Processo criativo e Nostalgia pt. 1

Nerd-O-Matic quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Aê, seu bando de motherfuckers, já faz mais de um ano que eu escrevo semanalmente sobre games aqui, e pessoas param o théo na rua pra perguntar:

 – MELLDELLS THÉO! De onde DIABOS o Atillah tira tantas idéias mirabolantes para virar tema de coluna, sem nunca ter furado uma semaninha que fosse?

Ao que o théo sempre responde:

 – Ah véi… o cara é foda pra caralho mesmo. Melhor que os textos do huno, só salame.

Bom théo, até que você tá certo, mas acho que quando as pessoas perguntam isso, na verdade elas querem saber sobre o processo específico de criação de uma coluna minha. E vocês sabem como isso acontece toda semana?

Eu tomo DOGRAS.

Sério. Alucinógenos pesados. Aliás, quase todo mundo aqui no AOE faz isso. Como vocês acham que surgem colunas como essa?

O processo é simples: CHAPA PRA CARALHO com algum lance como cogumelos, benflogin, chá de fita ou… cogumelos. Aí cê sai correndo na contramão pela rua até um elefante roxo passar voando na contramão junto com você. Você puxa a 12 cano serrado, atira, abre um puta buraco na lateral do elefante, e de dentro sai a Angelina Jolie vestida de Mulher-Maravilha, que me entrega um pedaço de pudim com um papelzinho dentro, tipo aqueles pasteizinhos chineses. No papel tá escrito o tema da coluna.

Tá, nem é assim que acontece. Mas, ORRA VÉI, se fosse assim eu escrevia TODAS as colunas desse site.

Ok, na coluna de hoje (e na próxima) vamos falar de games nostálgicos e pessoas nostálgicas que devem morrer, com um bônus especial onde eu digo por que elas devem morrer, embora quase não precise de justificativa. Sabendo o tema dessa coluna, vamos agora analisar o processo de criação dela, a fim de finalmente satisfazer a curiosidade de vocês sobre como as coisas são feitas por aqui.

Então, se vocês acompanham minimamente o mercado gamístico, vocês sabem que nós estamos numa entressafra nervosa de jogos. Normalmente é assim mesmo no mês de agosto, porque os distribuidores de jogos são tudo uns putos e seguem tendência de consumo do mercado. O que os putos não sabem é que se eles lançassem jogos BONS, as pessoas comprariam mesmo que o Natal fosse em 31 de fevereiro.

Passei o mês de agosto inteiro meio que esperando alguma coisa pros meus consoles. Nada de decente saiu este mês, foi foda. Aí apareceu esse joguim aqui, para o qual foi gerado um hype considerável nos últimos dois meses:

N+ é um game de plataforma que está alcançando notas altas nas reviews de vários sites por aí; inclusive alguns que eu respeito, como Destructoid.

Olha, vou te falar, o jogo é legal sim: tem uma movimentação fluida, objetivos simples, cenários despojados e um nível de diversão alto… PARA A FUCKING DÉCADA DE 80, PORRA. Qualé a desses putos de ficar lançando esse tipo de merda em full price? Um jogo que foi derivado de um jogo em flash, cacete. Esse tipo de coisa devia estar disponível como download GRATUITO pra qualquer um que tem o SACO pra ficar esperando a porra da boa-vontade das distribuidoras de lançar seus jogos malditos.

Não é que o jogo seja ruim, vejam bem. Ele só é… velho pra diabo. Eu curto jogos de plataforma, eu sou fã de Castlevania, cara. Mas pelo menos em Castlevania você vê algumas modificações do sistema de jogo a cada lançamento. Sem falar que a Konami sempre investe pesado nos visual e no áudio do jogo. Por mais que a série esteja caducando, ela ainda é uma das melhores opções para o hardcore gamer que ficou preso nos jogos da década de 80 e 90. Agora compara Castlevania:

E essa porra de N+

Só podem estar curtindo com a minha cara. É como eu já disse antes: só o gráfico não faz o jogo. Mas, puta merda, custava se esforçar um pouco mais? Se foder. E ainda ficam pagando pau pra esse tipo de coisa. Na minha opinião isso só serve para estimular os desenvolvedores a fazer uma graninha rápida, pegando um jogo que fez sucesso em flash e fazendo um port vagabundo para os consoles. Aliás, cês já perceberam que isso é uma tendência né? O Wii e o X360 estão sendo inundados com ports de jogos de internet. Só que pelo menos a maioria deles é baixável via serviços online, a um preço reduzido. E não uma porra dum lançamento hypado full price.

Ok, depois dessa reação piratesca ao lançamento de N+ (o que faço com muito gosto, pois ajuda a construir o caráter de vocês), voltemos ao nosso tema inicial: o processo de criação desta coluna.

Aí tava eu lá jogando N+, gostando do jogo mas ao mesmo tempo meio puto, e pensando porque caralhos ele tinha alcançado notas tão altas em algumas reviews. Só existem duas opções: ou os caras que fazem as reviews ganharam um lapdance das estagiárias envolvidas no lançamento do N+, ou são só um bando de putos nostálgicos, que ficam babando e molhando as calcinhas com qualquer jogo que remete à “saudosa” época do Atari e Nintendo 8 bits.

Daí lembrei de uma coluna do Kid, e tive certeza que é a segunda opção. E assim, presto!, surgiu o tema dessa coluna. Respondida essa questão, vamos nos dedicar agora a examinar os nostálgicos e sua relação com os games. Quer dizer, vamos fazer isso na semana que vem, pra deixar vocês na expectativa e, quem sabe, terem a chance de jogar o N+ ou qualquer outra merda oldschool antes de ler o resto desse texto.

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito