Happy Rock me deixa triste

Música terça-feira, 08 de junho de 2010

Cá estava eu, em um domingo tedioso, sem nada pra ler, quando chegam com a última edição da revista Veja. Juro que fiquei com uma puta vontade de cagar. E você também caga, não sei por que caralhos tem gente que tem medo de ADIMITIR coisas assim. Enfim, respeitando as vontades da natureza, fui aventurar-me no trono com a revista em mãos. Porque né, cês sabem que cagar e ler Veja é fazer um verdadeiro culto à merda. Lá pro final, achei uma reportagem de uma página sobre um tal de happy rock. Depois que eu terminei de ler sobre isso, quis enfiar essa reportagem na privada e dar descarga pra nunca mais chegar perto de coisas assim. E eu fico triste com isso.

A reportagem girava em torno de duas bandas desse tal “estilo musical”: Restart, em maior evidência, e Cine, deixado meio que de lado. Ao decorrer das frases, vinha a ideia de que, veja só, o tal happy rock era algo melhor que o emo. Uma evolução, vai. Agora eu pergunto: Como caralhos isso é uma evolução? Sinceramente, ou você considera que o happy rock tá no mesmo nível do emo ou tá PIOR. Sim, pior. Quem escutava emo pelo menos tinha a decência de tentar se matar cortando os pulsos e livrando o mundo da própria existência; quem escuta happy fica por aí, vestido feito um sinal de trânsito, falando que vai xingar no Twitter hoje, muito. Sério.

Também disseram no texto – que, na minha opinião, foi feito pelo próprio Diabo – que essa… Seita apocalíptica faz parte de um rock COMPORTADO e que não chega a preocupar os pais, já que estes são convidados a participar dos shows. Muito bem, vamos analisar os fatos: Se você fosse um pai e seu filho ou filha escutasse uma banda dessas, vestido como um palhaço de circo com problemas mentais que acabou de fugir de um farol, por ter sido desmascarado pela turma do Scooby Doo, você não se preocuparia? Pra mim isso já é motivo o suficiente pra trancar essa placenta subdesenvolvida em casa e nunca mais deixá-la sair.

No pior dos cenários possíveis: Você realmente iria a um show desses com o seu filho? E não, você não poderia matar nem a banda nem um fã durante sua estadia no… Inferno musical. Rock comportado. Essa definição me deixa triste. As bandas que eu escuto não são comportadas, não deixam os pais aliviados. Elas fodem a mente dos pais. Pra mim, rock tem que ser assim: Um bando de gente que fuma, bebe, vai morrer aos 40 anos de câncer ou cirrose, sabe disso, não tá nem aí e maltrata os fãs babacas.

Quem você acha que venceria em uma luta de rua? Ok, as bandas felizes podem até ser o futuro do rock. Mas bora deixar claro: É o futuro do rock de VOCÊS, não do meu. Sabe, vou me orgulhar daqui a quinze anos, quando meu filho ou filha vier da escola e falar que acha o pai da amiga foda porque ele escutava Restart. Eu vou virar, com a maior cara de zen budismo na face da Terra, dar um sorriso largo e falar: É, as bolas dele são diretamente proporcionais ao bom gosto musical: Inexistentes.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Zord

    Sempre que chamam essa música ridícula de Rock’n’Roll e chamam esses seres coloridos e assexuados de roqueiros, surge aquela raiva inexplicável. Rock era pra ser um movimento de revolta contra a política e a sociedade. Era pra falar da realidade e da juventude, das drogas, do sexo, das motocicletas iradas e de como tava todo mundo de saco cheio das ordens dos adultos ditadores. Quando se falava de amor nos rocks antigos, não era essa coisa adolescente ridícula das músicas de hoje. Agora que a sociedade tá liberal e não tem mais do que reclamar (ou eles não sabem do que reclamar), pegam toda a “honra” do rock’n’roll e transformam em uma simples modinha. O cara quer tocar rock antes de ter barba na cara, só dá nisso. É uma vergonha ter que voltar aos anos 70, 80 e 90 para ouvir música de qualidade. Não queria ter que presenciar a queda do bom e velho rock, então sinceramente, prefiro parar no tempo para não ver esta “evolução”.

  • Vei… eu nunca ouvi falar dessa bandas aí até ver vc escrever…e outras como sertanejos, djavus e o caraio as 4

    Graças a (?) essas anomalias não fazem parte do meu mundo

  • E pra (tentar) deixar a tristeza de lado, chega de textos sobre bandas emo e afins, ok?

  • K

    @Jorge
    Hm… Não (Mentira, esse foi o texto de despedida sobre o tema, mesmo).

    E o Zord diz toda a verdade. E o Yuri escuta coraçãozinho s2 s2 Restart s2 s2 que eu sei.

  • Ricardo

    Nem tem mais o que comentar sobre esse lixo colorido… então, vou falar da parte positiva: Josh Homme reina!

    Esse sim é gênio.

  • “e que não chega a preocupar os pais”
    Lógico, se um menino escuta isso e se veste dessa forma, a única coisa que o pai tem que se preocupar é se o filho não vai ficar com nenhum outro garoto na frente de conhecidos :T

  • Matheus Nerd

    Para fãs dessas banda coloridas vc tem que amarra-los e colocar pra escutar Ac/Dc,Sex Pistols,Dio,Ozzy, e dar um soco cada vez que ele respirar por desperdicio de oxigênio até eles aprenderem…

  • Isso não é rock, ponto.

    Mas estranho ver gente falando que rock de verdade é “rebeldia e etc.”, que “roqueiro de verdade não se vende”. Kiss e Beatles não são rock?

  • lucas

    “Rock comportado. Essa definição me deixa triste. As bandas que eu escuto não são comportadas, não deixam os pais aliviados. Elas fodem a mente dos pais. Pra mim, rock tem que ser assim: Um bando de gente que fuma, bebe, vai morrer aos 40 anos de câncer ou cirrose, sabe disso, não tá nem aí e maltrata os fãs babacas.”

    Eu meio que discordo, Ultraje a Rigor, uma das melhores bandas de rock da atualidade, sempre respeitou os fãs, o criador tem 44 anos e não morreu ainda (acho que é por causa do QI de 175), e meus pais não se incomodam de eu ouvir…

busca

confira

quem?

baconfrito