Estreias da Semana – 19/03/2015

Cinema quinta-feira, 19 de março de 2015

A Série Divergente: Insurgente (Insurgent)
Com: Shailene Woodley, Theo James, Miles Teller, Ansel Elgort, Kate Winslet, Jai Courtney, Zoë Kravitz e Octavia Spencer
Depois que Beatrice, digo, Tris tocou o terror em Chicago no filme anterior, ela vai procurar aliados e respostas nas ruínas da antiga cidade, juntamente com Quatro [Não me pergunte, eu também não sei]. Caçados por Jeanine, líder da Erudição, eles tem de agilizar pra descobrir porque a família de Tris se sacrificou, mas o bagulho vai ser louco porque a Erudição não quer deixar.
Eu esqueço de tudo vendo esse pôster, só consigo pensar em uma coisa: COMO?

Dívida de Honra (The Homesman)
Com: Tommy Lee Jones, Hilary Swank, Miranda Otto, David Dencik, Grace Gummer, Sonja Richter, John Lithgow e William Fichtner
Meio do século XIX, faroeste americano. Mary Bee Cuddy tá levando 3 mulheres diagnosticadas pela avançadíssima medicina da época como loucas pra uma casa de repouso em Iowa. No meio do caminho, acaba salvando a vida de Georges Briggs, um criminoso foragido. Como agradecimento, ele a acompanha em sua jornada e a auxilia no que pode.
Táe uma coisa que não se encontra mais hoje em dia: Alguém que demonstra gratidão. E filme de velho oeste não tem como ser ruim, cara.

Terceira Pessoa (Third Person)
Com: Liam Neeson, Mila Kunis, James Franco, Olivia Wilde e Kim Basinger
Três histórias de amor, três cidades, um filme: Michael se tranca num quarto de hotel em Paris depois de terminar com a esposa pra terminar um livro, mas acaba encontrando Anna, uma jovem escritora que o inspira, se é que você me entende. Scott conhece a cigana Monica em Roma e simpatiza com ela, a ajudando a procurar sua filha pequena. E Julia é uma MILF mãe que, com a ajuda da advogada Theresa, vai batalhar com o ex-marido famoso pra conseguir a guarda do filho.
Eu não sei se é um trocadilho do nome do filme com o fato de serem sempre relacionamentos com uma “terceira pessoa” se envolvendo, mas parece uma ideia não tão ruim assim.

Mapas para as Estrelas (Maps to the Stars)
Com: Julianne Moore, Robert Pattinson, Mia Wasikowska, John Cusack e Olivia Williams
A família Weiss é um tanto quanto incomum: Sanford é o patriarca, psicólogo e técnico motivacional que ficou rico vendendo livros de autoajuda. A mãe, Christina, mais cuida da carreira do filho que qualquer outra coisa. Filho este, Benjie, que é um astro-mirim de 13 anos, na reabilitação desde os 9. Agatha, sua irmã, também saiu de uma instituição: Um sanatório, onde passou por tratamento por piromania criminosa. Pra completar, uma das clientes de Sanford, Havana, é uma atriz que sonha em fazer um remake do filme que alçou sua mãe, Clarice, ao estrelato na década de 60, mas agora Clarice está morta, e Havana sonha com ela.
Rapaz, mas isso não é um filme, é uma salada de batatas. E do pior tipo: A que não tem gosto de batata.

Eden
Com: Félix de Givry, Hugo Conzelmann e Roman Kolinka
A década de 1990, com sua moda esquisita e sua música ruim, tomou conta da França graças ao ritmo eletrônico robótico misturado ao soul que deu origem ao french house. E foi graças à isso que surgiu a dupla formada por Guy-Manuel de Homem-Christo e Thomas Bangalter, também conhecidos como Daft Punk. É, o Daft Punk toca french house. Lidem com isso.
Se você não conhece Daft Punk, favor se jogar da ponte mais próxima. Ou não, pode ser que você apenas tenha problemas mentais.

Duas Irmãs, Uma Paixão (Die Geliebten Schwestern)
Com: Hannah Herzsprung, Florian Stetter e Henriette Confurius
Caroline e Charlotte são irmãs que sempre foram muito próximas, com uma grande amizade entre si. Compartilhavam tudo, inclusive Friedrich Schiller, um escritor que brotou em suas vidas, e como bom malandrão que é, não consegue escolher uma. Mas aparentemente o sangue não é tão forte assim, porque essa situação pode não durar.
É o sonho de todo homem ser disputado por duas mulheres, certo? Errado, isso é o romantismo do século XVIII [XIX?], então ele tem que se matar pra não escolher nenhuma. E não, isso não é um spoiler, é só uma piada.

Meus Dois Amores
Com: Caio Blat, Maria Flor, Alexandre Borges, Lima Duarte, Vera Holtz, Fabiana Karla, Julio Adrião, Guilherme Webe, Milton Gonçalves, Xando Graça, Ana Rios, Ana Lúcia Torre, Carol Aguiar, Clara Servejo e Marcello Escorel
Manuel é um cara que tem dois amores na vida: Das Dô, a noiva, e Beija-fulô, a mula. A despeito das insinuações de zoofilia, ele também negocia cavalos. Cavalos já não muito bons que ele vende pra qualquer otário que comprar. Porque Manuel é malandrovski pra cacete. Até o dia em que ele vende um cavalo não muito bom pra Targino, matador de aluguel. Este, por motivos óbvios, fica puto da cara e jura Manuel de morte. Como não quer morrer, Manuel vai procurar ajuda de Toniquinho das Pedras, que quer como paga pra resolver o problema Beija-fulô. Manuel tem então a escolha mais dura de sua vida: Das Dô ou Beija-fulô?
Cês querem que eu não faça piada sobre zoofilia, mas olha o bigode do Caio Blat. É praticamente um molestador profissional. O que me surpreende é que isso chegou a ser filmado. Algum valor deve ter.

O Duelo
Com: Joaquim de Almeida, José Wilker, Cláudia Raia, Márcio Garcia, Mauricio Goncalves, Milton Gonçalves, Patrícia Pillar e Sandro Rocha
Cansado de ser um lobo do mar, o comandante Vasco Moscoso de Aragão vai caçar um lugar sossegado pra ficar de boa. Nessas, ele encontra a vila de Periperi, que se encanta com o capitão. Os homens se juntam pra ouvir suas histórias, as mulheres se enamoram do ar de romântico europeu do murruga. Enciumado, Chico Pacheco, o fiscal e antigo homem mais admirado da cidade, começa a cavar o passado de Moscoso, pra levantar a ficha do gajo.
Comédia zoneando um português, que original. Ou não, já que é baseada em uma obra do Jorge Amado. E tem o José Wilker no elenco. Ou seja, é um ode aos mortos, um requiem.

Insubordinados
Com: Sílvia Lourenço, Priscilla Alpha e Rodrigo Brassoloto
No hospital pra cuidar do pai em estado terminal, que é coronel reformado da Polícia Militar, Janete enfrenta a agonia e solidão escrevendo uma história policial. Mais especificamente, uma história policial em que ela é a delegada e os funcionários do hospital são os personagens.
Cara, eu não sei se esse filme é muito ruim ou muito bom. Mas a premissão dá margem pra umas paradas muito foda.

Branco Sai Preto Fica
Com: Marquim do Tropa Dilmar Durães, Gleide Firmino e Shockito
Numa mistura de ficção com documentário, a data de 5 de março de 1986 é relembrada, quando policiais invadiram o baile balck Quarentão, na cidade-satélite de Ceilândia. Duas das vítimas, Marquim do Tropa e Shockito, rememoram o ocorrido. Marquim hoje em dia é paraplégico, e Shockito usa uma prótese mecânica na perna. Tudo isso em decorrência de uma espécie de “apartheid” entre os moradores da rica Brasília e da pobre Ceilândia. Oa pira ocorre quando o filme resolve avançar pra 2073, acompanhando uma investigação em busca dos responsáveis pelo que aconteceu em 1986.
Rapaz, e eu achando que era um documentário chato. Com esse final deu até vontade de assistir essa parada.

Leia mais em: , , , , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • “Branco sai preto fica” tô esperando ansioso pra estreiar na locadora torrent.

  • Isso é crime, cara.

busca

confira

quem?

baconfrito