Estreias da Semana – 15/01/2015

Cinema quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Os Pinguins de Madagascar (Penguins of Madagascar)
Com: Benedict Cumberbatch, John Malkovich, Christopher Knights, Chris Miller, Tom McGrath, John DiMaggio, Nicole Sullivan e Cedric The Entertainer
Depois de roubar a cena dos Madagascar, os pinguins estão de volta num filme que mostra sua origem, além de trazer do passado um vilão não tão óbvio. Sem contar a organização boladona que tem dinheiro saindo pelas orelhas mas não consegue bater uma equipe de quatro pinguins que improvisa a porra toda.
Cara, quisera eu que os Madagascar fossem tão engraçados quanto esse filme.

Livre (Wild)
Com: Reese Witherspoon, Gaby Hoffmann, Laura Dern, Thomas Sadoski, Michiel Huisman, W. Earl Brown, Kevin Rankin e Brian Van Holt
Cheryl Strayed perdeu a mãe, pirou na batatinha e começou a usar heroína, zoneou o casamento e fodeu a vida pra caralho. Com 26 anos, resolveu resetar a vida, do jeito mais difícil: Largando tudo pra trás pra começar uma caminhada de mil e não sei quantas milhas pela costa americana do Pacífico, pra depois decidir o que fazer da vida.
Quem nunca fez umas cagadas e quis sair andando que atire a primeira pedra.

Invencível (Unbroken)
Com: Jack O´Connell, Garrett Hedlund, Domhnall Gleeson, Alex Russell, Jai Courtney, Finn Wittrock, John Magaro e Luke Treadaway
Louis Zamperini foi criança problema. Saiu dessa vida pra se tornar atleta olímpico. Depois deixou isso pra lá pra ser artilheiro [Não de futebol] na segunda guerra mundial. O problema foi que o avião caiu no mar e ele passou 47 dias a deriva, quando foi encontrado por um barco japonês. Como os japoneses eram inimigos, ele acabou ficando preso até o fim da guerra. Mas não conseguiram prender o espírito dele. Ou quebrar, sei lá.
Não vá pensando que o Rambo ou algo parecido faz uma ponta, porque não faz. Não é um filme de guerra, é uma ode ao espírito humano.

Leviatã (Leviafan)
Com: Andrey Zviaguintsev, Vladimir Vdovitchenkov, Roman Madianov e Alexeï Serebriakov
Kolia é um homem comum que começa a se foder. Vadim, o prefeito da cidade beirando o mar de Barents, desapropriou sua casa/oficina a beira mar. Ele vai atrás de ajuda no passado, através de seu amigo da época de milico, Dmitriy. O problema é que a presença de Dmitriy acaba trazendo mais males que bem. Que diga a mulher de Nikolay, Lilya.
Não é um filme com um bom ritmo, não tem final feliz. No fim das contas, é uma versão moderna da miséria de Jó. Aquele mesmo, da bíblia católica.

Nostalgia da Luz (Nostalgia de la Luz)
Com: Gaspar Galaz, Lautaro Núñez, Patricio Guzmán e Henríquez Luís
Em pleno deserto do Atacama, onde a observação dos astros celestes é facilitada pela ausência de interferência, poluição e pela altitude de mais de 5 mil metros, existem dois tipos de buscas: A das pessoas olhando pro alto, procurando vida extraterrena, e as que olham o chão, mulheres em busca dos restos mortais de seus parentes, abandonados no deserto implacável pelo regime não menos implacável de Augusto Pinochet.
É, não é só no Brasil que se faz filme sobre a ditadura. A diferença é que não chegam de lá os daqui, e vice-versa.

O Segredo das Águas (Futatsume no Mado)
Com: Nijirô Murakami, Jun Yoshinaga, Miyuki Matsuda, Makiko Watanabe, Jun Murakami e Hideo Sakaki
Kaito, de bobeira na ilha de Amami Oshima, descobre um cadáver boiando na água do oceano. Junto com sua namorada Kyoko, eles vão tentar entender essa descoberta misteriosa, numa viagem rumo ao entendimento de dois adolescentes de 16 anos sobre a natureza cíclica da vida, amor e morte.
Eu acho incrível como os japoneses, por terem uma visão diferente sobre esses assuntos, acabam só mandando filme sobre isso pra cá.

Se Fazendo de Morto (Je Fais le Mort)
Com: François Damiens, Géraldine Nakache, Lucien Jean-Baptiste
Jean tinha um futuro promissor como ator, com um prêmio César de revelação em 1987, mas cagadas do ego fizeram com que ele se fodesse na vida profissional. Hoje com 40 anos, ele praticamente não arruma emprego como ator. O único que conseguiu foi como defunto em uma reconstituição de um crime violento numa cidade no norte da França. Chegando lá, o santo dele não bate com o da juíza Noémie, que acha ruim ele querer dar pitaco no serviço da polícia.
Acho que é a primeira vez que eu tenho simpatia por um personagem de filme francês. Quiçá até assistiria esse.

Depois da Chuva
Com: Pedro Maia, Ricardo Pisani, Talis Castro, Zeca Abreu, Aícha Marques, Paula Carneiro, Sophia Corral e Victor Corujeira
1984, ano de Grande Irmão e da população brasileira ir às ruas pedindo eleições diretas para presidente da república. Um dos inúmeros adolescentes presentes nesse despertar cívico, Caio também se vê acordando pra vida, quando descobre que pode arrumar umas cocotas nesse negócio que cês chamam de vida. Já que tá tudo mudando, o negócio é mudar de perspectiva.
Rapaz, pense numa sinopse groselha que não explica nada nem dá vontade de assistir um filme. É essa: Historinha adolescente fantasiada de documento histórico.

Leia mais em: , , , , , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Arthur Arantes Souza

    Depois da chuva tem sido bastante aclamado pela crítica.

busca

confira

quem?

baconfrito