Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band – um ano na vida dos Beatles e amigos (Clinton Heylin)

Livros quarta-feira, 11 de julho de 2012

Um livro que se propoe a falar sobre o ano [Na verdade o livro vai de maio de 1966 até dezembro de 1967, e o finzinho fala dos 40 anos seguintes] em que foi gravada a obra-prima [Em itálico pra dar aquele tom irônico necessário] Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band parecia bem enfadonho pra mim, já que eu não sou baba ovo dos Beatles. Mas adivinha só: O livro é bom, justamente por não falar só de Beatles, e por não ser tão puxa-saco do quarteto de Liverpool quanto eu pensava.

Mais da metade do livro trata de contextualizar [Ao menos musicalmente] a cena do pop rock, falando sobre discos, shows e outras atuações mais ou menos relevantes pro álbum dos rapazaes de Liverpool, feitas por monstros como Bob Dylan, The Who, Rolling Stones, The Kinks, Jefferson Airplane, Pink Floyd, Cream, The Jimi Hendrix Experience, Traffic, The Byrds, Yardbirds e os principais concorrentes dos besouros [Segundo o autor]: The Beach Boys. Sem contar vários outros.

É divertido ver, num livro que teoricamente é só sobre Beatles, histórias das relações [Mesmo que mínimas] entre eles e as bandas citadas, além de várias outras. Temos o tráfico de drogas do Dylan pro Paul McCartney e pro John Lennon, além da clássica invertida que ele deu no Paul após ouvir parte do trabalho do Sgt. Pepper’s. Temos também um breve resumo da insanidade do Brian Wilson em tentar superar o Revolver dos Beatles com o álbum que nunca existiu, Smile [Tá, o álbum até foi lançado, mas nunca foi a obra-prima prometida]. Megalomania pura. Sem contar o modo como Clinton Heylin [Ótimo biógrafo] conta o início da carreira do Pink Floyd, e demonstra sua opinião sobre como The Piper at the Gates of Dawn é um álbum superior à qualquer outra coisa que a banda tenha produzido [Coisa que dá margem pra muita discussão por si só].

Mas a melhor coisa de ler esse volume relativamente curto [Se você tiver um dia inteiro disponível e não for uma mula, dá pra terminar] é a desconstrução que Clinton faz da mística do Sgt. Pepper’s, de que seria um álbum conceitual, de que todas as músicas são interligadas e o caralho a quatro, sem contar as gambiarras feitas pelos engenheiros de som a pedido de Lennon e McCartney [Que descobriram que podiam tomar as rédeas], já que enquanto nos estúdios mais modernos já haviam oito canais de som pra você brincar, no estúdio de Abbey Road o equipamento só tinha quatro canais, o que limitava bastante a criatividade da criançada, já que três canais eram usados pro grosso [Vocais, guitarras, baixo e bateria], e o último foi atulhado de coisas como cítaras, sinos, barulhos diversos e todo tipo de tralha sonora que John e Paul conseguiram imaginar.

O cara foi a fundo na pesquisa, mostrando que alhos não são bugalhos e as músicas não são interligadas porra nenhuma, a única ligação que elas tem é serem do mesmo álbum. Cada composição tendo sido feita de maneira independente demonstra o poder midiático dos fanboys, já que a gravadora alegou essa continuidade, e boa parte da mídia de época, deslumbrada com tudo que vinha do Fab Four, comprou sem nem pestanejar. Outra coisa relevante é a disputa John/Paul, que apesar de ser positiva na questão criativa, alijava os outros dois membros do processo [O George Harrison nem tanto, já que tem uma composiçãozinha dele na bagaça, mas o Ringo Starr, coitado, não tinha nem chance]. Ele também compila críticas mais incisivas ao álbum, ao invés de juntar só a parte que abanava o rabinho pra banda. Coisas realistas, que mostram que a crítica musical da época não estava completamente morta [Ao contrário dos tempos atuais, onde não existe uma crítica de verdade. Pelo menos ao meu ver]. Dentre muitas outras coisas que eu não lembro, porque li o livro faz algum tempo e tenho uma memória de paca.

Mas, em resumo, o livro é ótimo. Pode não ser tão bom pra você, que lambe o chão por onde passou a prima da cunhada do vizinho do porteiro do prédio onde morou o primo em terceiro grau do engenheiro de som substituto do estúdio de Abbey Road na época que os Beatles gravavam. Agora, se você gosta de música, vai se divertir e aprender pra caralho.

Sgt Pepper´s Lonely Hearts Club Band – um ano na vida dos Beatles e amigos


The Act You’ve Known For All These Years: A Year In The Life of Sgt Pepper & Friends
Ano de Edição: 2012
Autor: Clinton Heylin
Número de Páginas: 256
Editora: Conrad

Leia mais em: ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito