Resenha – P2 – Sem Saída

Cinema domingo, 13 de janeiro de 2008

Legítimo filme de gênero, no caso, gato-e-rato, um segurança psicótico persegue uma executiva fazendo hora extra na noite do Natal pelo estacionamento do prédio, já abandonado pelo dia e horário, onde trabalha. A executiva seria o clássico “mulher frágil”, no entanto, com direito a um generoso decote e um vestido branco encharcado para animar a platéia masculina e disfarçar o fiapo de idéias do parco roteiro.

p2

Contando com um elenco reduzido, somente os dois atores centrais têm função na trama: Rachel Nichols (a suposta mocinha), pouco conhecida, participou da última temporada de Alias, e Wes Bentley (o lunático perseguidor), mais um jovem ator a ingressar na série “Tá na Hora de Trocar de Agente”, pois depois despontar com o sucesso Beleza Americana, o jovem ator somente se jogou em projetos fracos como Honra & Coragem e Motoqueiro Fantasma.

odecoteo citado decote

O curioso de P2, referência á garagem do prédio, é que a personagem Ângela (Nichols) é muito mais inteligente e perspicaz que o seu suposto perseguidor Thomas (Bentley), tanto que chega um momento em que torcermos para o Coiote (Thomas) ganhar em algum momento do Papa Léguas (Ângela), mas não acontece. No ato final, Alexander Aja (diretor dos dois melhores representantes do terror nos últimos anos, Alta Tensão e Viagem Maldita), um dos responsáveis pelo roteiro e pela produção, encontra espaço para adicionar seu famoso estilo gore (sangue e vísceras), porém, aqui, sem nenhum impacto, além de algum riso, pois o filme na realidade não tem uma trama consistente a contar.

outroangulooutro ângulo do decote

Mesmo assim, confesso que me diverti, portanto, se não se importarem com as bobagens da história, podem curtir a correria de Ângela junto ao seu decote.

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito