Resenha – A Bússola de Ouro (2)

Cinema terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Pôster

Eu vi Nárnia. Só por isso vocês já sentem qual era a apreensão em ver esse filme. Um alívio para vocês: A Bússola de Ouro (Dourada, porra! Pra que mudar o nome agora?) é melhor. Mas nem tanto. Pronto, podem assistir. O filme tem bons atores e uma trama interessante, mas não de todo. Vamos aos fatos: O livro é um tratado ateísta contra política e religião, usando metáforas para ligar aquele mundo ao nosso e á nossa realidade. Não que certas coisas não fiquem descaradas, por isso a censura. Censura? Mas quê censura, Black? Pra quem não sabe, a igreja tentou várias vezes persuadir as pessoas á não ver o filme, assim como fez com O Código Da Vinci. Deu pra perceber que não deu certo. O problema que isso afetou a história do filme, tirando quase todas as menções á religião. Pois é, síndrome de Harry Potter é contagiosa! Francamente? Podem esperar certas situações infantis no filme que também poderiam ser retiradas.

Nicole
A gata é quente, mas a personagem é fria

Vamos á sinopse: Existem vários mundos além do nosso. Alguns são similares, outros extremamente diferentes. Nesse específico, todas as pessoas têm a alma forma do corpo, em forma de animais chamados de dimons (Lê-se dimons mesmo, sabe? Como demônios em inglês). Se você morre, seu dimon some. Se seu dimon é afetado, você também sente. Simples. Só que a ligação de todos com os dimons funciona por causa de uma substância chamada pó (Não, não é aquele que você compra ali no morro), negada pelo governo e admirada por muitos por sua “magia”. O Lorde Asriel é um desses que admiram e estudam o trambolho, e por isso ele está com a cabeça a prêmio, mesmo que na surdina.

Paralelamente, sua sobrinha, Lyra se mete em três confusões: Ela quer ir ao Pólo Norte, para encontrar esse pó, tem que descobrir o que aconteceu com as crianças desaparecidas e sobreviver á um grupo que a persegue por ela possuir a Bússola de Ouro do título. Confuso? Muita gente achou.

Bússola de Ouro
ó aí a criança brincando com o perigo

Na realidade, esse é um dos problemas do filme. O maior deles. Muitas tramas aleatórias não fazem a cabeça de crianças e o filme tem uma aura muito de criança pros adultos verem E gostarem. Veja bem, quando alguém morre, você não vê sangue e sim o dimon sumindo. E só!!! Novamente comparo a Nárnia. O filme é bom, mas nem tanto. Aliás, a relação da garotinha com o Urso Polar me deu um dejá vu desgraçado que eu quase saí da sala do cinema. Faz favor, poderiam ter tirado o melodrama.
Tecnicamente não dá pra xingar um filme que emula um urso polar a ponto de você ver cada um dos pêlos dele. O som também é fantástico. Eles não cometem o erro de usar uma música feliz em momentos em que você deveria chorar (Se você fosse mulher ou criança).

Nárnia
Momento Nárnia

Agora, quanto aos personagens… Tirando a Lyra, que é protagonista, muitos dos coadjuvantes são somente isso mesmo, mal dando pra se apegar a eles nos seus dez minutos de tela. O filme corre muito rápido e isso incomoda quando chega ao final aberto para quem não esperava o fim. É porque ele é uma trilogia e quiseram tirar um pedaço do final para usar no próximo, sabe? Que nem Senhor dos Anéis. Não funcionou e o público odiou. Esperem por A Luneta Âmbar sentados, crianças.

Urso Polar
PORRADA!!!

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito