Overdose Nicolas Cage: Tá na Hora de trocar de agente!

Primeira Fila sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

NICOLAS CAGE

Seu nome Nicolas Kim Coppola, este sobrenome pode parecer familiar e é, Nicolas Cage é sobrinho do grande diretor Francis Ford Coppola (da cinessérie O Poderoso Chefão) e, consequentemente, primo da cineasta Sofia Coppola (Encontros & Desencontros e Maria Antonieta). Mesmo tendo este sobrenome Nicolas abdicou dele para não ficar á sombra ou mesmo sob pressão da família, o tempo mostrou que a escolha de Cage estava corretíssima, mesmo assim ele trabalhou com o tio por diversas vezes no início de sua carreira ( Picardias Estudantis, ainda com o nome Nicolas Coppola, e Peggy Sue, Seu Passado a Espera).

cageCage ao natural

Após algum destaque em Asas da Liberdade e Peggy Sue, a carreira de Cage deslanchou em 87 nas comédias Arizona Nunca Mais, dos irmãos Coen, e Feitiço da Lua, de Norman Jewison, que rendeu um Oscar a Cher. No entanto, nos anos seguintes, com exceção do trabalho com o sempre estranho diretor David Lynch, em Coração Selvagem, Cage já demonstra problemas com seu agente ao aceitar as ofertas pelas comédias “bombas” como O Guarda-Costas e a Primeira-Dama e Atraídos pelo Destino, aquele filme que virou questão do “Você Decide”, você dividiria o prêmio da loteria com um desconhecido somente por ter dado sua palavra que o faria se ganhasse o grande prêmio?

Neste momento houve a grande virada, Cage sempre adepto á personagens excêntricos, mergulha de cabeça em Despedida em Las Vegas (ou na bebida), como um bêbado que decide ir a Las Vegas e beber até morrer, mas antes encontra uma prostituta por quem se apaixona (vale lembrar que Elisabeth Shue surgiu neste filme, mas, também, já ingressa na série Tá na Hora de Trocar de Agente). Com um Oscar (merecido) debaixo do braço, Cage resolveu ganhar dinheiro, nada mais justo, em menos de seis anos protagonizou 10 produções “mais comerciais” trabalhando com os mais reconhecidos diretores atuais. Eis a lista:

despedidaCage novinho no papel de sua carreira, o bebaço Ben Sanderson, em Despedidas de Las Vegas

A Rocha, de Michael Bay, ação bem bacana;
Con Air – Rota de Fuga, de Simon West, ação exagerada;
A Outra Face, de John Woo, excelente;
Olhos de Serpente, de Brain De Palma, suspense “meia-boca”;
Cidade dos Anjos, de Brad Siberling, romance açucarado demais;
Vivendo no Limite, de Martin Scorsese, suspense perturbador;
Oito Milímetros, de Joel Schumacher, suspense “meia-boca” mas com um tema muito interessante;
60 Segundos, de Dominic Sena, ação+carros+Angelina Jolie, pena o roteiro tão mixuruca;
Um Homem de Família, de Bret Ratner , sacarina sobrando numa história sobre escolhas;
O Capitão Corelli, de John Madden, insuportavelmente chato;
Códigos de Guerra, de John Woo, filme de guerra que não acrescenta nada ao gênero;

outrafaceA Outra Face: excelente escolha neste filmaço de ação, se todas as escolhas fossem assim…

Com estas escolhas Cage viu sua carreira balançar, daí resolveu arriscar na comédia incompreendida, mas bastante premiada, Adaptação, de Spike Jonze com o roteiro sempre curioso de Charlie Kaufman (de Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças). Acertou na escolha e voltou a ser indicado ao Oscar, desde então Cage para cada acerto erra em dois ou três filmes (errando feio, diga-se de passagem).

motoqueiroAtor adepto á perucas

O Vigarista, de Ridley Scott, por mais estranho que seja Ridley Scott (diretor de Gladiador e O Gângster), até que consegue se virar numa comédia, diverte;
A Lenda do Tesouro Perdido, de Jon Turteltaub, filhote de Indiana Jones, pipoca;
O Sol de Cada Manhã, de Gore Verbinski, apesar do bom elenco o filme não se define entre comédia e drama;
O Senhor das Armas, de Andrew Niccol, um filme impressionante;
O Sacrifício, de Neil LaBute, fundo do poço;
As Torres Gêmeas, de Oliver Stone, blá-blá-blá ufanista americanóide;
Motoqueiro Fantasma, Mark Steven Johnson, adaptação sofrível, pelo menos, tem a Eva Mendes;
O Vidente, de Lee Tamahori, Nicolas Cage com a peruca de Tom Hanks em O Código da Vinci, e Julianne Moore pagando as contas, ninguém merece;
A Lenda do Tesouro Perdido – Livro dos Segredos, de Jon Turteltaub, se foi divertido como o primeiro, estamos no lucro;
Bangkok Dangerous, dos irmãos Pang, diretores chineses de Os Mensageiros, está para estrear em junho deste ano;

videnteMais uma peruca!

Sinceramente, Nicolas Cage é um bom ator (por vezes, excelente), mas nestes últimos anos o ator não tem conseguido manter uma regularidade de bons filmes, nem mesmo tendo o poder de escolher em quais projetos embarcar, seu agente tem que se aposentar com urgência ou Cage assume que “Tá na Hora de Trocar de Agente”, antes que veja sua carreira afundar como um Cuba Gooding Jr. da vida.

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Tati B

    Grande ator pouco consagrado ou requerido, Nicolas Cage é hj um dos melhores em Hollywood. Apesar de participar de filmes nao interessantes, acredito que o marketing de seu agente é: “quem é visto é lembrado”. Uma pena, pq alem de ficar queimado, tambem deixa de ser interessante…. Mas continuo sua fa.

busca

confira

quem?

baconfrito