Supernatural deveria ser mais American Horror Story e menos Doctor Who

Sit.Com quarta-feira, 16 de Janeiro de 2013

Não, não acho que a galera de Supernatural deveria reaproveitar atores para novos personagens, mas acho que ela deveria retirar as “regenerações” que os personagens recebem. Cês sabem do que eu to falando, da maldita falta de desapego que o roteiristas sofrem, não conseguindo dar um fim definitivo a nenhum personagem.

 É nós que voa na imortalidade, bruxão.

Bem verdade que Bobby parece ter ido pra nunca mais, mas e quanto a todos os outros? Tipo o Castiel, pobre Castiel. Já devem ter rolado umas 30 notícias dizendo que Misha Collins deixaria Supernatural definitivamente, mas bastava o chororô de algum fã pra que trouxessem o camarada de volta. O resultado disso? Um personagem foda que se tornou chato. Supernatural é uma série de terror, bem, pelo menos deveria ser, o que tinha que fazer com que ela nos desse medo, nos incomodasse, nos fizesse voltar correndo pra cama quando fossemos ao banheiro de madrugada, deveria pelo menos, nos mostrar algumas cenas que nos incomodasse, assim como American Horror Story: Asylum faz. Mas ao invés disso, sabemos que seja lá qual for o monstro da semana, ele será apenas um caminhoneiro que ou mudará a cor dos olhos ou soltará luz pelas mãos. Tá, caminhoneiros são assustadores, mas um assassino louco vestindo o rosto de outra pessoa é muito mais apavorante e perturbador.

Em Doctor Who, pelo menos durante a vida do 11° Doutor, tivemos um longo problema com mortes de personagens principais. E eu acho que matar um personagem para trazê-lo de volta, apenas porque não souberam seguir a vida sem ele, estraga qualquer personagem. Sim, estou falando do casal Pond, que morreram, voltaram, foram sequestrados, assassinados, devorados, transformados em bonecos plástico e por fim terminaram morrendo de velhice. Sim, os roteiristas chegaram a conclusão de que deveriam renovar as Companions do Doutor, mas não conseguiram se desapegar do Senhor e Senhora Pond, dando a eles um final feliz. Até o próprio Doutor encontrou a morte duas vezes, mas o carisma do ator Matt Smith fez com que os roteiristas dessem um jeito de trazer o Doutor de volta sem precisar de uma regeneração.

 Morreu? É só recriar o Universo.

Eu acho que o caminho que Supernatural deveria seguir deveria ser o de substituição de personagens. Qual é, sabemos que Dean e Sam Winchester vivem uma vida suicida e que é questão de tempo até que eles encontrem a morte definitiva, mas por incrível que pareça, não conseguem se livrar dos irmãozinhos ronca e fuça, o que garantiu o lugar dos dois na reunião anual dos personagens mais chatos de séries de TV, ao lado da Filha de Jack Bauer, Andrea e Buffy Summers. Se a série tivesse mostrado a história dos irmãos até que eles morressem, isso lá pela quinta temporada, e depois continuasse a série com outros atores, outros personagens, talvez até mesmo alguns personagens que interligassem as histórias e uma ótima personagem para isso seria Ellen, a dona do bar de caçadores, mas infelizmente, essa gente não sabe escrever uma boa série de TV.

O que aconteceu e vem acontecendo com Supernatural pode ser chamado de a maior vergonha do mundo das séries atuais. O que é uma pena, pois quando era apenas uma estreante, sem um plot importante, Supernatural prometia entrar para o hall da fama. Infelizmente, tudo se perdeu na 5° temporada. Fala sério, quem realmente se importa quando um personagem morre em Supernatural? Sabemos que ele irá voltar a vida dentro de alguns episódios. Infelizmente, os roteiristas de Supernatural aprenderam a escrever com os roteiristas da Marvel e DC Comics, o que garante sempre um retorno (Nem tão) triunfal para os personagens que gostamos e passamos a odiar. Porra, quem se importa com um personagem que luta com demônios mas não corre risco de morte?

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito