Overdose Metallica: Load

Música quinta-feira, 11 de setembro de 2008

METALLICA

Esse foi o principio do fim pra boa parte dos xiitas fãs tr00 from hell do Metallica. Cinco anos depois do Black Album, os headbangers do mundo todo babavam e esperneavam por algo novo da banda. E, pra delírio dos fanaticos, o produtor ia ser o polêmico Bob Rock. O porém é: O disco foi lançado, e começou o mimimi…
Ah, eles se venderam…
O que não é mentira, tavam ganhando uma grana. O que aposto que foi a idéia desde o princípio. Ou alguém ae imagina os caras sonhando, no começo da carreira: “Ah, vou mudar o mundo, trazer a paz mundial com a minha música, e sem exigir nada em troca, nem mesmo uma groupie safada.” Até parece, se liga…
Isso não é Thrash!
Certo mais uma vez. Eles largaram de vez o Thrash e focaram no Heavy Metal. E sabe porque? Isso se chama evolução… do Metallica.
E chega de enrolação, vamos ao álbum em si:

Ain’t My Bitch começa com uma bateria melosa, meio sem vontade, como que pegando no tranco. A guitarra entra num riffzinho feladamãe de safado, sem velocidade, mas que te faz bater o pé. A voz malemolente do Hetfield cantando como quem tá ninando alguém, bem diferente dos berros do início de carreira… A música em si é uma grande gelatina: Não que não se sustente, mas não é lá grande coisa. Não é minha puta, mas é uma putaria…

2 x 4 já é um pouco mais acelerada, com a bateria pegando mais legal agora. A guitarra chega mais malemolente, com mais vontade, mas o vocal continua em ponto morto. E contagia o resto da banda, que vai derretendo durante a música. Se foder, se eu quisesse dormir desligava o som e ia pra cama. O que prometia mais empolgação chega a ser pior que a outra música.
E sabe o pior? A música desacelera MAIS AINDA… Retiro o que disse sobre ir pra cama, tá me dando sonzzZZZZZZ… Opa, um solinho bem mequetrefe, acordei! Ih, caraio, tem mais um pouco de canção de ninar, melhor ficar esperto…

The House Jack Built tem uma introdução [Ui!] mais metálica [Sacou?], mas de novo vem uma voz calma, que irrita. E o começo mostra que era só um começo, e a música em si é mais lenta que a anterior. Se é que isso é possível. Mas com a bateria burocrática e a guitarra insossa, somadas a já citada voz de “vou te pôr pra dormir”, você queria o que? Eu disse que o disco é Heavy Metal? Eu quis dizer Sleep Metal. Pelo menos até aqui.

Until It Sleeps começa parecendo que vai ser pior ainda, mas quando a guitarra entra com aquele riff mais elaborado, cê já pensa: “Epa, agora sim vai começar a brincadeira de verdade.” E a batera não desaponta. Pelo menos na parte empolgante da música, que tem dois tons: O mais leve, bonitinho e o pesado, feio. Podiam ter feito só pesado e feio, ia ficar muito melhor. Mas pelo menos a coisa melhorou. Não a ponto de um “AGORA VAI!”, mas melhorou… O sono foi embora.

King Nothing vem com a guitarra fazendo barulhinhos, e cê pensa: Que MERDA é essa? A bateria vem, fazendo mais barulhinhos, e agora você tem certeza: Essa música é uma bosta. Ai a guitarra toma forma e você descobre porque é um noob. Ou não, porque a música nem é tão boa assim… Não chega a dar vontade de pular a música, mas também não dá vontade de continuar ouvindo. Espero que não volte àquela seqüência de músicas de ninar.

Hero of the Day, pelo menos, salva. Não o álbum todo [A menos que você estivesse considerando quebra-lo], mas salva sua mente. A batida é leve, a guitarra não aparece tanto, o vocal tá suave, mas mesmo assim a música ficou boa. E o melhor é que ela não fica nessa lenga-lenga, do meio pra frente ela fica um pouco mais pesada. Um pouco, eu disse, não se empolgue. Você pode bater o pé no chão, mas não acho que vá querer balançar a cabeça.

Bleeding Me dá a impressão que vai se arrastar antes mesmo de começar. Porra, 8:19 de música! E pra aumentar o seu cagaço, fica uma viadagem desgraçada no começo. O vocal, quando começa, é inaudível! E da-lhe bateria manhosa e guitarra fresca. Quem güenta isso? Nas poucas aceleradas, quando parece que vai engrenar… Cuén, cuén, cuén. Quase, mas não foi. E quando parece que a música acabou… A guitarra se anima!
RRÁ! PEGADINHA DO MALLANDRO! Continuou a mesma josta por mais três minutos. Só o solo salva a música da minha vontade de completa obliteração da própria mesmo.

Cure, em compensação, vem com uma bateria mais maneira e a guitarra mais empolgada, sem contar o vocal grave, incrivelmente. Mas pelo menos essa tem pegada. Será que o álbum toma jeito, finalmente? Apesar de alguns trechos bem melequentos, a música até empolga. De leve.

Poor Twisted Me nem parece que começa, dá a impressão que as guitarras tão sendo afinadas. Até que começa a pegada de blues, o que é bem legal. Apesar de que você espera algo mais pesado, vindo do Metallica. Mas o começo do álbum já estripou essa idéia mesmo… Então, se você se levar pela idéia, a música até que é divertida.

Wasting My Hate parece que vai cagar de vez na sua cabeça, mas que bom que nem sempre o início se mantem. Finalmente uma música com cara de Metallica. Ou de um cover meio estranho. Acelerada, mas nem tanto. Com batida, mas sem violêcia. Mas, até agora, a melhor do álbum. O que não é grande coisa, também…

Mama Said vem com um dedilhado maroto. E o vocal soturno pula na sua frente como um mendigo que te pede um real. Ou, no caso, sua atenção. Mas o mendigo de repente toma forma, fica encorpado, enche sua mente. E depois murcha novamente, tal qual um balão. E assim vai, a música toda: Se expande, se impoe; pra logo em seguida se esconder e mal ser notada. Isso sim é uma baladinha: Não é um cocô completo, até dá vontade de ouvir. Se bem que isso pode ser só reflexo da bosticidade das anteriores… Ou então é por ser uma canção sobre mães. Aquela do Ozzy também me afeta.

Thorn Within vem com uma guitarra pesada, o que até dá esperanças pra você. A bateria, só marcando a batida, te deixa esperando. Mas ai vem o vocal, pra variar, e broxa todo mundo, principalmente você. A música era promissora, e desmancha feito um castelo de areia. Fazer o que… Calma, calma, não taque fogo no seu cd ainda, tá acabando. E no fim ela melhora um teco, viu como valeu a pena não pegar a marreta?

Ronnie já cai matando com um riff foda. E finalmente uma música cumpre o que o início promete. Porra, retiro o que disse, ESSA é a melhor do álbum. O vocal convence, a guitarra toca de maneira que empolga, e a bateria se faz presente.

The Outlaw Torn fecha o álbum mais longo dos caras [78:59] com uma música quilométrica: 9:47. E que era pra ter 10:48! Mas isso ia zoar o cd mais ainda e tal.
Parece que começa bem, mas, pra variar, as esperanças caem por terra com um negócio totalmente estarrecedor. Vocal que parece com dor de barriga [E das ruins], guitarra sumida, bateria tão densa quanto um papel crepom. E tudo isso se arrastando por tanto tempo te faz ter idéias homicidas. Direcione isso corretamente: Mate os caras maus. Tipo aquele filho da puta que toca Créu no carro no último volume no meio de um engarrafamento, onde as chances de uma gostosa começar a dançar são próximas à zero. E olha só, enquanto eu divagava aqui, a música ganhou algum conteúdo, ou peso, ou chame como quiser, mas melhorou. E é só falar que ela murcha de novo, se foder. Cês me zicam demais.

Por fim, duas considerações: A capa se chama “Semen and Blood Ill”, e foi criada pelo fotógrafo Andres Serrano. E é basicamente isso mesmo que você leu: Esperma e sangue. No caso, esperma do próprio cara, e sangue bovino. Tudo isso no recheio de duas placas de acrílico.

E o que Lars disse do Load: “Esse álbum e o que nós fizemos com ele – isso, pra mim, é o que o Metallica é capaz: explorar coisas diferentes. No minuto em que você parar de explorar, então apenas se sente e morra, caralho.”

E sabe o que acabou se tornando essa exploração? St. Anger… Mas isso é pra uma outra resenha, mesmo.

Load – Metallica


Lançamento: 1996
Gênero musical: Heavy Metal
Faixas:
1. Ain’t My Bitch
2. 2 × 4
3. The House Jack Built
4. Until It Sleeps
5. King Nothing
6. Hero of the Day
7. Bleeding Me
8. Cure
9. Poor Twisted Me
10. Wasting My Hate
11. Mama Said
12. Thorn Within
13. Ronnie
14. The Outlaw Torn

Leia mais em: ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Bel

    CADÊ A NOTA?

  • Bel

    ok, já vi. culpe o vinho.

  • Como assim 5? Eu acho Load o melhor álbum deles. Foi quando eles tomaram vergonha na cara, tomaram um banho e tomaram martini. Ente outras coisas, tipo fazer clipe inspirado em Bosch com direção do Anton Corbjin.

    Fora que o álbum é exatamente a capa. Esperma e sangue. Sexo com um pouquinho de violência (e ninguém precisa de porrada pra ser violento).

    Mas o melhor MESMO, é ver um monte de cabeludo porco de camisa preta-cinza chorando por conta de uma banda.

  • Andres Serrano merece um post a parte. Ele faz umas coisas muito fodas.

    entre*

  • Capitão Piratão

    Concordo com a natália. A capa define o álbum: o Metallica resolveu FODER com a boa vontade dos fãs. Rancar todas as pregas e tudo mais.

    E concordo com o “como assim 5?”, também. Os caras podem até ser o Metallica, mas ce não precisa ser BONZINHO e aumentar a nota só por isso.

  • Talvez eu goste desse álbum porque eu ODEIO Metallica. Ô, banda chata dos infernos.

  • Ches

    Acho Hero of the Day uma música do Caralho!
    Apesar de ser meio lenta,não sei,tem algo nessa múscia que a torna fascinante!

busca

confira

quem?

baconfrito