Overdose Nicolas Cage: Resenha – Despedida em Las Vegas

Cinema sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

NICOLAS CAGE

Com Elisabeth Shue (Karatê Kid – A Hora da Verdade (!!!)) e Nicolas Cage, Despedida em Las Vegas, também conhecido como o filme em que Nicolas Cage ganhou o Oscar de melhor ator, é um filme… perturbador.

despedidaemlasvegas1.jpgClássicos olhos de peixe morto e… puta merda, que qualidade de foto.

Tudo começa em Los Angeles, quando Ben Sanderson (Nicolas Cage) é demitido da produção de um filme. O motivo? Porra, o cara é um PUTA alcoólatra. O cara então vai pro bar, sua igreja, e não deixa de xavecar a gordinha que ele encontra por lá. Mas isso é outra história. Ben pira de vez ao ver toda a sua situação e toma uma decisão: Morrer. Mas não uma morte qualquer, uma morte digna de Ben Sanderson. Uma morte em… Las Vegas. Bebendo. Beber até morrer.

Sem enrolação, o cara parte para Las Vegas, de carro mesmo, e se hospeda em um hotel qualquer. Sempre que preciso, o cara ia atrás de mais combustível (que não era pro carro, se é que você me entende), e se afunda cada vez mais. Conhece então uma prostituta, Sera (Elisabeth Shue), e a chama pra trabalhar em seu quarto. Mas o cara tá tão bêbado (ou convencido de que aquilo era melhor) que paga para ela… fazer companhia á ele. Sera é uma prostituta que é mal tratada por seu cafetão, além de já ter morado em Los Angeles também. Futuramente, os dois começam a se conhecer melhor.

despedidaemlasvegas2.jpgQuem precisa de um cabelo melhor?

É quando Sera o chama para morar em sua casa, com uma condição: Ben a respeitaria pelo seu emprego e Sera o respeitaria pela sua… decisão. É claro que eles começam a ter um sentimento ali, Sera começa a cuidar do cara e tenta o impedir de continuar, como todo clichê. Mas é claro que não dá certo.

No fundo, o filme mostra duas histórias paralelas, já que Sera acaba ganhando até mais destaque que Ben em um certo ponto do filme. Talvez seja pra dar uma variada, tendo em vista que todo mundo já tá cansado de histórias de bêbados por aí. Não que não estivessem cansados de histórias de putas, mas enfim: O filme é relativamente pesado e perturbador em certo ponto, como eu disse logo no começo. Nicolas Cage completamente bêbado e representando BEM o maldito papel que lhe custou um Oscar. Porra, véi, só sendo um bêbado pra ser premiado?

despedidaemlasvegas3.jpgCapa clichê, falaí.

Não considero uma história emocionante ou comovente, talvez até seja. Sem muitos clichês e com um pouco de exagero, bom filme pra você ver com seus amigos sóbrios (pra se poupar de piadas como “a partir de agora eu me chamo Ben, IC!”), ou com a sua namorada, que gosta de ver “filmes bonitinhos”. Este é um chute no saco. Mas não é dos melhores.

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • André

    Saudade do tempo que o Nicholas Cage fazia esse tipo de filme. Vocês deviam falar do Beijo do Vampiro, outro filme estranho e perturbador com o NIcholas Cage.

  • théo

    @André
    Hahaha, cara, pensei em colocar até Arizona Nunca Mais, mas infelizmente seria filme demais pra gente. Enfim, tá anotado pra um próximo lançamento do cara, belê?

busca

confira

quem?

baconfrito