Continuando a saga dos heróis animados oitentistas

Televisão quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Praticamente continuando a coluna anterior, já que na década de 80 surgiram vários desenhos-ícones na época e há muito material para destrinchar.

Animações da Filmation

Como já falei dos desenhos da Rankin/Bass, com destaque para os Thundercats, agora vou falar sobre as animações dos estúdios Filmation, que eram melhores que os de seu concorrente, mas, mesmo assim, não tão criativos.

Pelos poderes de Grayskull!

Mais um cante junto

Com essas palavras, e erguendo a Espada do Poder, que o Príncipe Adam, filho do Rei Randor e da Rainha Marlena, do Planeta Etérnia, se transformava no bombadão He-Man, talvez o maior sucesso da Filmation, equivalendo em popularidade ao sucesso de Thundercats.

A história girava em torno do príncipe, um cara equivalente a maioria dos playboys de hoje, sendo um cuzão que se vestia de rosa e tinha um tigre verde medroso de estimação.

Toda a moleza acaba quando a Feiticeira apresenta Adam à Espada do Poder e a dita cuja o escolhe para ser o protetor do Universo (lembraram da Excalibur?).

Adam, então, toda vez que empunha a dita espada, se transforma em He-Man, o ser mais poderoso de Etérnia, onde seu principal inimigo é o Esqueleto, uma espécie de caveira humanóide, com os ajudantes mais bizarros que se pode imaginar, e o melhor personagem do desenho.

 Turma de He-Man reunida

Ao contrário do que muita gente pensa, He-Man foi criado exclusivamente para vender brinquedos, pois a Mattel (a mesma que faz a Barbie) havia criado bonecos para o filme Conan e o mesmo, por ser considerado violento demais, foi censurado para as crianças na época.

O jeito foi pedir à Filmation que fizesse um desenho com um herói parecido, mas que passasse pela censura e agradasse à criançada, nascendo os Mestres do Universo.

O sucesso foi tanto, que He-Man ganhou uma irmã – She-Ra – e um filme com o brucutu Dolph Lundgren estrelando o papel principal de príncipe Adam/He-Man.

Tão tosco que nem merece comentário.

 Atillah brincando de He-Man

Recentemente, foi criado um desenho mais atual, mas acabou não fazendo o mesmo sucesso do original.

Pela Honra de Grayskull!

Por conta do sucesso de He-Man, os produtores não perderam tempo e, assim como os estúdios Rankin/Bass, criaram uma nova animação semelhante ao seu sucesso principal.

Só que a Filmation foi um pouco mais esperta, criando uma história amarrada à original, mas independente em vários aspectos, nascendo She-Ra, a Princesa do Poder e irmã de Adam, versão feminina de He-Man.

 A versão feminina de He-Man, mas com história independente

Para não dar a mesma mancada de Silverhawks e TigerSharks, do estúdio concorrente, She-Ra vivia em uma dimensão paralela à de Etérnia, em Ethéria (haja criatividade), onde ela era Adora, líder do exército de mutantes de Hordak, ditador-supremo-master-fucking do planeta.

Um dia, Adam/He-Man foi convocado pela Feiticeira para atravessar um portal dimensional e dar um pulo até Ethéria, para levar uma espada, semelhante à sua, para entregar a – respira – alguém que luta pelo bem, não pelo mal – inspira.

Logo que chega à Ethéria, Adam, já transformado em He-Man, toma um cacete de Adora, é feito prisioneiro e vai para a solitária virar mulherzinha explica a história da espada para a capitã que, como toda mulher, desconfiada, resolve dar um passeio pelo planeta. Quando vê que tudo aquilo que Hordak dizia era mentira e os habitantes do planeta viviam na merda, ela se rebela, fala com a Feiticeira, descobre que Adam é seu brother, pega a espada, vira She-Ra, liberta o bundão do He-Man e começa a lutar pela liberdade em Ethéria.

 É assim que se faz uma boa caracterização de personagem

Ou seja, bem amarradinho com a série original.

Além de todos esses detalhes, ambos os desenhos tinham lições de moral no final de cada episódio para a criançada, inclusive com um “Onde está Wally?” em She-Ra, em que tinham que encontrar o personagem-mala Geninho durante o episódio.

BraveStarr

A última animação da Filmation até que fez relativo sucesso, contando a história de um caubói do espaço que protegia um planeta contra invasões alienígenas e colonizadores gananciosos.

BraveStarr até que era interessante por misturar velho oeste, misticismo e ficção cientifica. Mas, como criatividade era o ponto fraco da época, o delegado do Planeta Novo Texas, também lembrava Tex, famoso caubói herói dos quadrinhos.

BraveStarr até que era legal, mas não agradou aos pirralhos

Aliás, foi baseado no dito cujo, pois, assim como He-Man, por Tex ser considerado adulto demais e os brinquedos terem encalhado, criou-se Bravestarr para resolver o problema.

Talvez, por conta dessa salada, BraveStarr não tenha sido bem digerido pela criançada, tendo muitos episódios de temática adulta, inclusive com um mostrando um garoto morrendo de overdose.

Semana que vem tento encerrar essa fase oitentista que atualmente toma conta da coluna.

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Nath

    Aquele lá vestido de He-Man é o Atillah mesmo???

    Não se esqueça de falar sobre “Cavalo de Fogo” e “Caverna do Dragão”…
    A-do-ra-va!!!!!!!

  • Porra, deu até… dó do Juno agora.

  • atillah

    @ Nath

    Sim, aquele sou eu mesmo. E aquela She-ra na foto mais pra baixo é o Théo.

  • @atillah
    Hahahahah, dava pra ver essa vindo de Curitiba.

  • hagnat

    carraaaaalllhoooo vééééélhooo
    bravestar :D
    deu até um frio na espinha de lembrar desse desenho :D

  • Nath

    kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Depois o Théo pergunta porque eu tenho dó dele…

  • Guten

    Não podemos esuqecer D&D (conhecido por caverna do dragão), que até hoje deixa muitos nerds (como eu) discutindo por horas se essa porra teve ou não fim, se o Vingador e o Mestre dos Magos eram a mesma pessoa e se os personagens principais tavam ou nào mortos.
    Cavalo de Fogo… não sei o porque, mas até hoje eu tenho calafrios quando ouço a música tema…

  • @Guten
    O bacana de Cavalo de Fogo é que ele NÃO ERA o personagem principal. Ele era um plano de fundo, quase. Tanto que, na época, eu chamava easter eggs e afins de “Cavalo de Fogo”.

  • Ches

    Realmente não pode deixar de falar sobre Caverna do Dragão…O desenho em si ás vezes era tedioso…mas PQP como o Guten disse eu também ainda fica horas debatendo sobre o final..!

  • @Nath e @Guten
    Em breve vou falar de mais alguns, espero que na próxima coluna, como os que você citou, entre outros que você vão lembrar.

    @hagnat
    Eu curtia para caramba BraveStarr, talvez porque curtisse o gibi do Tex, que meu pai era fã e comprava direto. Pena que não deu muito certo por aqui.

    @Théo e @Juno
    Sem comentários.

  • sandrine

    Tem que falar de Smurfs e Snorks.

  • Quando era pequeno cheguei a sair fantaseado de He-Man no carnaval… mas a fantasia que minha mãe fizera era de papel crepom e acabou rasgando com o meu suor! Hahahaha! :D

  • Pedro

    legal …
    como era o nome daquele herói da mesma época do he-man, que montava um dragão ? alguém se lembr\

busca

confira

quem?

baconfrito