personagem que, na minha concepção, se aproxima mais do “homem mediano”: Não é extraordinariamente rico, não tem superpoderes, não possui uma vida secreta que deve ser mantida secreta a todo custo. Ele é John Constantine: Desempregado, ocultista a soldo, vigarista, beberrão, mulherengo, viciado em adrenalina e encrenqueiro. Eu tenho certeza que todos vocês têm pelo menos um amigo que se encaixa nessa descrição.

O diferencial de Constantine é só um: Ele sabe lidar com magia, o que, ele mesmo admite, qualquer um consegue com um pouco de esforço. Alan Moore diz que certa vez se encontrou com Constantine (O que Moore não diz é o que ele havia consumido antes); este o puxou para um canto e disse, antes de desaparecer nas sombras: “Vou lhe contar o segredo definitivo da magia. Qualquer imbecil pode fazê-la.”. Apesar de tudo isso, John é considerado por muitos como um dos maiores magos da Terra (Rivalizando até mesmo a amiga Zatanna, considerada a pessoa mais poderosa da Liga da Justiça).

Segundo o próprio John Constantine, ele é um “ímã de confusão viciado em adrenalina”, o que explicaria todas as atitudes dele, incluindo vender a alma para os senhores do inferno para ser curado de um câncer de pulmão, enganar repetidamente o Diabo (Que não deve ser confundido com Lúcifer), mijar na cara do rei dos vampiros enquanto este morre torrando ao sol (Viu isso, Stephanie Meyer?), humilhar e se aproveitar de deuses, elementais, criaturas fantásticas, pessoas normais e amigos. A parte mais atraente de Hellblazer, talvez, seja o uso em si da magia.

Círculos com pentagramas inscritos? Velas? Baphomets? Bonecos voodoo, sangue de virgem, bodes pretos, asas de morcego, farofa e cachaça? Rituais realizados à meia-noite durante um eclipse lunar? Nada disso. Em Hellblazer, a magia se apresenta de maneira sutil; na maior parte dos casos, é tão sutil, aplicada, às vezes, de modo tão mundano, que pode-se confundir com mera malandragem. Isto, é claro, se alguém resolver usar magia. Para uma HQ cuja base é a magia, esta é, na melhor das hipóteses, posta em segundo plano. Constantine, quase sempre, resolve os problemas na base do papo e da astúcia, usando um mínimo de magia. Dê a ele um terno branco, um chapéu palheta e fluência em carioquês, e teremos um perfeito malandro da Lapa.

Alan Moore sempre foi bom em criar personagens realistas e com profundidade. John Constantine é o único personagem que eu conheço que lida com magia constantemente e não é chamativo (Zatanna é uma gostosa de cartola e maiô-fraque, Vingador Fantasma parece uma cruza de Batman com Spirit) ou fugido de um circo (Sim, estou olhando para você, Madame Xanadu). Por tudo isso, e por recorrer à inteligência para resolver os problemas da vida, John Constantine merece um lugar entre os melhores personagens de Moore (Mesmo tendo nascido como coadjuvante para o Monstro do Pântano).

Leia mais em: , , , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Marina

    Esse post serviu para me deixar mais arrependida de nao ter comprado as hqs quando foram relançadas no início do ano.

busca

confira

quem?

baconfrito