Resenha – Hannibal – A Origem do Mal

Cinema sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Quem não é fã de Anthony Hopkins pelos filmes O Silêncio dos Inocentes, Hannibal e Dragão Vermelho? Você? Você não entende NADA de canibalismo. Pois bem, dessa vez, Anthony Hopkins está… fora. Agora é hora de saber como tudo começou. Com Gaspard Ulliel (Paris, Eu Te Amo – GAH!), Gong Li (Miami Vice) e Dominic West (300), elenco levemente desconhecido, eis a crítica do segundo melhor filme da saga de Hannibal Lecter.

hannibalorigemdomal1.jpgSe não fosse aquela coisa horrível no canto esquerdo do rosto do cara, essa foto seria extremamente gay.

Hannibal Lecter (Gaspard Ulliel) mora com sua família no Leste da Europa e, no fim da Segunda Guerra Mundial, o cara assiste sua familia sendo morta no meio de uma troca de tiros entre russos e nazistas. Só sobra ele e sua irmã Mischa (Helena Lia Tachovska), numa mansão no meio do nada. É quando uns simpatizantes nazistas invadem a casa e, na falta de comida, fazem uma feijoada de Mischa sem Hannibal saber. Ela estava doente, ia morrer, mesmo.

Obrigado a morar em um orfanato soviético por não ter com quem morar, Lecter cresceu fazendo voto de silêncio, se passando por mudo e arranjando problema com os inspetores ou sei-lá-o-quês do lugar. Com o passar do tempo, o cara pretende fugir para encontrar seu tio que mora em Paris e, ao chegar lá, se depara com sua possível tia, Murasaki Shikibu (Gong Li). Ele acaba voltando a falar, e recebe um ótimo tratamento da japa, que deixa no ar um cheiro de segundas intenções.

hannibalorigemdomal2.jpgMas nem tanto.

É ela quem ensina Hannibal algumas artes Samurai, ainda mais sabendo que o cara tá com sede de vingança pela irmã. Lecter entra pra uma faculdade de medicina e, antes disso, tem sua primeira experiência como assassino: [SPOILER] Decepa um cara que mexe com sua tia, perguntando-a se sua xoxota era atravessada (o velho mito de que a vagina das orientais são na horizontal, se é que você sabe como é uma vagina). E ainda leva a cabeça do cara á ela. Sensacional. [/SPOILER]

Tá, posso ter estragado um trecho do filme contando quase que exatamente como ele é, mas não esquenta: Isso é só a cabecinha. Mais pra frente, o cara começa a correr atrás de todos os putos que estavam na mansão naquele dia. Como? Sabe aquelas correntes que os soldados carregam com uma placa contendo seu nome completo e sei lá mais o quê? Pois é, Hannibal havia encontrado essas plaquinhas. E estava com fome.

hannibalorigemdomal3.jpgPique-nique.

Não me lembro ao certo se eram quatro ou cinco caras, mas Hannibal mostra que é um gênio e não está pra brincadeira. A polícia já está na cola dele desde o primeiro assassinato, e a coisa só vai piorar. Vibrante, cara, dá vontade de pegar uma faca e sair arrancando bochechas por aí pra fazer um hambúrguer. Como eu disse, o segundo melhor filme da série, mesmo sem Anthony Hopkins. Mas espero que o cara volte logo, antes de… morrer. Afinal, ele é o Hannibal que conhecemos. Mas Gaspard Ulliel fez um excelente trabalho e merece um ou mais dois filmes, quem sabe.

Alguns fãs ficaram putos ao saber que Hannibal é o que é por pura… vingança. Hannibal, um vingador? Eu discordo, e achei do cacete, além de discordar que tenha sido Só vingança. Vou colar aqui um trecho de um post de meu antigo blog, o Agorafobia, que pode ser visto aqui. Contém spoilers:

Há uma certa parada psicológica nisso. Por exemplo, é fato que muitas das pessoas que sofrem um abuso sexual quando crianças, fazem o mesmo quando crescem. É um distúrbio emocional, sei lá, o puto fica traumatizado e faz igual. Foi isso que aconteceu com o Hannibal – ele viu sua irmã virando jantar pra um grupinho de simpatizantes nazistas após ver seus pais morrerem no meio de uma troca de tiros entre russos e nazistas. Já é o bastante pra crescer traumatizado, acho, tanto que ele não dizia uma palavra quando esteve no orfanato, e ainda tinha umas atitudes nada comportadas, como dar garfadas em um dos caras que cuidavam da geral.

Acho que já é o bastante pra tirar essa de vingador. Claro, ele ficou puto e correu atrás dos caras que fizeram uma dobradinha com as tripas da irmã dele, é só o começo pra um futuro psicopata. Aí vem o papo do samurai. Bom, eu diria que aquilo foi uma puta influência pra ele. Aprender os pontos certos pra se fatiar alguém é tudo que um canibal precisa, e ter uma tia gostosa pra te ensinar isso também é. Tanto que ele só usa uma cabeça como troféu, e ainda pra levar pra tia. Aí ele já se envolve com a polícia e mais tarde entra pra faculdade, aí já vai ficando esperto com todos os cortes pra um bom banquete canibal. Mas ele só usaria essa experiência futuramente, agora é hora de aproveitar uns espetinhos de bochecha. Acho que seria cobrar demais querer um Anthony Hopkins logo no começo, né? Po, até o 007 levou um côro no começo.

Enfim, acho que só basta ver o filme mais uma, duas ou vinte e três vezes pra entender isso. Eu achei um filme á altura dos outros, mas é fato que o Hannibal não é o mesmo por dois motivos: Era apenas o começo, e nos outros filmes ele já está velho. Vejam o Faustão, por exemplo. Ele não é o mesmo. Agora é só esperar por mais livros do Thomas Harris, que foi esperto pra caraleo e agora poderá escrever sobre as mudanças que o Hannibal sofreu até se firmar como um psicopata de primeira, se ele pegou alguma cocota e quem ele mandou pro bucho até chegar no Dragão Vermelho.

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Ninhaaa

    aaaaaaaaaaaahhhhh eu adorei esse filme!
    e acho o hannibal um gatinho…
    sua resenha foi muito boa!

    :p

  • vanderleia

    Ameiii esse filme!!!
    Uns dos melhores que já assisti!!!Muitoo bom..Bom claro que o Hannibal é muitoo gatoo!!!
    Beijos^^

  • Paula

    Amei o filmeee.
    Esse Hannibal é mto gostoso.

busca

confira

quem?

baconfrito