Review – There Is Nothing Left to Lose (Foo Fighters)

Música quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Foo Fighters

Os caras do Foo Fighters estavam (e estão) muito, mas MUITO longe de parar. Com a formação definida, There Is Nothing Left to Lose é o terceiro álbum da banda.

Stacked Actors abre o álbum da melhor maneira possível: Som putamente EMPOLGANTE. Lembra do som que te chama pra porrada? Esqueça de todos, esse esclarece tudo que eu disse até então. Você pode perder a vida antes que a faixa acabe, o que seria uma pena, afinal, você perderia outra sonzeira: Breakout. O som está na trilha sonora do filme Eu, eu Mesmo e Irene, uma comédia sensacional com o Jim Carrey. Se você sobreviveu com o primeiro som, vai ficar rouco com esse. Sem dúvidas, essas duas faixas são as melhores do álbum.

Learn To Fly é uma das músicas mais chatas do Foo Fighters, e uma das mais conhecidas também. E não sou só eu quem não gosta dessa música, o próprio Dave Grohl não gosta dela. Então, quem sou eu pra dizer o contrário? Mesmo assim, me empolgo com ela, é incrível. Gimme Stitches é um dos sons mais divertidos do álbum, que segue uma linha diferente do álbum anterior da banda. Ou seja: eles definiram o estilo, e agora já estão começando a inovar. Isso é legal, mas só quando a banda continua a mesma – o que acontece com o Foo Fighters, uma das pouquíssimas bandas que seguem o mesmo estilo desde o começo. É foda ver uma banda do mainstream assim.

Generator é uma baladinha bacana, assim como a maioria das baladas da banda. Enfim, a maioria das músicas da banda são baladinhas, mas quem liga ou se lembra disso quando Dave Grohl é o “frontman” da banda? Não dá pra levar o cara a sério. Aurora, outra baladinha, dessa vez mais melosa. O ritmo do álbum começa a cair nessa parte, eles deixaram toda a empolgação pro começo. Mas nem por isso o álbum ficou uma merda, só ficou mais calmo. E outra, você ficou rouco na segunda música, devia agradecer. Aí vem Live-In Skin pra dar uma animadinha, mas não vá se empolgando. Ou não vá se empolgando muito. Enfim, é o tipo de música “padrão” da banda. Ou seja, é BOA. Então tá, pode se empolgar.

Next Year, pra mim, é uma das melhores baladinhas da banda, pelo menos musicalmente falando. Eu sempre gosto da interação do baixo com a bateria, e esse som segue esse estilo, o que quebra toda a monotonia que uma baladinha causa. Headwires já é mais calma, com um refrão mais empolgante. O gozado é que, antes de começar a resenhar os álbuns, eu considerava este o álbum mais chato da banda. Em termos, ele se torna chato pela sequência de baladinhas, mas agora eu estou tendo uma visão diferente dele.

Ain’t It The Life, sinceramente, é uma música deveras chatinha e até um pouco repetitiva, o que prova que nem Dave Grohl é perfeito. M.I.A, então, fecha o álbum, deixando mais uma vez aquele gostinho de “quero mais”, por mais idiota que isso pareça. É aquela coisa, eu não sou muito fã de baladinhas, e provavelmente quem não gosta vai achar o álbum chato. Porém, como fã de Foo Fighters, eu gostei do álbum. Orra, me empolgo até com a música que eu considero a mais chata.

thereisnothinglefttolose.jpg
There Is Nothing Left to Lose – Foo Fighters
1. Stacked Actors
2. Breakout
3. Learn To Fly
4. Gimme Stitches
5. Generator
6. Aurora
7. Live-In Skin
8. Next Year
9. Headwires
10. Ain’t It The Life
11. M.I.A

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito