O Fim dos X-Men

Nona Arte quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Durante os seus 40 anos de publicação, os X-Men sempre foram os personagens mais “perseguidos” da Marvel. Massacre de Mutantes, Operação Tolerância Zero, Decimação M, o já extinto vírus Legado… E agora o arrasador Messiah Complex (Complexo de Messias, ainda sem data de publicação no Brasil). Parece que a raça mutante nunca terá descanso. E se tiver, certamente não será agora.

Messiah Complex, evento em 13 partes que encerrou nesta semana, causou grandes modificações no universo mutante. Vidas foram tiradas, e nada será como antes. Começa “Divided we Stand”.

Uncanny
Uncanny X-Men

Os X-Men não existem mais. Os mutantes restantes não tem para onde ir, e devem repensar o sonho de Xavier para decidir se a coexistência pacífica com os humanos ainda é uma opção. Enquanto isso, o Homem de Ferro faz uma proposta á Ciclope, um plano para proteger a raça mutante… Irá ele aceitar?

Esta não é a primeira vez que os X-Men se desbandam, e creio que também não será a última. De qualquer forma, eu estou bastante curioso quanto ao futuro dos personagens mais originais da Marvel.

X-Force
X-Force

Todo mundo sabe que os X-Men não matam. Mas estes não são os X-Men. Com o fim de Messiah Complex, Ciclope percebe que alguns inimigos devem ser neutralizados permamentemente, sem que os X-Men saibam. Surge então a X-Force, formada por Wolverine, Warpath, X-23 e Wolfsbane.

O que se pode esperar de uma revista que reúne os membros mais frios dos X-Men? Muita violência, no mínimo. Eu imagino que X-Force será a versão mutante dos Thunderbolts. Aguardo ansiosamente.

X-Men: Legacy
X-Men: Legacy

O passado se torna o presente enquanto Xavier trava a maior batalha de sua vida. Com sua mente em jogo, um passo em falso pode causar danos irreversíveis. E a ajuda vem de uma fonte inesperada: Seu ex-arquinimigo, MAGNETO.

Não se sabe muito sobre esta revista, e as capas reveladas só contribuem para o mistério. Mas ver Magneto e Xavier se degladiando sem poderes já deve valer algo.

X-Factor
X-Factor

A agência de Maddrox está em crise. Se sentindo culpado pelo que aconteceu com Layla, Maddrox tem uma coisa em mente: Vingança, e os Purificadores estão na mira. Mas estará ele pensando em uma missão suicída? Wolfsbane deixa a equipe para se juntar á X-Force. Rictor e Guido seguem viagem. E alguém sabe algo sobre Layla, mas não está compartilhando a informação… E alguém está grávida!

X-Factor é, desde sua estréia, a melhor revista entre os títulos “X”. Eu espero que continue assim. E sinceramente, acredito que continuará. Esse clima pesado será uma boa adição ao estilo “noir” da revista. Porém, acho que o tão apreciado humor se ausentará um pouco.

Wolverine
Wolverine

Assim como Maddrox, Logan busca vingança. Mas quem é o alvo de sua fúria, e que segredo os dois compartilham? E quão longe Wolvie está decidido a ir para conseguir o que quer?

A revista do baixinho canadense sempre foi composta de altos e baixos. Esse último volume que o diga. E Wolverine em busca de vingança é uma idéia batida e de certa forma instável. Só nos resta esperar.

Cable
Cable

O futuro da raça mutante é decidido aqui. Cable foi encarregado de uma missão que pode salvar os mutantes… Ou os levar á extinção, caso falhe. E em sua trilha está um inimigo impiedoso que não irá parar até que sangue seja derramado. Não importa onde, ou quando, Cable corre.

Cable é um personagem tulmutuado, grande parte graças ao fato de ter sido co-criado por Rob Liefeld. Eu particularmente só me interessei pelo personagem por causa do título que ele costumava dividir com Deadpool (também co-criado por Liefeld). Prefiro não afirmar nada.

Young X-Men
Young X-Men

Após Messiah Complex, não existem mais X-Men, e os jovens mutantes Rockslide, Blindfold e Dust estão sozinhos e sem direção. Até o dia em que Ciclope os recruta para caçar a nova encarnação da Irmandade de mutantes… E matá-los. Junto á novos recrutas, os jovens X-Men aprendem uma dura verdade sobre o mundo pós Messiah Complex: Antigos aliados podem se tornar inimigos mortais.

Confesso que não gostava dos Novos X-Men, mas essa idéia de combate mortal contra uma nova Irmandade parece legal. E estou curioso para ver quem são esses antigos aliados.

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • joao

    7 novas revistas pra baixar,apreciar e se surpreender!

  • Olha, legais eram os gibis da Mônica, que tu podia comprar 25 mil e as histórias nunca se intercalavam e tu não precisava comprar os outros 150 gibis pra entender o que tinha acontecido no volume 13.429.

    Se bem que eu entendo tanto de quadrinhos quanto de turbina de avião. Vuuuuuuush

  • niptuck

    O que mais gosto em hqs é que as histórias se intercalam. Elas se passam no mesmo Universo, no mesmo planeta, no mesmo país, e normalmente até na mesma cidade. Se não tivesse relação seria no mínimo estranho.

  • Diego

    analisando pela ótica do niptuck, a turma da monica tb se intercala … pois é no mesmo Universo, mesmo planeta, e assim por diante…

  • Marco

    De novo. De 5 em 5 anos inventam algo pra vender mais revista dos X-Men. Na última revista que li desses caras, a dupla de criação ainda era Claremont & Lee, ninguém nem pensava em Image ou coisa do tipo. Lia pra ver qual era a graça dos X-Men, e nunca encontrei a dita cuja. Achava o tal universo mutante inverossímil demais, até mesmo pra quadrinhos. Tô vendo que continua a mesma coisa. Mas eu gostava da X-Force de Cable, Míssil, Shattestar e cia… bem menos frescos que os X-Men.

  • Soares Feitosa

    Minha filosofia: os X-men começaram com o John Romita Jr. e Dennis Onneil, deram uma pausa com a saída do John Byrne e do Terry Austin, depois retornaram marromenos com o Grant Morrison, que conseguiu demonstrar que não havia mais nada de interessante para escrever sobre os mutantes; ah, e o homem aranha morreu naquele planeta estranho de Secret Wars. Tudo o mais que foi escrito entre ou depois dos períodos que eu mencionei é pura perda de tempo.
    Concordo com Raphael. Gibi legal é aquele onde a palavra ‘continuidade’ é proibida.

busca

confira

quem?

baconfrito