Pirataria nos games. Você sabe o que é isso?

Nerd-O-Matic quinta-feira, 04 de outubro de 2007

digitalpirat.jpg

Normalmente eu só gosto de criar polêmica quando tenho certeza sobre a minha opinião a respeito do assunto em pauta, para poder defender a minha posição até o outro indivíduo ficar de saco cheio e admitir que eu estou certo.

Porém, no caso da pirataria digital eu não consigo chegar a uma opinião final sobre o assunto. Se eu não consigo fazer isso, devo admitir que a coisa toda simplesmente é complexa demais, muito mais complexa do que a minha capacidade de chegar a uma conclusão sobre ela. Ou admito que não tem solução ou fico tentando morder o próprio rabo, feito cachorro louco.

Supondo que vocês fiquem tão confusos quanto eu, então peço que vocês também suspendam seus julgamentos prévios, e vamos tentar pensar no quadro todo. Quem sabe a gente se torna menos burro coletivamente, e consegue concluir coisas mais inteligentes a longo prazo.

Vou compartilhar com vocês algumas coisas que me incomodam sobre o assunto, e que me impedem de chegar a uma satisfatória resposta sobre a pergunta:

Usar cópias não-oficiais de jogos é errado?

É fácil dizer que é errado. O maior argumento é de que pirataria é roubo, e roubo sempre é errado.

Não tenho dúvidas de que o magrão que vende cd pirata e ganha grana com isso está cometendo um crime. Um não, vários. Além de vender um produto ruim e sem nenhuma garantia, ainda prejudica quem trabalha com a venda legal do produto, que não pode competir com esse cara; esse cara também não paga nenhum tipo de imposto, não contribui para o crescimento do país, etc. Nesse caso acho que todos concordamos que está sendo praticado algo “errado”. Mas essa não é a pergunta que eu fiz. Eu perguntei sobre o USO de cópias não-oficiais, e não sobre sua reprodução e venda.

Ok. Agora vamos ás partes problemáticas:

Se eu baixo um jogo da internet, gravo em casa e jogo só no meu console, isso é roubo? E se for roubo, é roubo do quê? Não é como se você chegasse em uma loja e escondesse o dvd do jogo na jaqueta, saindo sem pagar. Nesse caso você teria de fato roubado a loja, que comprou e pagou pelo jogo para poder ter lucro revendendo. Você roubou algo palpável, material. Se te pegarem na saída, você vai ter que devolver o dvd.

Mas no caso da internet, você roubou o quê? Um monte de bytes? Como você faz pra devolver? Os fabricantes nem sabem que esses bytes estavam lá, sendo tranferidos para o seu computador. Se você quiser devolver esses bytes pra eles (suponha que você coloque os bytes em um dvd e leve para os fabricantes) eles vão mandar você enfiar o dvd no rabo. Materialmente falando não é roubo. Nenhum patrimônio físico foi subtraído de ninguém.

Aí passamos para a esfera metafísica da parada. A argumentação é de que você roubou uma propriedade intelectual. Que, de alguma forma, naquele monte de bytes existe uma idéia original de alguém, que merece ser reembolsado por sua idéia original a cada vez que alguém resolve jogar aquele jogo. Mas é meio complicado, porque você não quer exatamente a IDÉIA que o cara teve. Não é como se você fosse pegar a idéia do cara e criar um jogo igual pra vender. Você só quer jogar. Você não está roubando a idéia, enfiando ela em um saco plástico e enterrando no quintal. Quando você joga, você só usa a idéia por um tempo e depois larga ela.

Ok, então você deve pagar pelo “empréstimo temporário de idéia materializada na forma de um jogo”. Está começando a ficar meio ridículo, mas tudo bem. Vamos supor que seja certo você pagar a alguém pelo uso temporário de uma idéia. Mas espera. Olha quantos jogos iguais existem no mercado hoje em dia. Pense em todos os clones de Doom e Starcraft que você já jogou. Pior ainda, será que a Blizzard (Starcraft) pagou á Westwood Studios por ter feito um jogo que era claramente inspirado em Dune II? E todos os clones que vieram depois? Todos pagaram retroativamente pelo uso da idéia “jogo de estratégia em tempo real”?

Lógico que não pagaram. É só um gênero, um tipo de jogo. Além do mais os jogos são DIFERENTES uns dos outros, mesmo que seja só uma diferença no design das unidades de combate.

Tá, então se for uma coisa um pouco diferente eu não preciso pagar pela idéia? Então se eu baixar um jogo e trocar o nome dele por algo aleatório, ele já virou uma coisa diferente? Não? Quanto você precisa mudar pra virar outro jogo e não pagar pela idéia? E se eu não entender a idéia do cara que fez o jogo? Suponha que eu compre o jogo, mas ele seja muito complexo e eu não gostei. Eu não usei a idéia original do cara, porque eu sou burro e não entendi o jogo. Eu deveria pagar por uma idéia que eu nem mesmo sei qual é?

As coisas estão saindo de controle nessa argumentação não é? É exatamente o que eu quero que você perceba: a complexidade e bizarrice da questão. Vamos tentar voltar ao mundo real. Vamos pensar em uma mídia parecida com os jogos e que também sofrem do problema de “roubo” de propriedade intelectual. Pense nos livros. A rigor, a argumentação é a mesma: um monte de idéias reunidas em um só lugar (um livro) e se você quiser ter acesso ás idéias, você precisa comprar o livro. Inclusive, você pode ser processado se baixar Harry Potter da internet, exatamente como acontece com os jogos.

Mas apesar da propaganda anti-pirataria, não é a mesma coisa. E nem tão simples assim. Pense nas bibliotecas públicas. Porque você pode ler Harry Potter de graça em uma biblioteca pública, mas não pode ler de graça baixando da internet? Qual é a diferença? Por que na biblioteca pode, mas na internet não? Existe alguma boa razão para isso ou é só uma decisão arbitrária? Vão dizer que alguém pagou pelo livro que está na biblioteca, mesmo que ele seja lido por centenas de pessoas depois disso. Ok. Então precisamos de praças públicas de jogo, pra quem não tem dinheiro poder finalmente jogar? O governo compra algumas cópias de HALO 3, instala em uns computadores aí, se comprometendo a não fazer cópias, e todo mundo vai poder jogar HALO 3 de graça?

“Ah, mas livro é cultura. Vídeo-game não”. Ah tá. O livro de Harry Potter é cultura mas o jogo de Harry Potter não é? Como assim? Quem define isso? Age of Empires não é cultura? Eu conheço um monte de professores que usam o jogo para ensinar História.

Como eu falei no começo, eu queria levantar algumas perguntas, sem necessariamente chegar a alguma resposta definitiva. Esse post já ta enorme, então dependendo do interesse de vocês, a gente pode continuar na próxima semana.

Pensando bem, vocês que se explodam, vou escrever mais de qualquer jeito.

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • André

    Realmente, esse negócio é complicado e bizarro. Eu cheguei a pensar em mais uma coisa que eu não saberia responder: Por exemplo, um livro é um trabalho de arte e propriedade intelectual, um quadro de um pintor famoso também é, certo? Se vc tirar um foto em alta resolução do quadro, ou até mesmo pintar o mesmo quadro copiando o original (se tive capacidade) e colocar na sua casa, contanto que fique bem claro que aquilo é uma cópia, você não está fazendo nada de errado, aliás é até bem visto pela sociedade. Com livros e músicas, essa questão é diferente. Estranho não?

  • Joao

    lol..nâo sei o que disser

  • Joao

    O uso não e roubo

  • Joao

    A! minha professora tambem ja uso o AOE (age of empires,não o atoouefeito!) pra ensinar historia!
    ahhhhhhh se não fosse o pirate bay, o que seria de mim! HUHUAHA

  • Friederichs

    Cara, pensando na coisa abstrata vc fica louco, e não conseguiria chegar a lugar nenhum. Então , é uma questão onde envolvem os direitos reservados , ou algo assim. Pois, quem me garante que o site q tio ali não está recebendo nada para botar eses arquivos online e espalha-los por ae?AE isso é cirme. Mas levando em consideração q o cara é um desocupado , não tinha nada para fazer e como gostou muito de um filme ou coisa assim, decidio botar na net.Isso não é crime! A questão do crime, acho eu, está qndo entra uma remuneração pela destribuição ilegal, já se vc quiser ser a Madre Teresa de Calcutá , ele pode! Um exemplo q simplifique isso é, menos complexo claro, é vc pode fazer p~es em casa e destribui-los, ae vc ta blza, mas se for vender, ae tem toda a coisa judicial, pois vc não ta fazendo “caridade”, se assim posso dizer, e sim abriu um comercio.

    Mas veja bem, eu não sei porra nenhuma de Direito nem Jurisdição, então eu não sei se toda a atividade reunerada no país tem q ser informada para o governo…
    Porém aqui fica oq eu acho.

  • Joao

    XD

  • atillah

    @ André

    Verdade cara. A parada que você falou de tirar uma foto em alta resolução é bizarra mesmo. E, repintar um quadro então? Nunca ouvi de se pagar direitos autorais por se copiar um quadro. Talvez se considere que ninguém consegue fazer uma cópia perfeita de um quadro, sempre uma pincelada vai sair diferente do original. Mas daí a argumentação novamente se estende aos jogos, já que a gente sabe que cópias de softwares também nunca são perfeitas, porque sempre se perde naturalmente alguns bits de informação em qualquer forma de cópia ou transporte dessa informação. Então, na prática, nenhuma cópia de software é uma cópia idêntica ao original.

    Estou gostando da discussão.

  • Joao

    eu tambem….

    Mas porque isso? pra que precisamos nos dobrar? so porque eu copiei um disco do GOF eu vo preso? isso não e bom! Eu tambem nunca ouvi falar de copyright de quadros, mas nem mesmo os originais são perfeitos, pois os originais são copias de um projeto, e entâo, ate eles tem bugs. E essa besteira de baixar livro na net e crime? nunca ouvi falar disso…ja baxei o HP4 numa Boa e não fui preso!
    Attilah,hoje você feiz bonito cara!

  • atillah

    @ Frederix

    Você me fez lembrar da pergunta principal que eu tinha colocado no texto: se o uso de cópias não-oficiais é errado ou não. E agora pensei nos remédios genéricos, que usam exatamente a mesma fórmula dos remédios dos grandes laboratórios e muitas vezes são mais baratos que os “originais”. Será que lógica dos genéricos não pode se aplicar aos jogos? Um genérico é um amontoado de partículas químicas que no final geram um efeito curativo. Um jogo é um amontoado de bits e bytes que no final geram um pouco de diversão.

    Aliás, isso já existe né? O Frets on Fire, por exemplo, é um genérico do Guitar Hero. E nesse caso é um genérico que na opinião de alguns (no próprio artigo que eu fiz aqui no AOE) é MELHOR do que o Guitar Hero. Os produtores de Guitar Hero deveriam pedir direitos autorais pela “idéia original” que gerou o Frets?

  • Cara, o problema com a pirataria de jogos e músicas é imenso. Se você parar pra pensar ficará louco mesmo. Uma coisa legal que você falou foi das bibliotecas, nunca havia pensado nisso.

  • NM

    O caso é que baixar arquivos da internet não é crime. Se fosse seria proibido. A ”pirataria” em si, consiste em baixar e revender mas a lei PERMITE que você baixe arquivos para CONSUMO PRóPRIO, ou seja, se você baixar diversas músicas de seja lá qual banda for, desde que você não venda não é crime, é consumo próprio, por mais que grave em cd.
    Claro isso no caso de músicas, no caso de softwares pagos como o Ruindows, você pode fazer uma cópia de ”testes” onde você pode deixar por 30 dias no seu 486 sem problemas, depois de 30 dias é considerado uma cópia pirata. No caso dos jogos para computador é a mesma coisa. Ou ninguém lembra daqueles sites com roms de SNES que diziam ”Baixe o rom e deixa no seu pc por 24h, depois apague e compre a fita original”

    Ninguém vai ser preso por baixar alguma coisa na internet, isso não existe e não é pirataria.
    E remédio genérico só é liberado no Brasil mesmo =P

  • Friederichs

    Cara, produtos “genericos” não dão problema!!!

    A china faz isso na caruda , sem emnor problema! Oque eu acho q da encrenca é qndo se usa o mesmo logo que a marca original ou se não se tem nota fiscal, oque acontece com muita frequencia!

    E a história de ideia original ,talvez estesa meio passada hj! Eu lembro do caso q a Globo tentou processar o SBT por copiar um pragrama seu ( casa dos artistas) e a grande conclusão q tivemos foi, nada.
    Tanto q na midia “original” temos imensas copias descaradas de jogos! Que no final se tornam concorrentes ou coisas assim….

    Então ninguem pode processar Frets,creio eu.

  • Friederichs

    Ops, esqueci. A questão dos quadros gente, é totalmente diferente! quem copia um quadro, não é preso, mas não tem nem o prestigio e o quadro vale , teoricamente, muiiito menos. se alguns conseguem vender pelo memos é outra história! Então nesse mundo da arte, os caras se destacam pela abilidade e assim são reconhecidos. E eu, e alguns aqui ,creio eu, não ligamos muita para a diferença entra uma boa foto e o bicho ao vivo, talvez por não sabermos, esse meu caso, muito sobre arte, ou até mesmo admira-la como alguns fazem.

  • Joao

    deviam fazer um forum pra gernte continua a discutir

  • É bastante complicada essa questão mesmo… particularmente eu tenho um jogo específico que gosto: The sims. É o único jogo que eu faço questão de comprar original. Por que? Porque eu acho que o cara que fez merece ser recopensado por me fornecer horas ininterruptas de felicidade. Quero mais é que fique rico e faça mais e mais jogos assim.
    Mas a questão da biblioteca pública é que de alguma forma o valor do exemplar foi pago pro alguém que comprou o livro, então algum dinheiro pra quem fez saiu dali. Baixando na internet isso não acontece. Assim como se eu emprestar meus cds de the sims pros amigos jogarem não há o menor problema (acho), afinal eu paguei por aquilo.
    Claro que eu não compro tudo original, até pq se eu fosse pagar por tudo que tenho pirata já tava falida. Bate uma certa raiva de ver que os caras não se prestam a diminuir a margem de lucro nem um pouco pra facilitr a competição.
    Não sou a favor da pirataria. Conscientemente ninguém é. Mas ela existe pq tem demanda. Se rica fosse, original compraria.
    A questão dos quadros é a mesma dos remédios genéricos: marca. Tu compra um Da Vinci pq é status ter um quadro dele em casa (não vou entrar no mérito do se vale quanto custa). Uma cópia pode ser tão bonita quanto, mas não foi o Da vinci que labutou na tela e deu cada pincelada. Enfeita, mas fica aquela sensação de “melhor se fosse original”. Remédio é a mesma coisa. Tem muita gente que fala que não confia em remédio genérico, mesmo que a fórmula seja a mesma. Aí vai na farmácia e pede uma aspirina, pq essa é garantida. Como nesse caso específico da aspirina a diferença no preço não é gritante, a pessoa opta pelo “original”. Agora no caso do jogo é uma bela diferença pagar 10 reais no camelô ou pagar 100 reais na loja. Que se dane que a qualidade não é a mesma, que não tem garantia, é só um jogo mesmo.
    A idéia de praças públicas com jogos disponíveis é boa, investe nela que tem futuro.

  • legal os argumentos que você usou cara, não sou advogado nem nada e portanto eu hei de concordar com você, heheheh, e lendo esse seu texto me lembrei de quando o povo do MIT lançou aquele desbloqueador de DVD, daí um cara descobriu um hexadecimal que virava um gzip com o código em C do programa…
    http://www2.warwick.ac.uk/fac/soc/law/elj/jilt/2002_3/guadamuz2/
    Seção “2.3.1 Encoding and Decoding Prime Numbers”

    pirataria eletronica é muito subjetiva quando não envolve dinheiro =P

  • Friederichs

    Opa, pegando a idéia da Sandrine, acho q os preços são abusivos não pela margem de lucro, e sim pela taxa que se é aplicada ao produto, jogos no caso. A porcentagem é maior de 100 em produtos de informática e jogos!

  • Joao

    VERDADE!

  • Flink

    Sandrine, do mesmo modo que alguem pagou pelo livro nas bibliotecas, alguem comprou o jogo e colocou na net para distribuir, acaba caindo no mesmo conceito das bibliotecas.

  • É fato, Flink, me expressei mal.
    O que me ocorre é que, uma vez na internet, todo o conteúdo fica disponível pra um número muito maior de pessoas, o que não ocorre quando essa distribuição é feita pessoalmente. Eu não tenho como entregar meu jogo em mãos pra cada pessoa no mundo, no máximo pra um grupo de amigos, então mais gente acaba comprando o jogo ou livro de forma legal, gerando mais receita pra quem produziu.
    No caso dos livros creio que o impacto não seja tanto pq normalmente quem gosta de ler, como é meu caso, gosta de ter os livros. Não é tão legal baixar um livro quanto ter um exemplar. No caso dos jogos, tanto faz se é original ou não, o efeito que ele vai ter na tela do pc ou do videogame é o mesmo. Claro que é bacana comprar original, ter a emoção do brinquedo vindo na caixa, etc, mas na falta de dinheiro a gente simplesmente se conforma.
    E o Friederichs tem razão também, as taxas são absurdas! Mas e aí, como faz?

  • :O EU

    Porra…mas lembrando que o cara que fez o jogo vive disso..se vc pegar de graça na internet…ele não vai ter lucro nenhum…ou muito pouco lucro..pq imagina várias pessoas baixando o jogo e só duas comprando..a pessoa que fez o bendito jogo ia querer se enforcar com o cinto quando chegasse o relatório de vendas
    …e na biblioteca não tem todos os livros…e vc não pode levar pra casa e tals….
    e po….seja mão de vaca mas pague nem que seja pouco…aqui perto de casa tem lugar pra se alugar jogo…ou jogar ali na hora mesmo..vc paga e joga….e tals..devem exister outros lugares assim…
    tá certo que o preço de tudo no brasil é abusivo….

  • NM

    Quem fez o jogo não lucra com ele, provavelmente tem um sálario normal. Já a empresa que fez os jogos ficam sem lucros, mas claro, só no Brasil que a pirataria é descarada porque TUDO aqui é caro.

    E baixar um livro não é pirataria, é consumo próprio. Eles tem lucro porque como vocês disseram, alguém pagou pelo livro, e como a Sandrine disse, eu também acho ruim ler um livro no computador.

    Enfim, eu sou a favor da pirataria se for da Microsoft, puta que pariu, mais de 1000 reais no pacote Office 2007 é um estupro.

  • Thiago Bernabé

    Eu tava pensando aqui esse negocio de emprestar jogo …

    Pelo que sei, realmente pode-se empresta um jogo que você comprou para um amigo, vo tem o direito autoral. Mais o diferencial de quando você empresta um CD qqr ou coloca na net é algo que ninguem falou ainda. Indo ao exemplo aqui dado, The Sims, quando você joga, você precisa inserir o CD. Quando você
    empresta o CD, blz, taca no drive e ja era. Ai o cara te devolve e o direito volta a ser seu. Qaundo você coloca na internet, não tem como colocar o cd no drive. Ai que vem os nossos queridos Crackers e resolvem esse problema.

    Claro, sem esquecer a lei do backup. Por exemplo, se você compro o Windows Vista Ultimate (credo) você tem direito de instala-lo em duas maquinas. Isso acontecesse com qqr software. Mais axo que a questão da pirataria tá mais ai, no numero de utilizadores por cópia. Isso falando de jogos/softwares.

    Musica é outra questão, se você detem os direitos autorais (compra algum cd q tem aquela musica) voce pode regrava-las (pra voce) em outros cds (coletanes ou cds de backup).

    Bom … tudo que eu falei é baseado no disse-me-disse e no pouco que conheço nesses anos todos de informatica e de vida.

    Grande abraços e continuem discutindo ;)

  • Jonh B. God

    Na questão de jogos e outros programas, foi preciso adaptar o conceito de direito autoral para que se insentivar e proteger as pessoas que produzem programas, todo programa é patenteado para evitar cópias do lado de produção, assim só a EA (Que comprou a Westwood) pode fazer jogos com o a história/design/estilo/marca do C&C, mas o genero em si não é registrado, assim não se pirateia C&C do lado da produção e o mercado lança muitos jogos de RTS, popularizando todo o estilo de jogo.

    Do lado do consumidor, a pirataria PODE ser vista como o uso não remunerado, porque o que você compra NÃO É o jogo, e sim uma licensa para usar ele, logo quando você usa ele sem pagar pela licença vc ESTÁ usando ilegalmente… Ex: Você e seu irmão (ou irmã, ficticio ou não) ambos tem computadores, o dele(a) é lento e fraco, o seu é rápido e roda td blz, ai ele(a) vem e usa o seu sem te pedir, isso é uso ilegal… a diferença é que vc dá uma surra nele, enquanto a empresa só te blocka de jogar online…

    Eu uso jogos ilegais, mas sempre que possivel eu tento comprar o original… Mas o Maldito Lulla quer meu dinheiro de qualquer jeito, ai ele mantem essas taxas monstras encima dos meus amados Joguinhos!!! :(

    Ps.: Alguem sabe aonde dá pra comprar o C&C First Decade, num acho em lugar nenhum…

  • Joao

    Um cara falo sobre empresta cd…EU SEI UM PROGRAMA QUE FAIZ RODA SEM! MHUAHAUHAUHAUA!
    o nome dele e Virtual daemon manager….ja me foi util quando eu peguei o need carbon pela net

    Virtual daemon manager
    Virtual daemon manager
    Virtual daemon manager
    Virtual daemon manager
    Virtual daemon manager

  • Joao

    Esse e o post mais comentado do AOE….Mando bem ATTILAH!

  • atillah

    John B. God falou

    “Do lado do consumidor, a pirataria PODE ser vista como o uso não remunerado, porque o que você compra NÃO É o jogo, e sim uma licensa para usar ele”

    Acho que você está certo cara, não estou te xingando aqui. Eu entendi que você só está trazendo um fato, e não expressando uma opinião pessoal.

    Mas será que só eu acho isso ESQUISITO PRA CARALHO? Não é uma coisa totalmente fdp você comprar uma parada e não possuir ela, e ainda ter pouquíssimos direitos sobre a parte ínfima que você possui? Tipo, você vai lá, compra o jogo (ou a licença, como o John disse) e não pode fazer praticamente nada com o que você comprou, só jogar. Alguns softwares, como o Windows, nem permitem mais de uma ou duas instalações. Você não pode emprestar, não pode copiar, não pode reproduzir publicamente, não pode revender, não pode nem olhar torto, senão está infringindo a lei.

    E, se a gente está só comprando uma licença limitada e temporária, não deveria ser MUITO mais barato o preço dessa licença?

  • Jonh B. God

    @atillah:

    Deveria… Mas eu acho tambem que um jogo custa caro, e se o retorno demora as ações da empresa caem… isso é complicado… vc tambem não compra a parada… kkkkk… apenas a licensa dela e uma cópia… você tem todo direito sobre o disco da cópia, mas a empresa mantem direitos sobre o programa em si, por que é dela…. saca… é meio complicado mesmo, vc tem, mas não tem… ah, a licensa não tem limite de tempo não… vc a possui pra sempre, e ela ainda te garante atualizações e suporte em caso de qualquer tipo de problema.

    Tipo, se vc tem um problema com o GIMP (Um wannabe photoshop do linux) e vc tem um problema de compatibilidade, ninguem é obrigado a te ajudar. Agora e vc compra o Photoshop CS3, seu pc tá dentro das especificações recomendadas, então derrepente ele dá um erro grave, a Adobe TEM que te dar uma solução. Tipo, a licensa defende ambos (ok, talves pese mais pro lado das empresas…), assim mantendo um equilibrio.

    Quanto a preço, a coisa aperta, no brasil os impostos ainda apertam mais… Quanto a software, continue pensando no Photoshop, ele custa uns 3 mil, mas pensa, com o tanto de coisa que dá pra fazer nele se vc for profissional, logo vc paga ele e ganha ainda mais dinheiro. Com o windows vista por exemplo, por 350 vc compra o Home Premium, e além das facilidades comuns do windows, ainda tem uma centra completa de pc cinema, tipo, pensa quanto tempo vc levaria pra fazer algo semelhante no Linux, ou quanto vc gastaria pra ter um Mac que fizesse a mesma coisa.

    Com jogos a coisa é um pouco diferente, vc vai comprar o novo Need for Speed: Pro Street, ele parece ser ultra divertido, cheio de idéias novas com conceitos clássicos que fizeram a fama do NfS, vc acha que ele vai ser muito divertido? vc jogou o demo e ficou doido pra passar o fim de semana todo trancado em casa com um monte de pizzas, uns 30 litros de Coca jogando? Então como você pode dizer que ele não vale R$100? Pensa, pelo naipe do jogo, parece que eles desenvolvem ele desde de o NfS:U, mas só agora conseguiram fazer algo que valesse a pena vender, todo esse tempo tem que dar um retorno pra empresa…

    Com jogos de console é pior ainda, pq ai a Sony (por exemplo) lança o PS3, Cobra dos produtores de jogos os Roialties (Não sei se escreve assim…) sobre as paradas pra escrever jogos pra PS3, elas tem esse custo, além do risco do console não dar certo, então eles repassam ainda mais preços pros consumidores do que um repassariam se fosse um jogo pra PC…

    Espero ter sido claro, algumas partes aqui são uma opnião, outras são fatos, mas acho que consegui chegar á algum ponto quanto aos preços e a licensa…

    Ps.: Desculpe qualquer erro de PT-BR, e estou achando essa discussão mt interessante… :D ;)

  • Thiago Bernabé

    É a discussão ta rendendo mesmo !

    Mais eu queria perguntar duas coisas a vocês:
    1º : O que vocês acham do jogos que ao inves de compra-los você paga um alugel. Acontecesse muito com MMORPG. Você mensalmente paga X dolares para jogar nos servidore originais

    2º : Quando você compra um jogo pela internet, e baixa ao invez de receber a caixa em casa, você está pagando os impostos ?

    Grande abraços !

  • Jonh B. God

    1. Olha, quanto ao sistema de cobrança dos MMORPG eficiente, porem arriscado, porque se o jogo não reter o usuário por muito tempo, o jogo pode não se pagar (O que concerteza NÃO é o caso do WoW)…

    2. Acho que não paga imposto não, pelo menos se vc baixa mentindo que vc é dos EUA… kkkk… Quer dizer, vc paga os impostos americanos, que são infinitamente menores que os nossos (porque os paises mais ricos são os que cobram menos impostos e os pobres os que cobram +?)…

  • Letícia

    PUTS, isso rendeu einn!!
    Lembro que uma vez, tinha que fazer uma redação para um concurso sobre o tema pirataria, com premiação e tudo. Comecei a pesquisar sobre o tema… quem disse que eu consegui fazer a redação????? Não cheguei a uma conclusão, tampouco conseguia falar contra pirataria, o que era, obviamente, o objetivo do concurso…
    Pirataria é errado??? Sim, existe uma máfia por trás disso, gente faturando, e muito, em cima do trabalho dos outros. Isso no caso do que é vendido por aí.
    Mas e o preço que uma gravadora cobra por um cd, por exemplo?? Todo mundo sabe que são absurdos e abusivos, que eles também estão faturando alto em cima do trabalho dos outros.
    E então???
    Agora, no caso da internet… quem lucra com downloads feitos? Se tem alguém lucrando, me fala que eu não sei… A não ser quem baixa né, o público, para quem as coisas são feitas. Acho que se tem uma coisa que veio pra ficar na internet é o tal do download… Na internet é tudo muito mais democrático, e, querendo ou não, a internet democratiza o acesso á cultura. Não é só quem pode pagar que pode ter. Eu acho que a indústria cultural nunca vai conseguir frear isso, simplesmente vai ter que se adaptar.
    Estranho é pensar que mesmo tendo arquivos de livros no meu computador, por exemplo, se eu pudesse comprá-lo, se o preço fosse mais justo, eu compraria. O mesmo para cds e filmes, e todo o resto.
    Trem de doido mesmo, esse assunto.

  • Joao

    eu jogo WOW sem ser no server ORIGINAL

  • Leef

    Sinceramente, primeira vez que devo dizer que achei o texto fraco. As contra argumentaçoes, no meu ponto de vista poderiam ter sido melhor exploradas.
    Não se tratando apenas de propriedade intelectual, se um cara constroi uma casa e gasta seu tempo, seu esforço e seu conhecimento construindo um predio, você nao pode pegar um apartamento.
    Com os jogos a mesma coisa, alguem gastou tempo, dinheiro, conhecimento e investiu para fazer um jogo, assim sendo, obte-lo de modos não legais é como estar tirando dinheiro que o criador deveria obter por seu esforço e trabalho. Assim sendo você estaria dormindo escondido num apartamento aonde o ocnstrutor / dono do predio nao olha.

    Meu ponto de vista, mas achei o texto fraco.

  • joao

    OH RLY? Você acha isso? VOCE ACHA ISSO????

    07,pega a 12!

  • joao

    E AQUI ESTA! O POST MAIS COMENTADO DO AOE!

  • théo

    @ joao
    E ONZE comentários são seus. Dá uma manerada, cara, tenta comentar algo relevante. Repara que você comentou 3 vezes seguidas, podendo comentar apenas uma vez, se expressando melhor.

  • Passa alguns anos escrevendo um livro e veja todo seu público baixando ele pela net…
    talvez vc entenda mais sobre propriedade intelectual.
    A questão é que o modelo de lucros atual não é mais válido mas não significa que quem faz a obra não tenha o direito de ganhar algo em cima.

  • Capitão Piratão

    Hm, o que seria DO CARALHO mesmo pra continuar a discussão seria voltar á idade da PEDRA. Quer dizer, questionar a própria idéia do ROUBO. A própria idéia de propriedade é algo completamente ANTI-NATURAL, se ce parar pra pensar. Claro que aí nego vem com aquela idéia imbecil de “ui, civilização e bla bla bla”, mas enfim. Eu acho que a moral devia ser mais discutida do que ela é hoje em dia, e tal. Enfim, deixa eu terminar de ler a discussão, agora.

  • Essa é uma discussão que nunca vai ter fim, e só veio á tona por causa da quantidade de troca de informações que há hoje em dia.
    Quem nunca gravou um filme da tv com o videocassete? Isso é também é roubo? Então por que fazem videocassetes?
    O mesmo ocorre com as antigas fitas de musica. Eu tinha centenas de fitas e uns poucos discos originais. Mas ia trocando gravações com meus amigos, assim todos tinhamos uma coleção e tanto sem precisar gastar pouco. Essa troca sempre existiu e sempre vai existir, o que assusta as produtoras é a quantidade, e elas ainda não aprenderam que ninguem mais vai comprar um cd com 20 músicas, sendo 3 boas, 7 mais ou menos e 10 uma merda, sendo que dá pra baixar de algum site apenas aquelas 3 músicas que vc realmente gostou.

  • Daniel

    Viva o software livre! Viva o direito de baixar na net, usar, abusar, modificar e passar pra frente!
    http://www.softwarelivre.org/
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Software_livre
    http://www.ubuntugames.org/

  • Jonh B. God

    Nah… Postei no topico das musicas, mas musicas e games são diferentes, e quando a gente compra um jogo, além de recompensar a empresa e seus funcionários, você ajuda a empresa a pensar sobre uma continuação, e como a maioria das empresas grades tem forums, você tem muito mais chance de jogar um jogo que você goste, então é injusto você não pagar 100 reais pelo trabalho de um ano ou mais de uma equipe de trabalho. Eu costumo baixar jogos, mas quando eu gosto eu compro par jogar online e pra receber os patchs… Bom, pra mim é isso, e nem vou discutir sobre propriedade privada com o piratão pq ele deve ter coisas que são dele e que ele não gosta que os outros mexam, sendo assim a favor da propriedade privada…

  • Jonh B. God

    Ah, daniel, me mostra um jogo open que iguale o nivel de Qualidade, suporte, e diversão de um jogo pago. E não me venha com Paciência e Tetris, falo de jogo 3D com grafico realistas por exemplo.

  • Daniel

    Sinceramente, prefiro jogos proprietários. Mas existem também muitos jogos gratuitos de qualidade.
    fps – Tremulous
    Estratégias – Glest
    Simulador de Guitarra – Frets on Fire
    E tem mais um monte de jogos open bons.

  • Não importa se é certo ou errado, pra quem pirateia vale a pena então é isso que define a parada. Alguém tem cópia pirata de second life?

  • O texto é velho, tá meio esquecido mas acho que vale a pena comentar:

    @ Jonh B. God
    Cara, eu trabalho com Photoshop (dentre outros softwares), modéstia parte sei fazer muita coisa nele e te garanto que repor o preço dele não é da noite pro dia. O mais provável é que eu nem reponha essa grana.

    Quanto ao assunto em geral, é uma questão tão ampla, que envolve tantos assuntos interligados, que pensar somente no assunto em si não vai levar a nada. Eu sou a favor da livre distribuição de informação, no entanto ela não se encaixa nos atuais padrões sociais, do qual não temos muito como fugir e do qual também dependemos para sobreviver.

  • Centh

    Bem… vamos la tirar um post do mundo dos mortos…

    Olha só, quanto a pirataria, na minha opinião.. é errado e não é… Ja explico.

    É errado pois os impostos que deveriam ser direcionados para os cofres públicos não vão, e sem esse dinheiro o governo nao terá verba para investir no saneamento básico, na construção de escolas, na saúde, segurança pública etc.. (piada isso ne). Muitos governantes mais roubam os dinheiros dos cofres públicos do que eles dizem perder com aquele que nao paga impostos… Anyway, um erro nao justifica o outro.

    Digamos que a pirataria surgiu como um meio de protesto contra o altissimo valor dos impostos, fazendo que somente uma pequena parte da população tenha acesso, e com a pirataria aquela pessoa que ganha R$ 450,00 possa comprar coisas que antes somente quem ganha muuuito mais do ele comprava antes…

    Mas sobre a pirataria em sí… Quando vc vai na loja e compra um DVD do titanic, vc nao esta na verdade pagando pelo disco de plastico com a imagem impressa sobre ele dentro de uma caixa de papelão. Vc esta pagando por uma cópia do filme original, que ouve muitos meses de projeto, contratações, dinheiro gasto com isso (nas casas do milhoes), vc tbm esta pagando o dinheiro gasto com a área de marketing para a divulgação, a comissão do vendedor, o aluguel da loja, a conta de luz, agua, telefone, impostos e mais impostos…

    Vc algo é tirado da net vc nao tem comissão de vendedor, mas voce tem a energia gasta pelo servidor do site, o aluguel do link, do prédio usado, da equipe de T.I. que cuida de toda parte tecnológica para manter aquele computadorzão funcionando (Eu trabalho com T.I.) para que vc possa acessar ele da sua casa e que por fim, é pago para a empresa que libeberou uma cópia digital e ficar disponivel no site para ser baixado, e que essa empresa comprou os direitos de fazer a distribuição do material e, paga por cada copia destribuida etc…

    Pq? Pq quem teve a idéia é portador dos direitos intelectual sobre a obra, ele decide se quer vender ou nao (capitalismo), pra quem ele vendeu a idéia, é o portador dos direitos autorais e distribuição (ele pode alterar alguma coisa na idéia e distribuir como achar melhor), portanto se ele pagou ele quer ganhar com isso, e ele colocar um valor para a distribuição do material seja ele livro, software etc… e vende (capitalismo). Ai entra o governo que quer tirar o dele com isso tbm e joga no meio do valor os impostos… ai vc tem a loja que quer ter o dela tbm, e joga o valor maior para tirar o dela tbm… e assim vai.

    Por isso que para vc praticar a pirataria nao precisa roubar um dvd da loja, mas sim adiquirir uma copia nao licenciada legalmente…

    Isso é uma explicação com um pouco de direito, estudei isso na faculdade…

    E pq ela é boa tbm? Contradição? Humm acho que não. Se o Magrao la da esquina vende ele e nao paga impostos? Nao paga do produto que vende, mas paga da comida que ele come, paga pelos outros bens que ele compra etc… E outra.. por ele vender ele pode comprar as coisas, se ele pode comprar ele contribui para o crescimento do país e o dele mesmo. Se ele nao tivesse vendendo isso,ele poderia muito bem ser mais um mendigo na esquina da paulista com a brigadeiro ou, roubando e matando um pai de familia. Isso é um dos caminhos que pode acontecer, tem pessoas que estao nesse por malangragem mesmo e nao por falta de oportunidade. Mas em fim, por um lado é bom, ele tem um meio de adquirir renda mensal e poder comprar as coisas na LOJA.

    Na na verdade a pirataria é como eu disse logo acima, é um tipo de protesto contra o auto valor dobrado por coisa que poderiam ser muito bem mais barato, pois fazendo uma conta simples…

    Se vc vai comprar um jogo do PS3 pagando R$ 250,0 digamos que apenas umas 100 pessoas podem bancar isso… seriam R$ 250,000. Mas e se esse jogo fosse vendido à R$ 100,00, e com esse valor cerca de 20,000 pessoas pudessem comprar? Sentiu a diferênça? E muito mais pessoas ficariam felizes e se divertiriam.

    Por isso paises onde se cobram poucos impostos e a renda é melhor dividida tem um numero baixissimo de pirataria, e em paises onde os impostos sao muuuuito autos o indice é beeeemm maior tbm…

    Pirataria, é errado, mas é consequencia de um erro.. Ação e Reação… Física pura.. rs

    Abraços….

  • He´s a pirate

    Cara, li hoje esse post e ví que ele é jurássico, mas como tem um post bem recente, resolvi comentar.
    Toda essa parada de pirataria é muito complexa. Igual se vê nos trailers dos filmes mais recentes, falando que a grana da pirataria serve para financiar o crime organizado, bláblábla´…

    Não esqueço a propaganda da “prova pirata” ou do “brinquedo pirata do amigo”. Isso eu vejo como roubo direto de propriedade fisica/intelectual.

    Mas o que eu acho que deve acontecer é o seguinte:
    Músicas – Eu não pago 25-35R$ em um cd ou 35-45 em um DVD com algumas músicas, mas pago 45-60R$ou até mais para ir num show dessa mesma banda, e todas as vezes que ela tocar na cidade em que estiver.
    E, já que o tema são jógos, acho interessante a forma com que a blizzard e outros fizeram.
    Jogo WOW desde jan/07, na época comprei o serial do jogo e desde então pago US$ 14,90 por mês para jogar. Depois comprei a expansão (The Burning Crusade) e já efetuei a pré-compra no e-bay por Wrath of the Lich King, que será entreque na casa de amigos que moram lá.
    Enfim, mas porque animo pagar essa grana todo mês, sendo que poderia jogar nos diversos servidores piratas nacionas? Simples, por qualidade e também por gostar das ótimas horas de lazer e diversão que um MMORPG permitem, e jogo com mais 7 pessoas do trabalho, e sim, eu saio para beber quase todos os dias e já sou adulto com mulher e filho, e ainda consigo um tempo para jogar.
    Sempre tive jogos “piratas”, emuladores e afins, mas também possuo todos os jogos originais da série The Need For Speed, desde o primeiro (Que possuo o Cd do 3DO), mas pelo mesmo motivo pelo qual pago mensalidade, pois valorizo essas coisas. Mas na grande maioria jogo piratão mesmo.
    Foi mal o comentário assim, mas penso dessa forma.
    Ah, e @Centh “Quando vc vai na loja e compra um DVD do titanic, ”
    Orra veio, Titanic??? pegou pesado.
    Poderia ser Pulp Fiction, QQ um do Quentim Tarantino, etc… essa foi osso..
    hehehe

  • Renan

    A biblioteca não permite fotocópias de livros. É como tu emprestar o teu livro para o infeliz do teu colega que não levou o dele.

  • Erick

    Gostei do seu texto. Com relacao a sua idéia de casas de jogos, isso já existe: sao os fliperamas. Naturalmente vc nao vai encontrar um MMO ou um jogo de RPG num fliperama, mas, quebra o galho de quem nao tem dinheiro para comprar um console ou um jogo. Com relacao a pirataria, acho que vc paga nao só pela idéia, mas pelo trabalho dos desenvolvedores.

  • Alexandra

    Se vc ver pelo lado ético, vai ver que é muito errado (pq fali as empresas de video game) , mas se você ver pelo lado lógico os caras são muito viados de por um joguinho de PS2 POR 200 reais, É UM COMPLETO ABSURDO, QUANTO MATERIAL ELES USARAM PARA FAZER AQUILO, PAGANDO UM NADA PROS CARAS QUE FIZERAM. Ou seja: enquanto eles não abaixarem o preço dos jogos originais, a gente vai continuar comprando tudo pirata.

  • Alexandra

    OBS: eu não comentei a pirataria virtual porque eu nem sabia que isso existia.

  • Tonim

    *Corrigido

    Essa questão de pirataria também me intriga a muito tempo, principalmente com relação à postagem de jogos, filmes e músicas na internet (que vem sendo muito perseguida pela PF).
    Mas, isso NÃO é pirataria. Pirataria é quando se tira proveito da idéia alheia com fins lucrativos, tais como fazer uma cópia de um jogo ou “sei lá o que” e vender. Agora, se vc faz uma cópia é dá de presente a um colega, isso não é pirataria. Assim como postar games e etc na internet. O cara compra o jogo ou o filme e posta na internet porque ele quer, isso se chama compartilhar um produto, para quem não tem como comprar poder ter acesso, assim como fazem programas de compartilhar músicas e etc (LimeWire…).
    O que a PF e outros andam fazendo tentando fechar sites de downloads de games, filmes e etc é totalmente errado, nada nesses sites é comprado, tudo é GRÁTIS, não se usa os produtos alheios para lucro. Alguém está disponibilizando o produto para que vc possa ter acesso de graça.
    Se isso fosse pirataria, amigos, todo mundo era criminoso.

  • Compartilhar realmente não e crime! Crime e revender, por exemplo, eu tenh um blog que tem download de games. Eu não cobro nem ganho nada com ele, apenas os disponho para quem quiser jogar. Eu não tenho nehum fim lucrativo, então, não estou cometendo crime nenhum, ou pelo menos era assim que devia ser. Eu uso o google. E a ideia de um cara. Eu to robando? Não! Roubar e cobra 250 reais por um DVD que e uma COPIA de outro DVD, so porque ele e ”original” Vai se !#@#$$, rsrsrs. Compartilhar e legal!

  • Arthur Monteiro

    Eu quero é q se foda a originalidade, eu compro, baixo e uso produtos piratas X)

  • Sim , tens razao mas discordo da tua opiniao.
    Como ganhar 500€ no eBay?

  • Yuji

    acho que baixar um jogo da net é um rubo sim…
    porque:o inves d comprar o jogo e dar o dinheiro ao fabricante,empreza,ao kra q trabalhou meses e meses para fazer um jogo legal,voce esta jogando o jogo que ele fez,sem pagar nada por isso.
    esse kara vai perder com cada jogo q foi baixado ilegalmente ao inves d receber o fruto do seu trabalho.

  • Red

    a questão é bem simples.

    o compartilhamento de arquivos pela internet são 3 dedos no cu dos megaconglomerados da industria do entreterimento.

  • Stormtale

    Compartilhar tambem é crime, mesmo sem ganhar em cima.
    Eu gostaria de nao precisar da pirataria para ter meus jogos e programas, mas os preços nao condizem com a realidade do país. Eu posso ter meu empreguinho e juntar dinheiro para comprar um console de ultima geração, mas teria que parar de comer para gastar cerca de 200 reais em cada jogo.
    Taxas e impostos + malandragem do dinheiro facil dos empresarios = Força da pirataria.

  • Leslan Livonor

    Isso é uma daquelas coisas que a sociedade inventa sem mais nem menos e cumpre a risca mesmo sem fazer sentido nenhum, é como o casamento, os noivos não são obrigados a casar mais gastam uma fortuna em preparativos e tal por pura capricho. Oks desviei um pouco do asssunto mais esperam que tenham entendido!

  • Cinza

    O que eu sei é que um game de ps2 chega a custar mais de 100 reais, que nunca foi lançado no Brasil e que a Sony tá nem dando bola pra nós, então bora piratear mesmo, 100 reais da pra comer um mês!
    Quando os games ficarem no Brasil, comparativamente mais próximos do preço que eles têm no exterior, mais pessoas poderão comprar jogos originais.

  • Apesar de vocês serem um blog/site muito bom… vocês ainda copiam de sites como o jogos.br.msn onde encontrei faz poucos dias este mesmo artigo escrito de mesma maneira ‘-‘
    Sabia que podes perder muitas visitas com isso?

  • Caro Lucas, se você olhar bem a data de publicação dessa porcaria aqui, verá que o texto foi ao ar dia 04 de outubro de 2007. Ou seja, se foi ao ar uma matéria escrita dessa mesma maneira, os copiados fomos nós.

    WHERE IS YOUR GOD NOW?

busca

confira

quem?

baconfrito