Em defesa do cinema naciozzzz

Primeira Fila sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Sim, eu sumi. Não, não vou explicar. Do último texto pra cá, a única novidade que vos interessa é que virei editora da área de cinema aqui. O que não mudou muita coisa na prática, mas é legal porque… *Pensa por 42 minutos* Eu tiro o trauma da escola já que meu nome é dos primeiros da lista aqui do lado. Mas enfim, vamos ao assunto do dia:

Na falta de SWU’s, Brasília se contenta com Green Day [Que eu fui. UEBA. Não, isso não tem a ver com a coluna, mas é que foi muito bom] Não tendo grandes festivais de cinema internacional, os cinéfilos mão-de-vaca econômicos de Brasília ficam o ano inteiro esperando o Projeta Brasil, um dia que a rede de cinemas Cinemark passa uma caralhada de filmes nacionais por 2 reais.

Munida de todas as moedas do meu cofrinho, uma barraca, a programação impressa, alguns amiguinhos e da minha mãe [q], rumei ao cinema, esperando encontrar filas quilométricas de fãs apaixonados pelo cinema nacional. Tinha mais ou menos 15 pessoas na minha frente. O que é muita gente pra meio-dia, mas nem de longe é o que eu esperava pra um cinema a DOIS REAU. Refleti se talvez o Vassourada estivesse certo, mas esse não é o tipo de coisa que eu vou admitir em público.

Primeiro filme: Lula, o Filho do Brasil. Eu pretendia esperar passar na Sessão da Tarde, mas como era o único filme no horário, fui. Rapaz, que vida sem graça a do presidente, benzadeus. É um filme longo, que fala de problemas que qualquer orelha seca já passou (E alguns que orelhas com brinco de diamante também), longo, de dramatismo forçado, longo, com atuações sofríveis – exceto pelo protagonista, talvez – e muito, mas MUITO longo. Eu não sei qual é a duração exata do filme, mas me pareceu maior que Cleópatra. E quando a coisa parecia ficar mais interessante, já que o homem foi preso pelos inquisidores oficiais da ditadura militar, o filme teve um corte broxante e acabou. Sim, um corte desses com tela preta e letrinhas explicantes. E é com isso que devemos concorrer a uma das vagas do Oscar. Beijão, Ministério da Cultura.

Mais pobre e com horas a menos na minha vida, fui ao segundo filme: 400 contra 1. Sobre os lindos do Comando Vermelho. Eu sou chegada num filme que coloque vilões como protagonistas, mas falharam miseravelmente ao tentar fazer desses heróis revolucionários. Eles não eram. Eram assaltantes de banco que matavam uma negada na prisão, mas se faziam de vítimas da ditadura. A não ser que seja um tipo apaixonante como o Alex, do Laranja Mecânica, que posava de coitado por puro sarcasmo, vilão bom é vilão sádico e que se orgulha disso. O resto é florzinha de novela das 8, que ao menor sinal que os planos vão falhar já se fazem de arrependidos ou de vítimas do capitalismo/algo parecido.

Depois desse, desisti dos planos de acampamento e vim pra casa. E tentei lembrar de algum filme realmente bom esse ano no cinema nacional além da continuação de Tropa de Elite. Não consegui. Vocês sabem que eu gosto do nosso produto, e, na verdade, pagaria (E pago) muito mais que esses dois reais pelos nossos filmes, mas anda cada vez mais difícil defender o cinema do Brasil. O “politicamente correto” tomou conta em definitivo das produtoras e os cineastas parecem tão cansados quanto eu pra defender suas idéias – que eu tenho certeza que ainda estão lá e o José Padilha não me deixa mentir.

 Falta quem diga “O comando é meu. A responsabilidade é minha.”

Agora resta decidir qual é a pior modinha: A dos espíritos ou dos favelados. Eu continuo gastando meus dinheirinhos com o cinema brasileiro, só não sei até quando.

Nota: Um salve ao Dino de Laurentiis, um dos maiores produtores que já viveu. Trabalhou com o Fellini no início, fez mais filmes do que você, na sua vida toda, já assistiu e ganhou o único Oscar válido – o Irving G. Thalberg Memorial Award – em 2001. Só nos resta esperar que os espíritos comecem logo a se comunicar por webcams e, assim, o Laurentiis possa produzir filmes do outro mundo.

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • João Pedro

    AEE, SHE’S BACK!

  • Nem posso dizer que senti saudades dessa coluna…

    Mas, a questão que você levantou é realmente algo a se pensar… O cinema brasileiro é gira em grande parte ao redor de problemas sociais, comédias sem graça e romances sem açucar. Raramente aparece algo novo fora desses padrões, mas ainda resta talvez alguma redenção quando nos voltamos ao mundo dos curtas. Ano passado pude apreciar um dos únicos festivais de curtas que teve em minha terrinha chamada interiorrrrr, aliás, o único que me lembre.
    Neste festival fiquei encantada com a criatividade de alguns grupos, capazes de fugir deste padrão da “pobreza” e se aventurar por um cinema mais conceitual, digno talvez de grandes tradições cinematográficas como o cinema polonês.

    Acho que o cinema nacional ainda tem salvação. Mas enquanto isso, fico com o cinema de nuestros hermanos latinos americanos.

  • Quem é viva sempre aparece!

    Peraí… o título é EM DEFESA DO CINEMA, mas vc meteu o pau no cinema nacional…Ou será que eu não entendi a ironia?

  • Uiara

    Observe o “zzzzz” no final, constatando o sarcasmo inserido no falso nacionalismo. Em outras palavras:

    Óbvio que você não entendeu, Yuri.

  • Guilherme

    Tiveram bons filmes nacionais esse ano. Me vieram à cabeça logo de cara Cabeça à prêmio e Apenas o fim.

    Que são bons filmes.

    Não lembro de mais nenhum, mas acho que já está bom pra um ano no nosso querido Brasil.

  • Lil

    uhu! uiara voltou!

    Compactuo da opinião que CINEMA NACIONAL = LIXO, com raras exceções como tudo nessa vida.

    Um filme que me surpreendeu positivamente dessa última leva foi Estômago, vocês viram?

  • O politicamente correto fodeu, fode e continuará fodendo com esse mundo. O deixou maricas. Homens frescos, mulheres frescas, gente fresca.

  • Elisandro

    ” As melhores Coisas do Mundo” vale a pena conferir.

  • João Pedro

    o cinema nacional não é lixo. é apenas descartavel, apelativo, sem-graça, sem-sal, que abusa de favela/religião/comédia ‘picantes’ e de atuações fraquissimas. mas lixo, não é, pois ainda há gente digna por ai. Sim, josé padilha, Walter Salles, Fernando meirelles e a muié de ‘as melhores coisas do mundo’. To falando de vocês.

busca

confira

quem?

baconfrito