Overdose Zumbis: Entrevista exclusiva com os diretores do filme A Capital dos Mortos

Cinema sexta-feira, 28 de março de 2008

ZUMBIS

Filmes independentes são o tipo de coisa que não recebem muito apoio no Brasil. Menos ainda sendo filme de terror, e em Brasília. Mas as dificuldades não impediram Tiago Belotti e Rodrigo Luiz Martins de produzir A Capital dos Mortos, que já é bastante aguardado pelos fãs brasilienses (e por muita gente de fora da cidade também). Em entrevista para o Ato ou Efeito, os dois falaram um pouco sobre o projeto.

Fã do sub-gênero, Tiago sempre se interessou por zumbis. Seu primeiro contato com os mortos vivos foi o clipe Thriller, do Michael Jackson, que, segundo o diretor, realmente o assustava quando pequeno. Além do clipe, os clássicos do gênero – como os filmes de George A. Romero – também serviram de inspiração pro cara. Filmar um longa-metragem de zumbis sempre foi uma vontade de Tiago, e, em 2006, ele e Rodrigo resolveram tentar produzir o filme de vez. Compraram uma câmera e o dinheiro do próprio bolso e começaram a dar vida ás suas idéias. Na cara e na coragem, mesmo.

 Nem o congresso está a salvo.

Apesar da falta de verba e de apoio de empresas, A Capital dos Mortos não pretende de modo algum ser um filme trash. Tanto Tiago quanto Rodrigo garantem que o filme, desde o início, tem sido feito com todo o cuidado possível, e que eles tem usado a criatividade pra contornar a falta de verba. “Numa cena onde a gente precisava de um atropelamento ou numa decapitação, por exemplo, a gente não desistia por falta de verba”, diz Tiago. “A gente pensava ‘como dá pra fazer isso com o que a gente tem?’, e arrumava um jeito”.

Além da criatividade, boa parte da produção do filme se deve á ajuda e boa vontade de várias pessoas. Atores, músicos e maquiadores trabalharam de graça, bem como uma legião de zumbis empolgados com a idéia. Como disseram os próprios produtores, “A equipe de A Capital dos Mortos na verdade é gigante. Eu e o Rodrigo organizamos tudo, mas a produção se deve em grande parte também ás várias pessoas que deram apoio pra gente”.

A Capital é um filme aberto pra quem quiser ajudar. Isso foi bom tanto pros caras, que com isso conseguiram tanto ajuda na produção quanto na publicidade do filme. “Todo mundo aqui provavelmente conhece alguém que foi zumbi”, disse Rodrigo. “Muito do marketing do filme foi espalhado pela boca do povo, mesmo. Uma porção de gente convidou os amigos e até parentes pra participar das filmagens. É o contrário do que acontece em outras produções, onde se exige de quem quiser ser zumbi que mande um e-mail com foto pra que eles analisem se o cara pode exercer o papel ou não. Na Capital não foi assim. Quem quisesse ser zumbi só precisava aparecer nas gravações. Toda ajuda foi e ainda é muito bem-vinda”.

 Miooolosss!

Perguntados sobre os outros filmes do gênero sendo produzidos no Brasil, os caras citam o média mineiro Era dos Mortos, de Rodrigo Brandão, uma produção muito bacana, segundo eles; e Mangue Negro, do Espírito Santo, que começou a ser produzido poucos meses depois que a Capital, e parece extremamente bem feito, além de ter tem uma idéia original.

A história do filme parte da profecia do padre Dom Bosco, que em 1883 teria profetizado a construção de Brasília. á profecia do padre foi adicionado pelos produtores que ele teria visto que o apocalipse começaria a acontecer aqui. O filme gira em torno de um grupo de amigos, dos quais alguns são fãs de zumbis que várias vezes se imaginaram nessa situação, pensando no que fariam caso uma infestação de mortos-vivos realmente acontecesse. “A gente tentou dar um realismo maior pros personagens. Você não vai ver aquele negócio da mocinha ouvir um barulho sinistro e entrar no quarto pra descobrir o que é, enquanto ela poderia simplesmente sair da casa. No filme, os personagens são sobreviventes, não estúpidos“. A história é bem equilibrada, segundo Tiago, tendo boas cenas de drama, ação, alguns momentos de comédia e outros de neutralidade. E gore, claro. Sustos, gore e nudez o suficiente pra agradar os fãs, mas não em exagero a ponto de estragar o filme. Aliás, a nudez do filme é justificada, não é gratuita.

 Os heróis. Ou vítimas, se preferir.

Como o filme é independente, os dois produtores puderam ajeitar cada detalhe exatamente como queriam, como uma das capas escolhidas para o DVD – que tem uma cara de folheto de cordel-, criticada por alguns dos fãs do filme. A idéia foi dar uma cara mais brasileira pro filme, fugindo dos clichês das capas comuns de filmes do gênero.

Tiago diz que quer, se possível, transformar o filme numa trilogia. “Meu sonho mesmo como produtor é lançar um box com os três filmes. Ou quatro, sendo um só de material extra. O dia em que eu conseguir isso eu posso até me aposentar”. O roteiro para o segundo filme já foi iniciado, e o diretor espera conseguir dinheiro suficiente com a venda dos DVDs pra começar a produção da continuação. “Não dá pra achar que todo mundo vai comprar o filme, claro. Eu tenho alguns desafetos que tão só esperando o filme ser lançado pra disponibilizar ele por torrent. Muita gente vai baixar o filme na net, isso é inevitável, mas eu acredito que também há quem queira prestigiar o trabalho comprando o DVD, que terá muito material extra”.

O filme, agora já pronto, será exibido no começo de abril (ou talvez ainda no final de março, segundo a comunidade do filme no orkut), tendo algumas das exibições já confirmadas. Os caras só esperam a confirmação de mais locais pra divulgar as datas. Isso pra evitar que só se espalhe a notícia de uma exibição e no dia apareçam 300, 400 pessoas em uma sala que comporta 70 ou 80. Quanto ás reclamações sobre a demora para o lançamento do filme, Tiago pede paciência. A idéia é dar prioridade á qualidade do filme, evitando os problemas de um lançamento apressado e sem o devido planejamento.

A trilha sonora do filme foi toda composta por Renan Fersy, e conta também com o som da banda local DEVICE, além de duas canções de MPB interpretadas pelas artistas Ingrid Mara e Lorena Lira, compostas exclusivamente pro filme, uma por Brioni Capri e a outra por Vithor Hugo.

A Capital dos Mortos, na minha opinião, é uma excelente aposta entre os filmes independentes. Com certeza eu recomendo a todos que comprem os DVDs, porque a idéia merece uma continuação. Palavra de zumbi.

Mais informações sobre o filme podem ser vistas na comunidade de A Capital dos Mortos no Orkut.

 Tripas! Sangue! Gore!

CONFIRMADA A DATA DE ESTRÉIA!

Dia: Sexta Feira, 2 de maio
Local: Cine Brasília! EQS 106/107 (Asa Sul)
20:00h – Abertura do festival: Seleção internacional… parte 1
21:00h – Competição Nacional e local (filmes brasilienses)
*22:00h – Sessão Maldita (Hors Concours)… A CAPITAL DOS MORTOS

(Hors Concours é um termo francês e significa fora do concurso, ou seja, A Capital dos Mortos não está competindo no festival.)

Agora vamos tentar levar o filme para mais cidades! Saiba aqui como.

Leia mais em: ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito