O Cinema de Stephen King

Primeira Fila sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Preparando as abóboras e a fantasia para a semana do Halloween que está se iniciando? Pois bem, resolvi pegar carona no tema e homenagear o maior escritor do gênero terror, Stephen King, com certeza o mais adaptado em filmes, curtas, mini-séries, séries e filmes televisivos.

kingO Mestre do Horror Moderno

Tendo seu nome associado, segundo o IMDB, em mais de 100 projetos audiovisuais, Stephen King, possui uma lista inenarrável de obras adaptadas para a telona. Em comum, além de quase todos se passarem em Maine, a maioria dos filmes são toscos e ruins, porém, normalmente, quando são obras adaptadas por diretores conceituados e possuem uma produção de primeira o sucesso é garantido. Por incrível que pareça seus filmes mais reconhecidos pelo grande público e crítica são os dramas e suspenses psicológicos.

Exemplo disso, quem não assistiu ao clássico da Sessão da Tarde, Conta Comigo (adaptado da novela O Corpo, da coleção Quatro Estações), que tinha direção de Rob Reiner, num filme sobre amizade e nostalgia, acabou revelando nomes como River Phoenix, Jerry O’Connell e tinha no elenco também Kiefer Suhterland e Richard Dreyfuss. Ou os excelentes dramas de presídio, Um Sonho de Liberdade (adaptado da novela Os Condenados de Shawshank, da coleção Quatro Estações) e á Espera de um Milagre (adaptado da obra O Corredor da Morte), filmes com alta carga dramática que foram, coincidentemente, dirigidos por Frank Darabont e tinham no elenco nomes como Tom Hanks, Tim Robbins e Morgan Freeman.

No que se refere aos suspenses psicológicos, os melhores filmes de King adaptados para o cinema foram Louca Obsessão (adaptado do livro Angústia), que contava a história de uma fã de um escritor que passava a cuidar do mesmo quando este sofre um acidente perto de sua casa, James Caan e Kathy Bates, ganhadora do Oscar por seu papel, fazem parte do elenco. Outro exemplo, este desconhecido, é O Aprendiz (adaptado da novela Aluno Inteligente, da coleção Quatro Estações), não o programa de Roberto Justus, mas sim, um suspense tenso e com interpretações inquietantes de Ian McKellen (Magneto do X-Men) e do sumido Brad Renfro, sob a direção de Bryan Singer (Os Suspeitos e X-Men).

Alguns filmes adaptados de Stephen King já são considerados clássicos do gênero terror como os excelentes Carrie – A Estranha (adaptado do livro homônimo) com a direção de Brian DePalma e os “novatos” na época Sissy Spacek e John Travolta no elenco; e, a que considero a melhor adaptação de sua obra, O Iluminado (adaptado do livro homônimo), com direção do mestre Stanley Kubrick e com o excelente ator Jack Nicholson, que marcaram a história do cinema recente com cenas como a onda de sangue jorrando quando abre a porta do elevador ou mesmo a cara de louco de Nicholson indo matar sua esposa que se esconde no banheiro, só para citar algumas. Outros podem ser considerados clássicos mas, de qualidade duvidosa, como Colheita Maldita (adaptado da história As Crianças do Milharal, do livro de contos Sombras da Noite) e suas inúmeras continuações, até onde eu saiba foram 7 e O Cemitério Maldito (adaptado do livro homônimo), que teve somente (?) uma continuação.

iluminadoAdivinhe quem veio para jantar?

Os fãs mais fiéis dos textos de King, normalmente, elogiam as mini-séries que a tevê americana adapta de seus livros pois são quando tramas e personagens são melhores trabalhados num formato de maior duração. São alguns exemplos: It – Uma Obra Prima do Medo (adaptado do livro O Coisa), A Dança da Morte (adaptado do livro homônimo), Fenda no Tempo (adaptado da novela Langoliers, do livro Depois da Meia-Noite), Rose Red – A Casa Adormecida (roteiro original de King) e, atualmente no ar, em sua recém terminada sexta temporada a série The Dead Zone (baseado no filme de mesmo nome dos anos 80).

Se você já achou muito saiba que ainda há diversos projetos do autor sendo adaptados no momento, 1408, estréia no dia 02 de novembro (leia a crítica aqui) e O Nevoeiro, com estréia prevista para 21 de dezembro, este último com direção de Frank Darabont, numa agora trama de suspense sobrenatural. Para 2008, a mini-série televisiva The Talisman e o filme From a Buick 8. Para 2009, a mini-série televisiva Faithful: Two Diehard Boston Red Sox Fans Chronicles the Historic 2004 Season (quase não consigo escrever tudo!), obviamente que não é um terror, e o filme Cell, com direção de Eli Roth (de O Albergue).

elenconevoeiroElenco de O Nevoeiro esperando a nova adaptação de Stephen King

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Leandro

    Sthepen King $_$

  • :O eu

    Urrul listão, vc não citou jerusalem’s lot pq acho ruim?

  • E Christine, o carro assassino? Também é do King e é fodão de bom! \o/

  • Eu já disse aqui que AMO King. E bom, recentemente eu assisti “Desespero”, que foi adaptado para uma dessas mini-séries. Se você já leu o livro, assista. É bastante fiel. Só não é tão bom por ser uma produção de baixa renda.

    E sobre “O Iluminado”, prefiro a versão dos anos 90, também adaptada para uma mini-série. É totalmente fiel ao livro. Na primeira versão, apesar da brilhante atuação de Nicholson, faltou fidelidade ao texto original.

    É, eu sou uma leitora fiel. ;)

  • Leef

    Fresh Eggs *¬*

  • David

    Eu acho ridiculo o que voce escreveu Paulo,se voce não gosta dos filmes do Stephen king é um problema pessoal seu,mais eu acho que todos os filmes que foram baseados nos livros dele são otimos sim,é claro também podemos destacar que nao é qualquer direção de pega um otimo livro e tenta fazer um otimo filme,mais eu achei ridiculo quando voce disse que todos os filmes sao uma bosta.
    Analise bem o que voce esta falando
    Não fale as coisas que voce nao sabe!!!
    Stephen king sempre foi o melhor e sempre vai ser o melhor!!!!!!!!!!!

  • atillah

    Aham. E eu quero complementar o comentário do David dizendo que na verdade Stephen King é a última e verdadeira encarnação de deus na Terra. Dado este fato, não existe a MENOR possibilidade de que os filmes baseados nos seus livros sejam ruins, pouco inspirados, repetitivos, longos demais, curtos demais, caça-níqueis sem-vergonha, chatos pra cacete ou qualquer outro problema que costuma atingir filmes baseados em livros.

    Por fim, gostaria de dizer a você Paulo, que não vivemos em um país livre e que você NÃO TEM direito de expressar sua opinião livremente, principalmente quando sua opinião mexe com alguma coisa que eu aprecio. Quero que você morra afogado nas suas próprias fezes, pelo menos até que você pense EXATAMENTE da mesma maneira que eu.

busca

confira

quem?

baconfrito