Overdose Metallica: ReLoad

Música quinta-feira, 11 de setembro de 2008

METALLICA

Logo depois de ter lançado o Load, [Logo depois, no caso, um ano e meio depois], o Metallica foi na onda e lançou o ReLoad, que, como o próprio Lars disse [Acho que ele fala demais]: “É a segunda metade do Load. Só demorou um ano e meio pra vir.”
Inclusive, a idéia inicial era lançar os dois, Load e ReLoad como um álbum duplo.
E, enquanto o Load teve como capa a arte “Blood and Semen III“, o ReLoad usou “Piss and Blood“. Me recuso a explicar que piss é mijo.
O álbum também terminou com as experimentações do Metallica… Pelo menos no blues.

Vamos às músicas então:

Fuel tem um começo esmagador. Bateria que não te deixa parado e guitarra acelerada, enquanto o vocal manda o clássico “Gimme fuel, gimme fire, gimme that which I desire“. [E quem nunca cantou isso com um “Charizard” ai no meio, hein?]. Clássico instantâneo, foi regravado até pela Avril Lavigne. Sem mais, essa porra de música é foda pra caralho.

The Memory Remains, apesar de não ter a mesma pegada, também é considerada, por mim, uma ótima música. Meio lenta, sim, mas quem liga? As batidas são bem marcadas, a guitarra não se esconde, pelo contrário: faz questão de marcar presença. E o vocal voltando àquela porra de coisa mais rasgada que a gente tá acostumado. E aquele backing vocal que fica “Laralala” e tal é bizonho, mas ao mesmo tempo legal. E quando cê acha que terminou, a música te pega de calças arriadas. Só essas duas primeiras já são mais Heavy Metal que o Load inteiro, PORRA!

Devil’s Dance vem com uma bateria meio quieta, mas não se deixe enganar, pois a guitarra logo mostra à que veio. Depois, dá uma diminuida na velocidade, mas não perde peso. Tudo bem, não é tão foda quanto Fuel, mas mesmo assim, segura bem o nível do álbum. E o solo é daqueles que você ouve e pensa: “WTF?”

The Unforgiven II é uma seqüência ao single do Black Album. Mas eu reconheço essa mais facilmente que a primeira. Clássico das rádios no final da década de 90, quando eu era uma criança estúpida que não sabia o que era boa música, mas já gostava dessa porra. Pois é, mau gosto é uma coisa reversivel, olha que beleza. Quem sabe você não consegue salvar a sua irmã que ouve axé? Ou manda ela pra mim. (heh)

Better than You começa em silêncio. Seria isso um mau sinal? Nada, é só pra te deixar preocupado mesmo. Logo entra a guitarra com um riffzinho bonito e a bateria, sem força, mas sem moleza. Não chega a comprometer o álbum, mas eu dei uma distraida durante essa música. Se bem que vai ficando mais empolgante no final.

Slither chega meio estranha, nem parece música, mas uma conversa entre o vocal e os instrumentos. Mas isso logo termina e aquela batida que é bem Metallica já vem dar o ar de sua graça. É uma música lenta, mas nem por isso menos pesada, com o vocal variando de tom igual uma puta no cio e um solinho nervoso que deixa a música mais agradavel. É incrivel como tem música que começa morna e vai melhorando.

Carpe Diem Baby me deu a impressão de ser uma continuação da música anterior. Mas só até o vocal começar a desfiar os versos naquela calma, tão diferente dos berreiros do Metallica. A guitarra dá uma cambaleada aqui, deixando a bateria totalmente a vontade pra dominar, que é o que acontece. Mas mesmo assim, a música não engrena como deveria.

Bad Seed parece voltar à experimentação do Load, inicialmente. Mas logo os caras se tocam e tocam direito. Guitarra volta a dominar a cena. Ou melhor, volta a aparecer, já que a bateria não tem como ser abafada. A música pelo menos recupera a pegada que a outra perdeu, mas a empolgação pede mais que isso pra retornar.

Where the Wild Things Are traz uma guitarrinha tocando de leve, e o vocal sussurrando. Mas logo a bateria lembra todo mundo: “Ei, eu tou aqui!”. O problema é quando a música diminui a marcha, se tornando pegajosa. Não no sentido de grudar na sua mente, mas de ficar viscosa. Sorte que isso não dura muito. E o solo tarda mas não falha, afinal, não é o St. Anger que você está ouvindo.

Prince Charming vem com tudo na guitarra, fazendo você se mexer. Não chega a ser Thrash, mas é quase, manja? Rápido e sujo. É agora que cê pega o lança-chamas improvisado e derrete o Load. Até essa música mediana é melhor que aquela bosta. Essa joça dá vontade de bater cabeça! E eu não tava botando fé nela.

Low Man’s Lyric é clássica. Eu só não sabia que ela era ela. Puta música foda! A guitarra roçando de leve, a bateria que só marca o ritmo, uma coisa suave, mas que cê presta toda a atenção do mundo. Alguns mais frescos chegam a dizer que essa música aflora o lado fenfivel da pessoa. Se, depois de ouvir isso, você sentir vontade de “Dancing Queen” do ABBA, cuidado!

Attitude puxa de volta o espírito Metallica com suas batidas marcantes e os power riffs da guitarra. Só acho o vocal meio burocrático. Tá lá porque tá, não tem o mojo… A música seria muito melhor se fosse instrumental, o solo só cofirma essa minha idéia, mas já tá ae mesmo, então deixa assim.

Fixxxer fica com firula logo no começo, guitarras fazendo nhé nhé nhé, isso enche. Por isso que a batera já mói e fala: “Vamo parar de viadagem aqui?” Ai a música engrena. E vai ficando mais empolgante conforme vai indo. O porém é que vai perdendo força na metade. Mas só um pouquinho. Depois volta a tocar riffs maneiros. Mas a música já não tá com tudo aquilo.

Conclusão final: ReLoad foi meio que uma coletânea de clássicos não lançados mesmo com algumas músicas meia-boca no rolo. E tenho dito.

ReLoad – Metallica


Lançamento: 1997
Gênero musical: Heavy Metal
Faixas:
1. Fuel
2. The Memory Remains
3. Devil’s Dance
4. The Unforgiven II
5. Better than You
6. Slither
7. Carpe Diem Baby
8. Bad Seed
9. Where the Wild Things Are
10. Prince Charming
11. Low Man’s Lyric
12. Attitude
13. Fixxxer

Leia mais em: ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • CARALHO UMA NOTA MAIOR QUE 4

  • @théo
    É que cê não viu a nota que o St Anger vai ter se o Moura debizar

  • @Pizurk
    Bacana é que seu comentário vai riscar tudo, agora. Acho isso foda, é como se a opinião de ninguém mais fosse RELEVANTE. AOE POWER!

  • Eu não daria nota 9.. e sim uns 8,75
    aushuahs
    Brincadeira..
    o CD ta fodastico.. serio.. fico mto bom Point for Metalica!
    XD

    AOE power.. Que medo que eu tenho de vc Théo! Oo

  • Neto

    Porra , tinha que ser a mesma pessoa resenhando todos os cds do Metallica.

    Assim fica tosco , …And Justice For All com nota menor que essa bosta que é o Reload

    Aliás , é bom tu dar uma revisada nessa tua religião Pizurk… dar nota 9 pra esse cd tu forçou ein…

  • @théo
    Eu não fechei discussão nenhuma, assim como eu discordo de muita coisa que todo mundo escreve, podem discordar do que eu escrevo.

    @Neto
    Tem gente que ouve Linkin Park e CPM22
    Eu acho que o ReLoad merece um 9, os comentários tão ai pra isso, pra você dar a sua nota.
    Mas eu até concordo com você, faria mais sentido um só resenhar.
    Mas ninguém ia querer resenhar Load/ReLoad/St. Anger.

  • Ches

    hahhaahhah…
    Não curto muito esse CD do Metallica prefiro o Load.

  • bushidokill

    porra o cd tah fodaa demais apesar de umas musicas desanimarem merece 9 !!

busca

confira

quem?

baconfrito