Fãs idiotas

Música terça-feira, 07 de setembro de 2010

Algumas vezes eu me arrependo de ter feito textos sacaneando essas modinhas aí, que aparecem e somem tão rápido quanto uma gripe suína. E eu me arrependo exatamente por notar que eu sempre tive razão: Gente que escuta esse tipo de coisa, que monta exércitos, clubes ou famílias com o nome da banda, gente que coloca o sobrenome do cantor no MSN. Porra, cês nem gente são. Não é nem questão de homenagear quem você escuta, é questão de ser humano, mesmo.

De vez em quando eu me deparo com uns comentários nada a ver em uns textos antigos. Principalmente os do Justin Bieber, mas como ele é tão ruim quanto Cine ou Lady Gaga, tá valendo também.

 Ninguém aí se salva. Só a cerveja SOL.

Eu vou ser curto e grosso, porque eu já explorei tanto esses assuntos que eu sinto como se estivesse estuprando alguém que já morreu: Não é porque quem você escuta é babaca que você PRECISA virar babaca pra ouvir e gostar.

Peguem, por exemplo, Matanza. Matanza é foda, todas as PESSOAS têm conhecimento disso. Pra ouvir Matanza, entretanto, você não precisa andar só de preto, com uma camiseta da banda, calçar coturno, criar barba e sair por aí, cuspindo cerveja na geral. Só ouvir o artista e acompanhar o trabalho já mostra que você admira os caras – embora eles estejam cagando e andando pro que você pensa, contanto que você compre os álbuns.

Eu nunca vi nenhum fã de Marilyn Manson que tirou umas costelas pra falar que curte o som do cara. Até porque, Marilyn Manson é uma bosta. O que me leva a outro assunto: Acho essa história de MODINHA a pior invenção de todos os tempos. Porra, mano, qual é o seu problema pra você andar com sobretudo e batom preto, entrar em cemitério e ler poesia? O que caralhos cê tem na cabeça quando faz CHAPINHA e tira foto pra colocar no Orkut como se estivesse cortando os pulsos? O QUE VOCÊ GANHA ao se vestir de arco-íris?

 Um POTE DE OURO, talvez?

Um dia uma professora de Química veio me falar que, quando jovem, era gótica. E que, naquela época, gótico apanhava como emo nos tempos atuais (Por atuais, entenda, era lá pra 2005). E sabe do que mais? Eu concordo, nego tem mais é que apanhar. Eu já escutei desde rap a rock pesado e nunca mudei meu modo de escrever, falar, se vestir e agir, por que alguém faz isso quando uma banda nova estoura no mercado? É pedir pra levar um bem dado no meio da fuça.

Eu não tenho nada contra, aliás, quem usa camiseta de banda, ou gosta de se vestir como um cadáver prum show. Cê tá se divertindo, eu não vejo problema algum. Mas pra que ser assim na vida real? É a mesma coisa que um otaku sair de uma convenção de virgens um evento de anime vestindo cosplay. NÃO. FAZ. SENTIDO.

 Essa imagem, jogada aqui, fez algum sentido, por acaso?

Sem contar que eu tô perdendo o rumo aqui. Isso de se vestir que nem um pavão é o de menos, o pior é se portar como alguém com problema (TIPO ELES SÃO GATINHOS S2S2S2S2). Não importa qual tipo de som você escuta, ele nunca, em hipótese alguma, vai te tornar alguém idiota de forma involuntária. O problema tá com quem escuta. E, pelo amor, se você for escutar alguma banda ruim, composta de nego que morreria de fome dentro de um supermercado, tenha bom senso. Ouvir a banda já é o suficiente, não se transforme nela. Noobs.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito