Spin-off

Sit.Com terça-feira, 25 de março de 2008

A expressão pode ser estranha, mas quem conhece o universo dos seriados já ouviu ou leu sobre as séries spin-off. Simplesmente são séries que derivam de outras atráves da presença de algum personagem em comum ou do universo/fórmula, sendo ele o mesmo da “série-mãe”. Claro que esta prática vem da preguiça (e questões financeiras) dos produtores e diretores dos canais americanos em tentar – nem sempre com sucesso – “tirar uma casquinha” de uma série que já é sucesso ou algum personagem que se destaque o bastante para gerar uma série somente sua.

O exemplo mais conhecido (e de sucesso) atualmente, é a franquia C.S.I., criada pelo produtor Jerry Bruckheimer, um dos mais poderosos do cinema, responsável por filmes como Bad Boys, Piratas do Caribe, A Rocha, etc. No mundo televisivo, Jerry Bruckheimer, responsável também por séries como Cold Case e Without a Trace, produz a série de maior audiência da tevê americana atual, o C.S.I. Como série de fórmula – investigação de mortes a cada episódio -, resolveu ampliar este conceito modificando somente os ambientes, assim nascia C.S.I. Miami e C.S.I. New York (atualmente, todas exibidas pelo canal AXN, e as duas primeiras na Record).

csi.jpgAinda reina soberana na audiência americana

Na mesma linha de CSI, o produtor Dick Wolf criou a maior franquia da história de tevê americana, a série Lei e Ordem (já em sua 17ª temporada); a série jurídica que mostra investigações e, em seguida, os julgamentos, rendeu diversas outras séries, duas ainda no ar: L&O – Unidade de Vítimas Especiais, a melhor delas pelos melhores personagens e os difíceis temas envolvendo crimes sexuais; L&O – Criminal Intent, mais séria e sóbria, dedica mais parte do programa para ilustrar o lado dos criminosos no crime, porém, também apresenta um excelente personagem, detetive Robert Goren, vivido obsessivamente por Vicent D’Onofrio.

Nesta última temporada, somente uma série spin-off estreou, Private Practice, derivada do sucesso Grey’s Anatomy. Aqui em comum, a personagem Dra. Addison (a belíssima Kate Walsh), porém, a série se comparada com a novelinha Grey’s Anatomy fica devendo. Os personagens, em sua maioria médicos, interagem numa clínica meio estranha e tudo envolve paixões e sexo, parecem recém-saídos do colégio, mas os casos clínicos funcionam em alguns episódios. A série deve retornar somente em setembro para sua segunda temporada, espero que melhor equilibrada entre comédia e drama. Antes disso, a Dra. Addison volta a participar de um episódio de Grey’s na retomada pós-greve em abril ou maio.

No ar estão ainda as seguintes séries spin-off: NCIS, derivada de Jag, somente se trocou a aeronáutica pela marinha americana. Exibida antigamente no Universal Channel, esta série alcançou neste seu quinto ano um feito e tanto: uma audiência perto da casa dos 20 milhões (sem justificativas maiores, até porque a série é muito similar a franquia CSI), ficando, normalmente, entre as dez séries mais vistas pelo público americano (aqui está perdida sexta á noite do canal AXN); Boston Legal aka Justiça sem Limites (na Fox), derivada de O Desafio, em comum, o figuraça Alan Shore (papel sob medida para James Spader), mas quem rouba mesmo as cenas é William Shatner (sim, o capitão Kirk, hilário como Denny Crane, advogado sem noção). Ainda no ar, Ashes to Ashes, derivada de série inglesa Life on Mars, exibida recentemente na HBO e Stargate Atlantis, derivada Stargate SG-1, série sci-fi da tevê a cabo americana.

ncis.jpgEstrondoso sucesso atual

Se alguns de vocês possuir memória deve lembrar que os spin-off não são moda de hoje, algumas temporadas atrás houve The Lone Gummen, derivado de Arquivo X com os Cavaleiros Solitários, personagens geniais, mas que não funcionaram sozinhos. O canal americano Fox, também, não facilitou com o rápido cancelamento da série. Outros fracassos foram Time of your Life derivado de Party of Five, com a personagem de Jennifer Love Hewitt, atualmente em Ghost Whisperer, largando o namorado e indo viver na cidade grande; e a maior de todas decepções, Joey derivada de… vocês sabem. Matt LeBlanc prova que o sucesso de Friends devia, principalmente, á química dos personagens e a roteiros inteligentes, dois fatores que com certeza faltaram em Joey.

Desta leva mais antiga talvez a exceção tenha sido Angel, derivada do universo fantástico de Buffy, a caça-vampiros. Angel – o personagem – depois da segunda temporada de Buffy, deixa a caça-vampiros e Sunnydale e parte para Los Angeles, trabalhando como investigador particular. Segue com ele os personagens Cordelia e Wesley, que também participaram de Buffy. A série, apesar de nunca estourar em audiência, teve cinco temporadas.

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • 95% dos spin-off são uma bela porcaria, os outros 5% são melhores que as séries que os originou. Esse seria um belo resumo pro post.

  • Você esqueceu do, provavelmente, mais famoso de todos: Frasier, spin-off de Cheers.

busca

confira

quem?

baconfrito