Destaque do Midseason – Flashpoint

Sit.Com terça-feira, 19 de agosto de 2008

Olhar as séries do midseason americano (nosso calendário de séries é, normalmente, atrasado em relação a maioria das séries em exibição nos EUA) dificilmente empolga algum seriemaníaco. Em função das próprias emissoras (da tevê aberta) não investirem muito neste formato durante o verão (deles), o formato que mais surge em cena nos canais, em sua maioria em tempos de reprise, são os realitys shows e algumas produções menores e arriscadas, logo, se não conseguirem audiência pouco ou nada (de dinheiro e investimento) se perde.

Nesta última temporada foram poucas as séries inéditas que os canais americanos (aberto e tevê a cabo) arriscaram em exibir, entre elas, Fear It Felf (coletânea de contos de terror/suspense de diversos diretores envolvidos com o gênero, não teve repercussão de audiência), Swingtown (retrata a vida de moradores do subúrbio de Chicago da década de 70, que gostam de troca de casais, de casamentos abertos e festas do cabide, mas que logo perceberão que esse estilo de vida alternativa vem com algumas complicações – série exibida no canal errado, deveria estar na tevê a cabo onde há mais liberdade de conteúdo, não teve uma audiência muito expressiva) e In Plan Sight (da tevê a cabo, acabou de ser renovada para uma segunda temporada no ano que vem, apresenta as aventuras de uma agente especial que trabalha para o Departamento de Proteção à Testemunhas. Ela precisa evitar que a testemunha seja morta até receber sua nova identidade e se estabeleça em sua nova vida) para citar algumas mais conhecidas do público de downloads, já que por aqui nunca saberemos quando estas serão exibidas.

No entanto, em meio a mesmice e a equívocos, uma série co-produzida pela CBS e o canal canadense CTV surgiu com uma proposta um pouco diferente do habitual cenário de dramas policiais, seu nome é Flashpoint. A série centrada no dia-a-dia da Unidade de Reações Estratégicas, esquadrão de elite em Toronto de policiais treinados para lidar com missões de grande risco (uma espécie de Tropa de Elite canadense), como desarmar bombas, resgatar reféns, evitar suicídio de adolescente e enfrentar organizações criminosas.

O grande diferencial da série é a aposta em tramas e dilemas bastante reais e humanos; a série sempre inicia num momento de grande tensão para em seguida retornar no tempo e relatar como a trama e os personagens chegaram naquele ponto nervoso. Fugindo um pouco da exagerada adrenalina do “drop the gun” de Jack Bauer e da teia de pistas das séries policiais de procedimento, Flashpoint ganha pontos quando cria um cenário onde tudo pode acontecer, nem sempre com final feliz, tanto para as vítimas quanto para os “possíveis” criminosos o roteiro investe na natureza humana de maneira coerente. A fotografia, edição, montagem e trilha sonora são dignos das melhores séries no ar atualmente, fica aí a dica, principalmente se a série chegar por estas bandas.

A série é estrelada pelos atores Enrico Colantoni (o xerife Keith Mars, da inesquecível Veronica Mars) e Amy Jo Johnson (a melhor amiga de Felicity) entre os rostos conhecidos. Conseguindo uma audicência respeitosa, entre 6/7 milhões de espectadores por semana, não duvido de uma possível renovação da série e, até quem sabe, uma chance numa temporada regular.

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito