Quer reset? Perdeu preibói.

Nerd-O-Matic quinta-feira, 29 de maio de 2008

Então lembram da coluna que eu fiz sobre o jogo mais depressivo do mundo?

Pois é, vou fazer isso de novo. Novamente trazer á atenção de vocês um joguinho desses que mexe com algo dentro da gente, além da diversão instantânea e fugaz. Quer dizer, talvez não mexa com vários de vocês, que são toscos pra cacete e não conseguem ver jogos como um veículo de outra coisa que não seja gratificação imediata.

Mas tô falando demais. O que você precisa fazer antes de continuar lendo isso aqui é baixar o jogo e jogar pelo menos duas vezes. Sério joga, duas vezes, ok? Depois continua lendo. O jogo é bem rápido, não tem fase nem nada, então faça o favor a você mesmo de experimentar algo diferente. Baixa aí no seu desktop e roda o jogo Execution.

 Só coloquei essa figura aqui pra te convencer a JOGAR antes de LER O RESTO dessa coluna

E aí? Que achou? Vou falar da MINHA experiência com o jogo, vamos por partes.

A primeira coisa é que o jogo se chama “Execution” então isso já me deixou na expectativa pra um jogo de execução, chacina ou enforcamento em praça pública. Beleza. Entra no jogo e aparece aquele disclaimer “Suas ações têm conseqüências”. Ololco, sério? “Beleza” pensei de novo, “o joguim tem pegadinha, gostei, vamos ver o que rola.”

Aí comecei o jogo e abre a tela com o carinha amarrado no pau. Bom, tá na cara que esse é o carinha a ser executado né? óbvio demais, é a pegadinha do jogo, claro. Aí aquela mira enorme na tela, PEDINDO pra eu atirar em alguma coisa. Isso foi bem interessante aliás. Fiquei pensando em como eu fui treinado ao longo de anos de Medal of Honor, Rainbow Six e Call of Duty pra automaticamente sair passando GERAL em qualquer jogo que contenha uma mira na tela. Eu realmente só me segurei pra não atirar no carinha porque eu SABIA que era isso que não podia fazer.

Isso foi interessante, a agonia de ficar lutando contra o instinto gamer, lapidado em anos de FPS, e não atirar no motherfucker. Passando essa agonia inicial, pensei “se não posso matar o desgraçado, vou fazer o quê aqui?”. Aí saí passeando pela tela, procurando outras coisas pra matar ou pelo menos atirar, já que era evidente que eu só tinha duas formas de interação com o jogo: movimentar o campo visual e dar tiros.

Olhei de um lado e de outro, a única coisa que se mexia eram os matos que passavam rolando pela tela. Atirei neles claro, eram um alvo móvel. Por um breve momento pensei “mata o nazista, MATA O NAZISTA FDP!!”, mas não foi tão satisfatório como Medal of Honor. E o arbusto não sangrava e tals. Aí atirei no muro, procurando alguma coisa “secreta” a ser atingida. Nada. Nada de diferente em lugar nenhum. Voltei a atenção pro motherfucker no pau.

Aí de novo pensando “não posso matar o carinha, o que caralhos vou fazer aqui?”. “Vou tentar libertar ele com tiros”. RÍ, mas que óTIMA idéia completamente retardada. Atirei no pau (o pau em que ele estava amarrado) e nada, tentei atirar de raspão, nas cordas que amarravam ele e nada. Aliás fazer esse tipo de coisa foi o atestado do início do desespero com o jogo, do tipo “caralho velho, o que vou fazer agora pra não matar o infeliz?”. Porque, na boa, esperar que um joguinho de 2 megas tenha um reconhecimento de cenário tão avançado e milimétrico é coisa de desesperado mesmo. Não tinha nem pixel suficiente no jogo pra separar a corda do corpo do carinha.

Bom, a essa altura, como vocês podem adivinhar, eu já estava entregando os pontos. Com uns… dois minutos de jogo eu já não sabia mais o que fazer. Isso foi bem interessante; um jogador hardcore e experimentado como eu sem saber o que fazer num joguinho de uma tela só. Impressionante. Aqui foi quando eu fiquei pensando em como nós realmente ficamos bitolados pelos tipos de jogos que preferimos, e como tendemos a jogar quase sempre as mesmas coisas. Quando aparece um jogo que contraria o script que costumamos esperar de um jogo – por exemplo, um jogo onde você tem uma mira mas não pode atirar no alvo – a gente fica sem saber o que fazer.

Bom, o momento de auge chega e eu vou lá, miro no meio dos olhos do condenado e HEADSHOT MOTHERFUCKER! YESSS! DIE YOU FUCKING MOTHERFUCKER FILHO DE MIL CADELAS!!11

Eu confesso que foi libertador dar o tiro de misericórdia. Foi misericórdia por mim, na real, porque eu já não tinha mais o que fazer ali. Matar o magrão era realmente a única coisa a ser feita.

Aí matei né. O cara sangra, baixa a cabeça e YOU LOSE pra mim. Saco, lógico que perdi, eu sabia disso desde o começo. Eu não podia executar o cara. Foi bem frustrante, no fim das contas; perder sabendo que eu ia perder. Perder sabendo o que eu não podia fazer pra perder. Foda, foda.

Ok, engoli a frustração, voltei pro desktop do windows e fiz a única coisa que qualquer jogador que se preza faria: tentar de novo. Clica duas vezes no arquivinho e tal. Aí abre a mesma tela “suas ações têm conseqüências” com a mensagem MAIS MOTHERFUKCER de todos os tempos:

“Agora é tarde demais”

OLOLCO. Apertei espaço, sem acreditar, e tava lá o carinha ainda morto. Espetacular.

Bom, eu espero que vocês tenham se surpreendido tanto quanto eu com esse momento. Pra mim foi excepcional passar pela experiência de um jogo onde você não pode começar de novo, onde não dá pra voltar atrás e onde você experimenta de verdade as conseqüências de suas ações. Em “Execution” não existe “começar de novo”, é uma chance só de fazer o que é certo. E o certo é se recusar a atirar no carinha e simplesmente sair do jogo. Não fez isso? Não resistiu a atirar? Então você se fodeu exatamente como eu me fodi. LOSER!

Não sei vocês, mas eu gosto muito de ver esses experimentos gamísticos que contrariam o que a gente espera ver em um jogo. Eu queria muito que esse tipo de lógica “suas ações têm consequências” fosse implementada nos jogos “de verdade”, embora eu não consiga imaginar como seria. Afinal, isso é tarefa dos desenvolvedores.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Muito interessante ver como você tirou tanta filosofia de um arquivo de 2MB… Eu não consigo fazer isso. Simplesmente mato o infeliz…

    o/

  • Marco

    O jogo é interessante como um experimento talvez. Mas não chega a passar um décimo do que Passage passa.

    Outro problema é que ficou muito claro o que iria acontecer, e é ainda mais não jogo que Passage.

  • Cara, muito foda esse jogo.

    Essa idéia de ação/reação a muito eu espero ver nos “jogos convencionais”, principalmente em RPG. Na verdade já vi pontas disso, como aquele item que só pode ser pego em dada circunstância e em dado momento e que depois não pode ser mais pego, mas para algo mais complexo ainda falta muito. Só que sinceramente, acho que não fazem um tipo de jogo assim por dois motivos:

    – Hoje se preza muito os gráficos e o resto que se fodas;

    – A maioria não iria gostar porque seria dificil, conseqüentemente não venderia muito;

    Mas claro que pra tudo há excessão, e existem empresas que muitas vezes se superam. É esperar pra ver.

  • atillah

    @ Homem Aleatório

    Quando você joga DEMAIS, é normal começar a filosofar sobre a atividade. Hardcore gamer way of life.

    @ Marco

    Eu também fico na dúvida sobre se “é um jogo ou não”, cara. Mas acho que essa discussão é secundária. O ponto principal é experimentar novas coisas na forma de jogos eletrônicos. E refletir sobre as formas existentes e consolidadas de jogos.

    @ Tchulanguero

    Perfeito cara. Já vi “pontas” disso também em jogos onde as decisões morais do jogador – escolher fazer algo certo ou errado – têm consequências sobre o resto do jogo. Mas não da forma como acontece aqui no Execution, porque nestes jogos você sempre pode pegar o último save e voltar atrás.

    Execution quebra essa linha entre “jogo” e “realidade”, porque é como na vida real: se tu faz algo de que se arrepende, não dá pra dar reset e recomeçar do último save. Execution é um jogo MUITO simples, quase bobo. Quase um não-jogo. Mas mesmo assim carrega um conceito poderoso.

  • @atillah

    Realmente eu havia me esquecido dessa parada do save. Mas em alguns jogos isso é contornado. Em Worms Armagedom de PC por exemplo, o save é automático, se você largar uma partida no meio por exemplo sua derrota é registrada automaticamente. Claro que isso é burlável, mas acho que a “solução” viria de algo assim.

    “Um jogo onde toda ação tem reação e não há saves para voltar”

  • Tentei rodar aqui no trampo e…

    Failed to initiliaze Direct3D. Old graphics cards do not support this. Also make sure version 8.0 or later of DirectX is installed on you machine.

    Máquina jurássica miserável.

    Baixar a parada e volto em instantes.

  • Porra, cabei de jogar.

    O carinha tá lá morto ainda… Tô triste. =(

  • Friederichs

    Bem a idéia realmente é interessante, mas pensar em um jogo que tenho pelo menos 7 horas de duração seria mais que frustrante.

    Imagine, você passou alguns dias jogando que nem uma besta , para quando se chega perto do final… você caga e tem que COMEÇAR TUDO DENOVO!!! Nem a pal. Quero ver a pessoa que gosta de ficar fazendo tudo de novo….

  • Mateus

    Dá pra ganhar o jogo…se você não matar o infeliz.

  • joao

    puts,eu tambem,fiquei um bom tempo so esperando e nada…..ai acabei matando o carinha :( realmente e um jogo frustante,mais e uma boa esperiencia.

  • Lembrei de outro jogo.

    @atillah
    Cê já jogou Monster Rancher, do PS1? É, aquele do desenho-cópia do Pokémon.

    Conheci o game bem antes do desenho e joguei porque, além de ser pivete na época, o jogo tinha coisas interessantes, como o modo de criar os monstros. Bastava inserir qualquer tipo de CD no console que de “dentro” dele aparecia algum monstro diferente. Até hoje não entendo como funcionava essa merda.

    Bom, mas lembrei do jogo porque, diferentemente dos games de Pokémon pra Game Boy — que você zera e ainda pode batalhar infinitamente contra inimigos repetidos ou monstrinhos nos arbustos com os mesmos Pokémons — no Monster Rancher era diferente. Quando seu bicho tá no máximo da sua forma de destruição máxima e forte pra caralho, fica velho e MORRE. Depois de treinar o bicho, passar tempo nas competições, trabalhar naquele merda, ele MORRE.

    Me lembro que ainda dava pra congelar o monstro e tentar fazer um “cruzamento” com outro bicho do estoque, pra ver se o “filhote” mantinha alguns dos golpes logo de nascença e você treinava TUDO NOVAMENTE com o novo bicho. Resumidamente, era uma bosta.

    Sei lá quantos anos não jogo essa merda, mas era MUITO frustante.

  • Também tive a infeliz idéia de tentar mirar nas cordas pra salvar o cara. Falhei miseravelmente.
    Ele continua morto, que coisa triste… Ressucita, maldito!

  • llSENAll

    CARA ESSE GAME NÃÆ’O TEM COMPARAÇÃÆ’O COM AQUELES EM QUE O SAVE É AUTOMATICO NAQUELES O MAXIMO QUE PODE ACONTECER MAS O MAXIMO MESMO É VOCÃÅ  FAZER UMA BURRADA TÃÆ’O GRANDE QUE TENHA QUE COMEÇAR A JOGAR DO INICIO MAS ISSO É UMA OPIÇÃÆ’O COMEÇAR DE NOVO AGORA NESSA DROGA NÃÆ’O ELE TE LEVA A UMA UNICA JOGADA QUE NÃÆ’O TEM VOLTA É O QUE É PIOR NÃÆ’O HA OUTRA JOGADA A SER FEITA EU SABIA QUE MATAR O DIABO NÃÆ’O ERA CERTO MAS ERA O QUE TINHA QUE SER FEITO E ALGUEM TINHA QUE FAZER.

  • Capitão Piratão

    Cara, eu passei um tempão pensando em poupar o maluco. “É só esperar, claro. Fácil. Qualquer um consegue isso”.

    Tá certo, o “tempão” foram uns dois minutos. Aí eu pensei “talvez só um tirinho no joelho, pra esse puto saber quem manda”. Aí deu no que deu.

    E não dá nem pra enterrar o puto, agora.

  • atillah

    @ Jovas

    Cara… eu joguei Monster Rancher. Era foda. Os putos morriam e isso NÃO ERA um dos pontos fortes do jogo.

    Por isso eu disse: quem tem que pensar nisso são os desenvolvedores. Mas eu gostaria que ALGUNS jogos fossem um pouco mais realistas ás vezes. Principalmente os RPG’s.

    Mas nem todos, afinal, vídeo-games são uma forma de escapismo, como eu já falei em outra coluna por aí.

  • ||Mercenário||Corp. Sargeant Arkantos04

    Botei a mira no cara e sentei bala nele, sem pensar nem nada foi instinto tava com a mira e o alvo não consegui resistir, matei e formatei a maquina so pra mata ele de novo.
    E um dia mato de novo quando tiver tempo de formata a maquina.

  • tchunako

    pow parece que vcs nunca jogaram dungeon crawl ou roguelike…no final ja tah o nome do game
    E o seguinte vc entra numa caverna em busca de 8 runas e 1 orb loka , A caverna tem uns 37 andares e areas divididas(Snake pit,Orc mine,Void…) vc escolhe sua raça (kobold,mermameid,minotaur…) e uma classe (Fighter,mage,sumoner..) e manda ve.
    Tipo o objetivo principal fica meio de lado por que a parada mesmo e sobreviver a tudo que caverna joga em você mas uma hora ou outra vc morre e isso e FATO
    Ok morreu uma vez nada de mais vo faze otro char e..PQP, que poha e essa? A caverna inteira mudou tudo mudou.
    Ai tah a parada sinistra, todo o jogo e uma caverna nova pronta pra te estuprar de maneiras novas. E oque e pior, seus herois novos chegam a encontrar os corpos e almas dos herois mortos e alguns deles querem te agarar vei.
    Sabe oque e isso? e infrentar os fantasmas do pasado cara suas falhas e erros todos ai na tua frente querendo levar vc.

    sem perdão
    Dungeon Crawl Stone Soup

  • llSENAll

    @||Mercenário||Corp. Sargeant Arkantos04

    Japa Loco.

  • eric

    Botei a mira no cara e sentei bala nele, sem pensar nem nada foi instinto tava com a mira e o alvo não consegui resistir, matei e formatei a maquina so pra mata ele de novo.
    E um dia mato de novo quando tiver tempo de formata a maquina.

    ORRÔ! Vamo chamar esse cara para ser o segurança do AOE.

  • Fabio

    vixi! será que eu sou a exceçao?? nem pensei duas vezes antes de atirar na cabeça do pobre coitado, sabendo que ele não era um zumbi querendo comer meu cerebro. nem quis procurar mais nada no cenario. aliás, nem deu tempo, eu atirei antes de pensar. e olha que eu li o aviso no começo.

  • ZIM

    bom… como eu sou foda de mais

    aqui vai o reset.

    vai em executar
    escreva: regedit
    HKEY_CURRENT_USER
    Software
    Game maker
    e esclua a pasta Scores

    créditos vão para o olaf.

    apesar dele ter descoberto na cagada.

  • ZIM

    ops… desculpa

    retire o “bom… como eu sou foda de mais”

    eu não fui foda nessa

  • Opa, agora só me ensina como eu acesso o regedit da VIDA REAL, véi

  • ZIM

    @pyzurk
    bom! ai eu teria que te dar uma lição de
    vida!!!
    e eu não to afim d gastar meu tempo com isso

    quem sabe na proxima!!!

    abraços

  • Não sei quem é pyzurk, mas tudo bem

    E uma lição de vida vinda de boçal deve ser uma bosta mesmo, então tá ok

  • ZIM

    @pYzurk
    poisZÉ.
    eu tenho o que fazer.
    eu acesso essa joça só pra descontrair,
    ai vem um bobão querendo saber regedit da vida.

    é um emo mesmo, TANGA

  • Tem tanto o que fazer que fica caçando maneiras de resetar jogo de computador =]

    E se você não entendeu a coluna eu vou fazer o que?

  • ZIM

    @ pYzurk
    acho que você não sabe ler.
    leia bem
    “créditos vão para o olaf.”
    ele que me passou, Tanga.

  • Isso que cê tem o que fazer!

    E eu li isso, mas se você recomenda, é porque fez, se fez, é porque tem tempo pra ficar resetando joguinho pra jogar de novo.

    Fora comentar em 42 textos por dia.

  • atillah

    Caralho, os leitores estão se comendo em TODAS as colunas agora. Espetacular.

    Pizurk tá querendo ocupar o espaço de texugo raivoso.

  • ZIM

    @pYzurk

    ta boa o fodão, eu só
    um funcionario competente
    e faço tudo o que eu tenho que fazer.
    por isso eu tenho tempo de postar aqui.
    se você é um desocupado que só quer caçar
    briga, demoro irmão, toma aqui meu endereço
    e vamos resolver essa merda no soco
    campo grande , MS
    nova lima condominio silvestre 1 nº61

    vai lá mané do caralho

  • ZIM

    @ atillah
    isso ai, ele quer uma de bom
    como que se fosse o fodão..
    coisa de tanga, você sabe né!
    kkkkkk

  • Véi, você mora na roça, não sabe escrever e quer pagar de bom e vem falar de mim?
    Quando vier pra civilização [A.K.A. São Paulo] me avisa, que não vou pagar pra surrar mané.

  • ZIM

    *pYzurk
    abandona essa discução,
    essa merda não vai dar em nada.
    tá muito tanga pro meu gosto.
    falou mano, foi a discução mais
    idiota que eu o AOE já viu
    abraços
    ZIM

  • ~like

    bom, baixei o jogo, não demorei 5 minutos para ganhar.

    a resposta, você mesmo deu.
    a questão é simples, como fui paciente, li todo o seu tópico.
    pelo próprio jogo desenvolver um potêncial crítico e criativo, deduzimos TODOS, através de suas palavras, que o objetivo do jogo NÃO é matar o carinha, e sim deixá-lo vivo.
    Pensando que você disse, que matou o carinha, e foi tentar denovo, pensei; se eu matá-lo agora e não poderei jogar novamente, fechar o jogo pode ser uma alternativa para tentá-lo novamente. E foi aí que a resposta está. Apertando a tecla ESC, a seguinte mensagem aparece:

    YOU WiN.

    Muitas pessoas logo de cara, iriam dar concerteza um tiro logo no sujeito.

  • DAWN

    Poxa…..Matei o infeliz logo de cara…….sem dó nem piedade….SACANAGEM eu sou mesmo um sadico
    ,nunca vou me perdoar.
    Porem, esse jogo e o artigo foram muito profundos.

  • aeaeae, consegui ganhar! Foi só apertar ESC logo que entrei no jogo :D

  • [TRG]Vash

    parabéns…

busca

confira

quem?

baconfrito