Resenha – Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado

Cinema sábado, 19 de janeiro de 2008

Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado é parte de um projeto da Marvel que pretende inserir novos personagens nas franquias já utilizadas e estudar a reação do público, projetando lucros futuros e suicídios coletivos de fãs puristas. Enveredando mais para as situações cômicas do que necessariamente pra porrada, o filme por vezes perde o foco simplesmente pra fazer mais uma gracinha (se continuar assim, é bem provável que ele siga os passos de Joel Schumacher em Batman Forever e coloque mamilos fantásticos nos uniformes).

Se bem que nesse filme tem a Jessica Alb… Ok, vamos a trama.

Estamos alguns anos a frente do último filme. O Quarteto é uma espécie de RBD e as pessoas atiram calcinhas por onde eles andam, principalmente agora que o casamento de Reed e Sue é capa de todos os jornais e revistas de Nova York.
Ao mesmo tempo uma estranha bagaça cósmica anda apagando os televisores bem na hora da novela, coisa que deixa o exército americano intrigado e faz com que eles peçam ajuda pro Sr. Fantástico, uma vez que a última remessa de dinheiro pra pesquisas da NASA tinha sido utilizada pra fazer um robô ouvir Íguas de Março em Marte.

ff2banner.jpg
Round One. FIGHT!

A propósito, a bagaça cósmica é o Surfista Prateado, arauto do devorador de mundos Galactus, que vem pra dizer seu chefe quer construir uma rodovia espacial e a Terra está no caminho está com fome e quer o planeta com fritas e uma Coca pra viagem. Como desgraça pouca é bobagem, não bastasse um bicho gigante que come mundos, um surfista com cérebro (!!!) e um general fulo da vida porque perdeu o episódio de 24 Horas, o cara de lata Dr. Destino também aparece, mas só pra encher lingüiça.

Se por um lado o roteiro consegue impor um ritmo dinâmico e ainda amarrar boa parte das questões levantadas ao longo da trama, as atuações pouco inspiradas e as piadinhas quase jogam tudo pelo ralo. Sue Storm nunca foi retratada como uma universitária sonsa e de todas as escolhas equivocadas na história recente da Marvel no cinema (exceto talvez por Jennifer Garner como Elektra) Julian McMahon é o Dr. Destino mais fraco e canastrão que poderia existir.

O roteiro competente e a utilização de personagens que há muito os fãs queriam ver nas telonas, minimizam as falhas dessa seqüência de uma maneira que você não precisa dizer “se eu não tivesse baixado esse filme ilegalmente eu pediria meu dinheiro de volta”, mas está um tanto longe de ser algo digno de ser lembrado nas transições de histórias em quadrinhos para o cinema.

quarteto3.jpg
Tell the teacher we’re surfin’. Surfin’ USA

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito