Star Wars VII – O Despertar da Força, do Amor, da Delícia, do Ain Meu Coração

Cinema terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Senhoras e senhores e… Vocês aí, que época maravilhosa para os fãs de Star Wars. QUE ÉPOCA MARAVILHOSA. Durante muito tempo Star Wars andou jogado as moscas, mal tratado, judiado, magoado e ninguém parecia se importar com ele. Tudo culpa daquela trilogia contando a origem do Darth Vader que, tirando o carinha que quase me bateu no cinema durante a exibição do Ataque dos Clones, ninguém se importava. O Despertar da Força é o Star Wars que nós queremos, é o Star Wars que nós merecemos e é o Star Wars que… Peraí que eu vou ali me masturbar. Mas antes quero deixar bem claro que vai ter spoiler nesse texto pelo simples motivo de não quero ter que medir minhas palavras, parça. Então se você ainda não assistiu essa delícia, vai lá e depois você volta aqui. Falou? Valeu! VAI STAR WARS!!!

TEM SPOILER CARALHA!!!

Meus amigos, que filme foda. Eu não sei nem por onde começar. Os novos protagonistas? Os velhos protagonistas? BB-8? A Força? Kylo Ren? Meu Deus, é muito difícil. Parece um pouco de exagero toda essa atenção e adoração a Star Wars, mas pra mim, assim como pra muitos outros, Star Wars foi a porta de entrada para o universo nerd. Digo, eu já conhecia Star Trek antes, já que minha vó amava o Capitão Kirk, mas sinceramente, pra uma criança de 8 anos Star Trek não é muito atrativo, diferente de Star Wars, que tem lasers, alienígemas, naves espaciais e altas explosões. Não querendo entrar na babaquice de dizer que Guerra é melhor que Jornada, eu sinceramente admiro os dois, mas Star Wars tem um lugarzinho especial no meu coração.

Mas a grande verdade é que eu devo a minha carteirinha de fã de Star Wars ao Maurício de Souza. Sim, Maurício de Souza, o pai da Turma da Mônica. Quando eu era um jovem gordinho com 8 anos de idade, li uma história do Astronauta que contava com a participação de vários ícones da ficção científica, como Spock, Flash Gordon e o quarteto principal de Star Wars, além, é claro, do Darth Vader. Eu não sei porque, mas os personagens de Star Wars, mesmo nos traços de Maurício de Souza, despertaram minha atenção, fazendo com que eu fosse atrás de quem eram aqueles personagens. Resposta que eu encontrei facilmente através da minha mãe, que seria uma ótima nerd se não tivesse que trabalhar tanto pra sustentar um gordo filho da puta sozinha. E foi aí que eu aluguei os três filmes da trilogia original e enlouqueci de vez.

Mas deixando a minha origem como fã de Star Wars de lado, vamos ao que interessa, as maravilhas de O Despertar da Força. A começar pelos trailers.

Antes do filme começar e eu ficar todo babaca emocionado, dois trailers que deveriam fazer o cu cair da bunda de qualquer nerd foram exibidos. Batman V Superman – A Origem da Justiça e X-Men – Apocalipse. O primeiro filme, como já disse muitas vezes por aqui, além do nome bosta, teve agora um segundo trailer que desanimou totalmente o gordão aqui. Eu não sou muito chato com descaracterização de personagens, mas aquele Lex Luthor fazendo cosplay de Coringa não me desceu. Não duvido que ele será foda, uma vez que o Coringa é foda, mas… Cês entenderam onde eu quero chegar? Maravilha. O Apocalipse com cara de Tartaruga Ninja também não ajuda muito e pouco me importa se ele vai evoluir e mudar de forma durante o filme, o simples fato de terem entregado o cara na forma de Tartaruga Ninja no trailer já o suficiente pra matar as expectativas de vez.

Quanto ao trailer de X-Men – Apocalipse, puta trailer foda, maneiro pra caralho, altas referências bíblicas e tals, mas é a Fox, caras. E depois de 7 filmes bostas dos mutantes não tem como eu, fã dos X-Men que é espancado mentalmente desde o primeiro filme, criar expectativas praquilo.

E depois desses 2 trailers mais ou menos, o logo de Star Wars explode na tela, a música clássica toca e as lágrimas rolam. Mas muito antes disso, quando na fila pra entrar no cinema ainda, eu já estava emocionado. As pessoas na fila eram emocionantes, idosos, adultos e crianças, todos esperando para ver o mesmo filme. Quando as portas se abriram e as pessoas da sessão anterior saíram, todas com os olhos marejados e completamente empolgadas, foi incrível, caras. Simplesmente incrível.

Eu nunca fiquei tão ansioso para um filme e nunca assisti a um filme que tenha sido aplaudido de pé pelas pessoas. Entendo que aplaudir um filme não faz muito sentido, mas vocês sabem como as pessoas emocionadas são, idiotas e completamente sem razão. Sim, estes somos nós. Mas agora vamos ao filme mesmo. Sério. E por partes.

Os novos protagonistas, o romance, o bromance e o (possível) vacilo

Mano do céu, o que é a Rey? É simplesmente a melhor personagem feminina, não somente de Star Wars, mas da década. Daisy Ridley é sensacional como Rey e tem fortes chances de se tornar a nova Sigourney Weaver. O carisma, a beleza, a força e A Força, desta mulher… Meus amigos, não há personagem melhor nesse ano e provavelmente não existirá até ela voltar no episódio VIII. Mas apesar dela ser a personagem principal e principal destaque do filme, nem só de Daisy Ridley se faz O Despertar da Força. Finn, John Boyega, e Poe Dameron, Oscar Isaac, ganharam meu coração como aquela amiga da minha mãe ganhou ao tirar minha virgindade. Não, peraí…

A grande verdade é que o novo trio de protagonistas é muito mais carismático e divertido do que o trio original. Rey e Finn funcionam perfeitamente juntos, mas pra quem está achando que os dois ficarão juntos romanticamente, eu sinceramente não estou apostando nisso. O Despertar da Força é apenas o primeiro filme da nova trilogia e se observarmos bem como exploraram a relação de Finn com Rey e com Poe Dameron, sendo eles respectivamente seu primeiro amor e seu primeiro amigo, seria um puta desperdício de drama não fazer Rey e Poe, que ainda não se conheceram, terem um relacionamento, frustrando o coitado do Finn. Não que eu esteja torcendo pra isso, mas…

Os antigos protagonistas, a água da mesma fonte e… Mano, não se faz isso com o Ford

E apesar dos novos protagonistas serem espetaculares, é claro que a grande emoção só chega quando vemos os antigos protagonistas. E quando digo antigos protagonistas estou me referindo a Han Solo e Chewie. Eu fiquei um pouco chateado quando vi que as cenas fodas da fuga da Millenium Falcon de Jakku não eram protagonizadas por Han Solo e Chewbbaca, mas sim por Rey e Finn, mas aquilo foi essencial para a trama, principalmente quando percebemos que ela herdará a nave.

O reencontro de Han Solo e Leia também é muito emocionante. Não há um abraço, não há um beijo e mal há palavras de carinho. Mas aquele abraço do Chewie na velha Leia é sensacional. *Chorando Choros* E quando vemos Luke no final… Na verdade ninguém tava ligando pro Luke no final depois do que aconteceu com o Han Solo. Mano, não to sabendo lidar com a morte do Han Solo, mas mais uma vez, ela foi essencial para a consolidação de Kylo Ren como vilão FILHO DA PUTA, desculpa General Leia, e para motivar Rey a seguir seu destino.

Entendo a galera que diz que o filme foi quase um remake de Uma Nova Esperança, mas convenhamos que O Retorno de Jedi também não é lá muito diferente de Uma Nova Esperança e ainda tem os Ewoks. A base Starkiller é como a Estrela da Morte, a morte de Han Solo é como a morte de Obi Wan, Luke é como o Yoda, os carros são como as lanchas, as motos são como os jet-skis e os pedestres são como os banhistas, Rey é o novo Luke, Poe Dameron é o novo Han Solo e Finn… Bem, Finn é um ótimo alívio cômico que todos estamos torcendo para não virar o novo Jar Jar Binks.

¨Gosto de Star Wars porque tem cu pra matar o cara foda e não o cachorro”

O Vilão, o piti e a maldade

Kylo Ren, ou Ben Solo, (Ben Organa, talvez?) é o grande vilão do filme. E é realmente um grande vilão. Está no nível de Darth Vader e por vezes chega a ser mais assustador do que o próprio Vader. Ver o uso da Força, mesmo que do lado negro, ao extremo pela primeira vez em um filme de Star Wars é sensacional. Vejo muitas pessoas não gostando do vilão por causa dos pitis que ele dava quando frustrado, mas é válido lembrar que o Darth Vader também dava piti, só que ao invés de quebrar tudo com o sabre de luz ele saia por aí enforcando lacaios.

Parece que desde Darth Maul, em A Ameaça Fantasma, o pessoal de Star Wars aprendeu a não desperdiçar um bom personagem. A parte em que Kylo Ren fica cara a cara com Han Solo e eles tem uma conversa franca entre pai e filho e todos acham que veremos o final de O Retorno de Jedi e aí XABLAU!!! Mano, não tem como ser mais vilão do que matando o personagem favorito de 95% dos fãs da franquia. Parabéns Star Wars. Parabéns Disney. Parabéns Kylo Ren.

O que nos resta agora é nos emocionarmos toda vez que nos lembramos do filme e teorizar sobre o que vem aí nos episódios VIII e IX, já que aquela visão da Rey parece ter entregado bastante coisa do que vem por aí, como Kylo e os Cavaleiros de Ren encontrando Luke, sem falar das perguntas que ficaram no ar. Quem são os pais de Rey? Espero que não seja Leia e Han e tampouco Luke. O que aconteceu com os outros Jedis que Luke estava treinando? Quem é o Líder Supremo? Por que Capitã Phasma teve tanto destaque na divulgação pra ser descartada tão facilmente? E como caralhas existe gente com sotaque britânico em todo canto da galáxia? Sei que quem assiste Doctor Who tem a resposta, mas enfim. E maldito seja BB-8! Quero que R2-D2 seja o melhor dróide de Star Wars, mas você fica aí cheio de barulhinhos e fofura e gracinhas e… MALDITO SEJA BB-8, EU TE AMO!

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Daniel Teixeira

    “tirando o carinha que quase me bateu no cinema durante a exibição do Ataque dos Clones” – poxa, legal o review e tals, mas dá pra desenvolver essa história?

busca

confira

quem?

baconfrito